Repositório Digital

A- A A+

A voz e a configuração laríngea de pacientes do sexo masculino, com paralisia unilateral de prega vocal, pré e pós-medialização

.

A voz e a configuração laríngea de pacientes do sexo masculino, com paralisia unilateral de prega vocal, pré e pós-medialização

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A voz e a configuração laríngea de pacientes do sexo masculino, com paralisia unilateral de prega vocal, pré e pós-medialização
Autor Schwarz, Karine
Orientador Jotz, Geraldo Pereira
Data 2010
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Neurociências.
Assunto Cirurgia
Homens
Laringe
Paralisia das pregas vocais
Voz
Resumo A paralisia de prega vocal unilateral (PPVU) acarreta um efeito nocivo nas atividades da laringe, pois implica a interrupção de transmissão dos impulsos nervosos e de inervação neuromuscular. A descrição da voz e da configuração laríngea da PPVU, pré e pós-procedimentos cirúrgicos de medialização, pode complementar o entendimento da fisiologia do mecanismo laríngeo, bem como direcionar o tratamento e prevenir compensações negativas. Dessa forma, o objetivo do primeiro trabalho desta tese foi descrever a configuração laríngea e a voz de pacientes do sexo masculino, diagnosticados com PPVU, pré e pós-medialização da prega vocal. Para isso, foi realizado um estudo retrospectivo, através do levantamento de dados de prontuários de 142 pacientes diagnosticados com PPVU no período de janeiro de 2003 a abril de 2009, submetidos à avaliação perceptivo-auditiva das vozes e perceptivo-visual das imagens laríngeas, pré e pós-medialização. Foram incluídos no estudo os dados de 24 pacientes, do sexo masculino, com média de 60,7 anos, submetidos a três técnicas cirúrgicas de medialização (injeção de ácido hialurônico, tireoplastia tipo I e injeção de teflon). Anteriormente ao tratamento, verificou-se que foi significativa a influência da posição da prega vocal paralisada na ultrapassagem da linha média pela prega vocal sadia e no grau total de disfonia. Após o tratamento, verificou-se que foi significativo o fechamento glótico completo; margem livre da prega vocal linear; prega vocal paralisada na posição mediana; redução da rouquidão, aspereza e soprosidade (maior frequência do grau leve); astenia (maior frequência do grau normal e leve); tensão e instabilidade (maior frequência do grau normal) e diminuição do grau total de disfonia. Com base nos resultados, concluiu-se que a posição da prega vocal paralisada influencia a ultrapassagem da prega vocal sadia além da linha média e o grau total da disfonia; os três tratamentos melhoraram a configuração laríngea glótica e a voz dos pacientes com PPVU; não houve modificações significativas da configuração supra-glótica pós-tratamento. O segundo trabalho utilizou o mesmo banco de dados e teve como objetivo verificar as características perceptivo-auditivas da voz, conforme a posição da prega vocal paralisada, em pacientes do sexo masculino, com PPVU, antes de qualquer intervenção clínica e/ou cirúrgica, bem como a etiologia mais frequente. Os resultados mostraram que a prega vocal paralisada em posição paramediana ocorreu em 45,83% dos casos; a intermediária, em 25%; a lateral, em 20,83%, e a mediana, em 4,16%; a disfonia resultante da PPVU foi caracterizada pela rouquidão, aspereza e tensão, de grau moderado; soprosidade (maior frequência do grau severo); astenia e instabilidade (maior frequência do grau leve); a posição da prega vocal paralisada influenciou significativamente o grau geral de desvio vocal e houve significância estatística do câncer de pulmão como etiologia. Esse tipo de conhecimento, apresentado nesta tese, é relevante tanto para a clínica fonoaudiológica como otorrinolarigológica, pois possibilita um melhor entendimento da fisiologia laríngea e direcionamento do tratamento de pacientes com PPVU.
Abstract Unilateral vocal cord paralysis (UVFP) cause an adverse effect on the activities of the larynx, it implies the interruption of transmission of impulses and neuromuscular innervation. The description of the voice and laryngeal UVFP configuration, pre-and post-surgical medialization can complement understanding of the physiology of laryngeal mechanism, and target treatment and prevent negative compensation. Thus, the goal of the first work of this thesis was to describe the laryngeal configuration and the voice of male patients diagnosed with unilateral vocal fold paralysis (UVFP), before and after medialization. For this, we performed a retrospective study involving the collection of data from medical records of 142 patients diagnosed with UVFP from January 2003 to April 2009, submitted to auditory-perceptual assessment of voices and visual-perception of laryngeal images, before and after medialization. The study included data from 24 male patients, with an average of 60.7 years, who underwent three surgical medialization techniques (injection of hyaluronic acid, type I thyroplasty and injection of Teflon). Prior to treatment, the position of the paralyzed vocal fold was seen to have a significant influence to the passing of the healthy vocal fold beyond the midline and on the overall degree of dysphonia. After treatment, the complete glottic closure; the free margin of the linear vocal fold; paralyzed vocal fold in the median position, reduction of hoarseness, roughness and breathiness (more frequently mild), asthenia (more frequently normal and mild); tension and instability (more frequency normal) and a decrease in the overall degree of dysphonia were found to be significant Based on the results, we concluded that the position of the paralyzed vocal fold influences the position of the healthy vocal fold in relation to midline and the overall degree of dysphonia. All three treatments improved the glottic configuration and the voice of patients with UVFP. There were no significant changes in the configuration supraglottic post-treatment. The second study used the same database and aimed to verify the perceptual characteristics of voice, as the position of the paralyzed vocal fold in male patients with UVFP before any clinical and/or surgery intervention and also the most frequent cause. The results showed that the paralyzed vocal cord in paramedian position occurred in 45.83% of the cases, the intermediate in 25%, 20.83% in lateral and median in 4.16%; dysphonia resulting from UVFP was characterized by hoarseness, roughness and tension, moderate; breathiness (more often severe), asthenia and instability (increased frequency of mild), the position of the paralyzed vocal fold significantly influenced the overall degree of vocal deviation and statistical significance of cancer lung as etiology. This type of knowledge presented in this thesis, it is important both for speech therapy as otorhinolaryngological, becuase it allows a better understanding of laryngeal physiology and directing the treatment of patients with UVFP.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/28495
Arquivos Descrição Formato
000771159.pdf (966.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.