Repositório Digital

A- A A+

Utilização de ferramentas de bioinformática para a análise do potencial de reatividade cruzada entre epitopos virais

.

Utilização de ferramentas de bioinformática para a análise do potencial de reatividade cruzada entre epitopos virais

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Utilização de ferramentas de bioinformática para a análise do potencial de reatividade cruzada entre epitopos virais
Autor Antunes, Dinler Amaral
Orientador Chies, Jose Artur Bogo
Co-orientador Vieira, Gustavo Fioravanti
Data 2008
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Bioinformática
Epitopos
Peptídeos
Resumo A reatividade cruzada é definida como a capacidade de um linfócito T em reconhecer, no contexto do Complexo Principal de Histocompatibilidade (MHC), peptídeos não relacionados, provenientes de um mesmo organismo ou mesmo de organismos heterólogos. Este fenômeno já foi descrito em inúmeros trabalhos, embora os mecanismos que permitam este reconhecimento cruzado ainda não tenham sido completamente estabelecidos. O reconhecimento do complexo MHC:peptídeo (pMHC) pelo Receptor de Célula T (TCR) leva à lise da célula apresentadora, o que torna a reatividade cruzada alvo de profundo interesse em estudos que envolvem os mecanismos citotóxicos da resposta imune. Neste trabalho realizamos um estudo in silico da possível ocorrência de reatividade cruzada entre os epitopos virais PA224-233 (Influenza) e HBsAg28-39 (HBV) no contexto do MHC murino H-2Db. O complexo H-2Db:PA224-233 (DbPA224-233) possue estrutura depositada no Protein Data Bank (PDB) sob o código de acesso 1WBY, enquanto a estrutura do complexo DbHBsAg28-39 ainda não foi determinada. Utilizando o programa AutoDock 4 para realizar o docking do epitopo ao MHC e o pacote GROMACS para realizar a minimização de energia (EM) das estruturas geradas, conseguimos construir o complexo DbHBsAg30-39. O programa GRASP2 foi utilizado para as análises de topologia e distribuição de cargas do complexo. A comparação entre a estrutura 1WBY e o complexo gerado indicou forte correlação estrutural, contudo identificamos uma diferença de cargas em uma posição crítica para o reconhecimento pelo TCR. Para contornar esta diferença, construímos um epitopo de Influenza mutado (R7W) e repetimos as análises. Este novo peptídeo apresentou alta afinidade pelo MHC e maior semelhança com o epitopo de HBV, possivelmente induzindo reatividade cruzada. A estratégia desenvolvida para a realização deste trabalho pode ser utilizada para simular complexos pMHC formados com qualquer epitopo e o estudo de topologia/potencial do complexo formado nos permite comparar dois diferentes complexos pMHC sob o ponto de vista do TCR, possibilitando discutir reatividade cruzada in silico. Em conjunto, estas técnicas apresentam grande potencial de aplicação no estudo de patologias autoimunes e no desenvolvimento de vacinas antivirais de amplo espectro.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/28693
Arquivos Descrição Formato
000696376.pdf (2.350Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.