Repositório Digital

A- A A+

Avaliação diagnóstica e prognóstica dos distúrbios ácido-básicos em pacientes críticos pelo método de Stewart

.

Avaliação diagnóstica e prognóstica dos distúrbios ácido-básicos em pacientes críticos pelo método de Stewart

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação diagnóstica e prognóstica dos distúrbios ácido-básicos em pacientes críticos pelo método de Stewart
Autor Boniatti, Márcio Manozzo
Orientador Vieira, Silvia Regina Rios
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Acidose
Desequilíbrio ácido-base
Doenças metabólicas
Resumo Este trabalho tem como objetivos verificar se o método de Stewart pode melhorar nossa capacidade diagnóstica dos distúrbios ácido-básicos em pacientes críticos quando comparado ao modelo tradicional. Além disso, pretende-se determinar se as variáveis ácido-básicas estão associadas à mortalidade hospitalar. Este estudo de coorte prospectivo foi realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre de fevereiro a maio de 2007. Foram incluídos 175 pacientes admitidos na UTI durante este período. Variáveis clínicas e laboratoriais foram coletadas na admissão, além de seguimento destes pacientes para verificar mortalidade na UTI e hospitalar. Na primeira parte do trabalho, comparou-se a capacidade diagnóstica dos dois métodos de avaliação de distúrbios ácido-básicos: modelo tradicional e modelo de Stewart. No modelo tradicional, acidose metabólica era diagnosticada quando Standard Base Excess (SBE) fosse ≤ -5,0 mmol/L. Pelo método de Stewart, considerou-se acidose metabólica quando Strong Ion Difference efetivo (SIDe) fosse < 38,0mmol/L ou houvesse aumento de ácidos fracos não-voláteis (por exemplo, fósforo). Entre os 68 pacientes com SBE normal, isto é, sem distúrbio metabólico pela avaliação tradicional, a maioria (n=59, 86,8%) apresentava SIDe diminuído. Entre os 103 pacientes com acidose metabólica reconhecida pela avaliação tradicional, todos também apresentavam SIDe diminuído. A comparação entre sobreviventes e não-sobreviventes no hospital mostrou uma diferença significativa para Acute Physiology and Chronic Health Evaluation (APACHE) II, SOFA, sódio, cálcio, albumina, SBE, bicarbonato, cloro, SID aparente (SIDa), SIDe, e Strong Ion Gap (SIG). Individualmente, nenhuma dessas variáveis mostrou boa acurácia para predição de mortalidade hospitalar. O modelo de regressão logística com SOFA e idade apresentou uma área sob a curva Receiver Operating Characteristic (ROC) de 0,72. A adição das variáveis ácido-básicas evidenciou que cloro e albumina melhoravam o modelo significativamente. No modelo final, SOFA, idade e cloro associaram-se com maior mortalidade, enquanto albumina associou-se com maior sobrevida. A área sob a curva ROC para este modelo foi 0,80. A comparação entre as áreas sob a curva ROC dos dois modelos foi significativamente diferente (p = 0,01). Conclui-se que a avaliação diagnóstica de distúrbios ácido-básicos em pacientes críticos pode ser aprimorada pelo método de Stewart em relação ao modelo tradicional e que hipercloremia pode estar associada com maior mortalidade.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/27813
Arquivos Descrição Formato
000763445.pdf (188.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.