Repositório Digital

A- A A+

A saña no ideal cavaleiresco ibérico do final da idade média a partir da novela "O Amadis de Gaula"

.

A saña no ideal cavaleiresco ibérico do final da idade média a partir da novela "O Amadis de Gaula"

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A saña no ideal cavaleiresco ibérico do final da idade média a partir da novela "O Amadis de Gaula"
Autor Alberto, Rodrigo Moraes
Orientador Macedo, José Rivair
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História: Bacharelado.
Assunto Idade média
Ira
Literatura e História
Resumo A Igreja cristã classificou a ira, e os atos coléricos em geral, como pecados, ao menos até o séc. XIII, quando os Sete Pecados Capitais deixaram de fazer parte da doutrina oficial. Mas aquela classificação cristalizou-se no imaginário medieval e continuou a ser utilizada. Ao mesmo tempo, o ideal cavaleiresco exalta atos de bravura, de provação e o uso da violência muitas vezes com sentido contrário ao que a Igreja prescrevia, encontrando nas novelas de cavalaria um meio de livre difusão. Na Península Ibérica do final da Idade Média, que se destaca pela produção monástica de uma literatura dedicada à compreensão dos pecados e à confissão, é possível conceber diferença tão acentuada? O objetivo proposto neste trabalho é refletir sobre como atos de ira – ou saña, ou ainda loucura furiosa – aparecem retratados na literatura novelesca ibérica entre os séculos XV e XVI, sobretudo em “O Amadís de Gaula” escrito por Garci-Ordoñez de Montalvo, cuja primeira versão conhecida foi impressa em Saragoça no ano de 1508. Trata-se de verificar quais valores, concepções e reminiscências estariam ligados aos atos coléricos naquela importante novela de cavalaria, como literatura ficcional e representação que refrata o ideal cavaleiresco, expondo nas tramas e ações de personagens como Amadís, Gandalin, Lisuarte, Arcaláus e Oriana uma maneira particular de entender a ira, não necessariamente arraigada às concepções eclesiásticas ou à idéia de pecado, mas própria do grupo social que originou o romance.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/28946
Arquivos Descrição Formato
000774554.pdf (1.311Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.