Repositório Digital

A- A A+

De protagonista a coadjuvante : Um olhar antropológico sobre o OP de Porto Alegre

.

De protagonista a coadjuvante : Um olhar antropológico sobre o OP de Porto Alegre

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título De protagonista a coadjuvante : Um olhar antropológico sobre o OP de Porto Alegre
Autor Ruppenthal, Francieli Renata
Orientador Damo, Arlei Sander
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de Ciências Sociais: Bacharelado.
Assunto Democracia participativa
Governança solidária local
Orçamento participativo
Resumo Em pouco mais de 20 anos de história, o OP projetou Porto Alegre internacionalmente como modelo de democracia participativa. Nos primeiros 16 anos (1989-2004) o governo de Porto Alegre, batizado de Administração Popular, esteve ligado a um bloco de partidos de esquerda, liderados pelo PT que soube capitalizar eleitoralmente o sucesso do OP. Em 2004, José Fogaça, então candidato à prefeitura porto-alegrense, à testa de uma ampla coligação de partidos de centro-direita, afirmou que não iria extinguir o OP, ciente de que tal dispositivo possuía uma excelente avaliação. Fogaça foi eleito e a promessa cumprida: o OP foi mantido. Contudo, com a nova gestão, o processo do OP sofreu alterações e um novo programa chamado Governança Solidária Local (GSL) foi implantado. Tal programa, conforme seus idealizadores, deveria somar forças ao OP, mas as controvérsias não tardaram a aparecer. Considerando a continuidade do OP com a troca de governo algo relevante, esta análise concentra-se nas alterações sofridas no mesmo, a partir desta troca, não excluindo as mudanças ocorridas já no governo petista. Problematiza-se a questão destacando o ponto de vista daqueles que efetivamente participam dos processos, sobretudo do OP. Destaca-se os sentidos atribuídos a participação e as mudanças de perspectiva em relação a essa categoria, tida como essencial em todas as propostas de democracia participativa. Através de entrevistas e da observação participante realizada nos Fóruns Regionais do OP (FROPs) e no Conselho do OP (COP), notam-se diferenças no modo de conduzir o processo do OP e a inserção de novas formas de participação, configurando uma nova gramática no que concerne a participação na GSL. Neste sentido, a GSL configura-se como a principal alteração trazida pelo atual governo, alteração esta que contribui diretamente para diminuir o protagonismo do OP, posto que se constitui em uma alternativa para a obtenção de recursos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/29117
Arquivos Descrição Formato
000775206.pdf (1.698Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.