Repositório Digital

A- A A+

A aquisição de morfema em inglês como L2 : uma análise dos padrões evolutivos através do BELC (Brazilian English Learner Corpus)

.

A aquisição de morfema em inglês como L2 : uma análise dos padrões evolutivos através do BELC (Brazilian English Learner Corpus)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A aquisição de morfema em inglês como L2 : uma análise dos padrões evolutivos através do BELC (Brazilian English Learner Corpus)
Autor Pacheco, Aline
Orientador Menuzzi, Sérgio de Moura
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Letras. Programa de Pós-Graduação em Letras.
Assunto Análise lingüística
Aquisição da linguagem
Aquisição de segunda língua
Corpus lingüístico
Estudos da linguagem
Gramática
Língua adicional
Linguagem e línguas
Língua inglesa
Morfema
Resumo Este trabalho aborda a aquisição de morfemas em inglês como L2 por aprendizes falantes de português brasileiro como L1 através do BELC – Brazilian English Learner Corpus – um corpus de aprendiz elaborado para os fins deste estudo. Tomamos como referências os estudos de Brown (1973) e de Krashen (1977). Brown observou o seguinte padrão evolutivo com relação à aquisição de morfemas do inglês na condição de L1: 1. Present Progressive; 2. Plural; 3. Irregular Past; 4. Possessive; 5. Uncontracted Copula; 6. Article; 7. Regular Past; 8. Third person singular; 9. Uncontracted Auxiliary. E Krashen (1977) aponta a seguinte ordem para a aquisição de morfemas em L2 (apresentada em estágios): 1. Present Progressive, Plural, Copula; 2. Auxiliary, Article; 3. Irregular Past; 4. Regular Past, Third person singular, Possessive. Há dois estudos que se destacam na literatura ao tentarem propor explicações para a ordem de aquisição de morfemas em L2: Zobl e Liceras (1994) e Goldschneider & DeKeyser (2005). Zobl & Liceras (1994) oferecem uma explicação de natureza sintática para tal ordem, sugerindo que, no processo de aquisição de L1, as categorias lexicais e funcionais emergem de uma maneira específica, isto é, uma por vez. Já em L2, tais categorias emergem de maneira cruzada, pois os aprendizes de L2 dispõem de categorias funcionais desde os estágios de aquisição. Por outro lado, Goldschneider & Dekeyser sugerem uma explicação de natureza multifatorial para uma possível sequência natural na aquisição de morfemas fundamentada, de um modo geral, em aspectos de saliência. Com o objetivo de verificar o comportamento dos aprendizes brasileiros de inglês como L2, propomos a investigação dos estágios de aquisição de morfemas através do BELC, um corpus elaborado a partir da coleta de textos produzidos por 424 sujeitos, totalizando aproximadamente 103 mil palavras. Os resultados obtidos apontam para a seguinte sequência (também apresentada em estágios): 1. Copula, Plural; 2. Article, Possessive; 3. Present Progressive, Auxiliary, Irregular Past; 4. Regular Past, Third person singular. A sequência apresentada no BELC confirma vários estágios observados numa possível “ordem natural de morfemas” a partir de Krashen (1977). No entanto, duas diferenças são interessantes. O Present Progressive surge no terceiro estágio no BELC e no primeiro em Krashen (1977) e em Brown (1973). E o morfema Possessive surge no segundo estágio no BELC e no último em Krashen (1977) e, por isso, assemelha-se à posição de Brown (1973). Assim, as explicações oferecidas por Zobl e Liceras (1994) e Goldschneider & DeKeyser (2005) não conseguem explicar totalmente os resultados obtidos na pesquisa. Os resultados mostram que talvez fatores como instrução e a própria natureza da tarefa de coleta (escrita) podem ser apontados como possíveis intervenientes.
Abstract This dissertation deals with the acquisition of morphemes in L2 English by Brazilian Portuguese speakers through BELC – Brazilian English Learner Corpus. The study by Brown (1973) is used as a reference for the acquisition of L1 English. Brown observed the following developmental pattern in morpheme structures: 1. Present Progressive 2. Plural 3. Irregular Past 4. Possessive 5. Uncontracted copula 6. Article 7. Regular Past 8. Third person singular; 9. Auxiliary uncontracted. Krashen (1977) is used as a reference for the acquisition of grammatical morphemes in L2 English. He observed the following order of morphemes in acquisition (presented in stages): 1.Present Progressive, Plural, Copula, 2. Auxiliary, Article 3. Irregular Past, 4. Regular Past, Third Person Singular, Possessive. Two studies attempt to offer explanations for a possible order. On the one hand, Zobl and Liceras (1994) offer an explanation that is based upon syntactic assumptions, suggesting that in the process of L1 acquisition, lexical and functional categories emerge in a specific way – one at a time. In L2 acquisition, such categories emerge cross-categorically, for the fact that L2 learners already have functional categories available from the early stages of acquisition. On the other hand, Goldschneider & Dekeyser (2005) suggest a multifactorial explanation for a possible natural sequence based on general aspects of salience. In order to draw a developmental pattern of Brazilian learners of L2 English, we conduct an investigation about the stages of acquisition of morphemes through BELC, a corpus drawn from the collection of texts produced spontaneously by 424 subjects, which totaled approximately 103.000 words. The results indicated the following sequence (also presented in stages): 1. Copula, Plural, 2. Article, Possessive, 3. Present Progressive, Auxiliary, Irregular Past, 4. Regular Past, Third person singular. By comparing our study and the selected reference studies, we could observe several similarities and some differences in the stages of acquisition. Broadly, we can say that the sequence observed in BELC confirms a possible "natural order of morphemes" from Krashen (1977). However, two differences are interesting: the Present Progressive emerges in the third stage in BELC and in the first in Krashen (1977) and Brown (1973). And Possessive can be observed in the second stage in BELC and in the last stage in Krashen, a very similar position to Brown (1973). Thus, the explanations offered by Zobl and Liceras (1994) and Goldschneider & Dekeyser (2005) could not completely account for the results observed in the study. Factors such as instruction or the nature of the task (which was written) could have interfered in the results.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/27960
Arquivos Descrição Formato
000766089.pdf (1.180Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.