Repositório Digital

A- A A+

Estimulação colinérgica com piridostigmina reduz arritmia ventricular e aumenta a variabilidade da frequência cardíaca em pacientes com insuficiência cardíaca

.

Estimulação colinérgica com piridostigmina reduz arritmia ventricular e aumenta a variabilidade da frequência cardíaca em pacientes com insuficiência cardíaca

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Estimulação colinérgica com piridostigmina reduz arritmia ventricular e aumenta a variabilidade da frequência cardíaca em pacientes com insuficiência cardíaca
Autor Behling, Alice
Orientador Ribeiro, Jorge Pinto
Data 2001
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde: Cardiologia e Ciências Cardiovasculares.
Assunto Antiarritmicos
Insuficiência cardíaca : Quimioterapia
[en] Autonomic nervous system
[en] Parasympathetic nervous system
[en] Sudden death
Resumo INTRODUÇÃO. O aumento da densidade de arritmia ventricular e a redução da variabilidade da freqüência cardíaca estão associados com risco de morte súbita e mortalidade total em insuficiência cardíaca. A inibição colinesterásica com brometo de piridostigmina (PIR) aumenta a variabilidade da freqüência de pessoas normais, porém seu efeito em pacientes com insuficiência cardíaca é desconhecido. OBJETIVOS. Testar a hipótese de que a administração a curto prazo de piridostigmina reduz a densidade de arritmia ventricular e aumenta a variabilidade da freqüência cardíaca em pacientes com insuficiência cardíaca. MÉTODOS. Pacientes com insuficiência cardíaca e em ritmo sinusal participaram de um estudo duplo-cego, cruzado, randomizado para placebo e piridostigmina (30mg VO de 8 em 8 horas por 2 dias). Monitorização eletrocardiográfica ambulatorial de 24 horas foi realizada para análise de arritmia e para avaliação dos índices do domínio do tempo da variabilidade da freqüência cardíaca. Pacientes foram separados em 2 grupos, de acordo com a densidade de arritmia ventricular. O grupo Arritmia (n = 11) incluiu pacientes com mais de 10 extrassístoles ventriculares por hora (ESV/h), e o grupo Variabilidade da Freqüêcia Cardíaca (n = 12) incluiu pacientes com um número de ESVs em 24 horas que não excedia 1 % do número total de intervalos RR. RESULTADOS. No grupo Arritmia, PIR resultou em uma redução de 65% no número de extrassístoles ventriculares (Placebo 266 + 56 ESV/h vs. PIR 173 + 49 ESV/h; p = 0,03). No grupo da Variabilidade da Freqüência Cardíaca, a administração de PIR resultou em um aumento do intervalo RR médio (Placebo 733 + 22 ms vs PIR 790 + 33 ms; p = 0,01), e nos índices do domínio do tempo da variabilidade da freqüência cardíaca PNN50 (Placebo 3 + 1,1 % vs PIR 6 + 1,6 %; p = 0,03) e RMSSD (Placebo 21 + 2 vs PIR 27 + 3; p = 0,008). CONCLUSÃO. Em pacientes com insuficiência cardíaca, PIR reduziu a densidade de arritmia ventricular e aumentou a VFC, provavelmente por seu efeito colinomimético. Estudos a longo prazo com PIR em insuficiência cardíaca devem ser realizados.
Abstract OBJECTIVE To test the hypothesis that short-term administration of pyridostigmine bromide (PYR) reduces ventricular arrhythmia density and increases heart rate variability in patients with congestive heart failure. BACKGROUND Increased ventricular arrhythmia density and reduced heart rate variability are associated with risk of sudden death and overall mortality in patients with heart failure. Cholinesterase inhibition with pyridostigmine bromide increases heart rate variability in normal subjects, but its effect in patients with heart failure is unknown. METHODS Patients with heart failure and in sinus rhythm participated in a double-blind, cross-over protocol, randomized for placebo and pyridostigmine (30 mg PO TID for 2 days). Twenty-four hour electrocardiographic recordings were performed for arrhythmia analysis and for the measurement of time domain indices of heart rate variability. Patients were separated in 2 groups, according to their ventricular arrhythmia density. The Arrhythmia Group (n = 11) included patients with more than 10 ventricular premature beats per hour (VPBs/h), and the Heart Rate Variability Group (n = 12) included patients with a number of VPBs in 24 hours not exceeding 1 % of the total number of RR intervals. RESULTS For the Arrhythmia Group, PYR resulted in 65 % reduction of ventricular ectopic activity (Placebo 266 ± 56 VPBs/h vs. PYR 173 ± 49 VPBs/h; P = 0.03). For the Heart Rate Variability Group, PYR administration resulted in an increment of mean RR interval (Placebo 733 ± 22 msec vs PYR 790 ± 33 msec; P = 0.01), and in the time domain indices of heart rate variability RMSSD (Placebo 21± 2 vs PYR 27 ± 3; P = 0.01) and PNN50 (Placebo 3 ± 1 % vs PYR .6 ± 2 %; P = 0.03). CONCLUSION In patients with heart failure, PYR reduced ventricular arrhythmia density and increased HRV, most likely due to its cholinomimetic effect. Long-term trials with PYR in heart failure should be conducted.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/2867
Arquivos Descrição Formato
000377516.pdf (553.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.