Repositório Digital

A- A A+

Avaliação de compostos bioativos em frutos nativos do Rio Grande do Sul

.

Avaliação de compostos bioativos em frutos nativos do Rio Grande do Sul

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação de compostos bioativos em frutos nativos do Rio Grande do Sul
Autor Pereira, Marina Couto
Orientador Flôres, Simone Hickmann
Co-orientador Vizzotto, Marcia
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências e Tecnologia de Alimentos. Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos.
Assunto Antioxidantes naturais
Araticum
Buriti
Compostos bioativos
Guabiroba
Tuna
Uvalha
[en] Antioxidant activity
[en] Bioactive compounds
[en] Carotenoids
[en] Native fruits
[en] Pigments
[en] Rio Grande do Sul
Resumo O Rio Grande do Sul se destaca por sua riqueza florística, entretanto, muitas espécies frutíferas permanecem desconhecidas, embora possuam potencial para se tornarem competitivas com as espécies já tradicionais. Neste sentido, este trabalho visa aprofundar a caracterização de alguns frutos nativos da região, estimulando a exploração desta biodiversidade, esclarecendo a potencialidade dos produtos e sua utilização em prol dos benefícios a saúde e o avanço da economia local e nacional. Para isso, foi realizada uma caracterização bromatológica e fitoquímica, como também foi verificado o potencial antioxidante de frutos nativos tais como: araticum (Rollinia sylvatica A. St.-Hil.), araçá (Psidium cattleyanum Sabine), butiá (Butia capitata Mart. (Becc.)), gabiroba (Campomanesia xanthocarpa O. Berg.), uvaia (Eugenia pyriformis Cambes.) e tuna (Cereus hildmannianus K. Schum.). A partir dos resultados, pode-se verificar que entre os frutos da família Myrtaceae, a guabiroba destacou-se por apresentar maior quantidade de compostos fenólicos (1495,27 mg/100g), carotenóides (54,35 μg/g), e vitamina C (5,44 mg/ g) como também um excelente potencial antioxidante (90,26 M eq. trolox/g de fruto fresco e 906,63 g de fruto fresco/g DPPH), indicando ser um fruto bastante promissor tanto para consumo in natura quanto para utilização tecnológica, visto que também obteve melhor relação SST/ATT (45,12). Entretanto, esse mesmo fruto se sobressaiu com os teores mais elevados de Al (31,27 μg/g) e Cr (1,80 μg/g), juntamente com a uvaia (1,56 μg/g), que demonstrou quantidades superiores de Fe (21,27 μg/g) e Zn (60,48 μg/g). A uvaia também se destacou pelo elevado teor de carotenóides (50,09 μg/g). O araçá, apesar de apresentar teores de compostos fenólicos e atividade antioxidantes inferiores à guabiroba, ainda assim apresentou-se superior a muitas frutas tradicionalmente consumidas. Quanto aos minerais analisados, o araçá amarelo se destacou pelo elevado teor de Na (828,78 μg/g) e o vermelho de Co (3,27 μg/g). Em relação ao outro grupo de frutos estudado, de famílias botânicas variadas, o butiá e a tuna apresentaram capacidade antioxidante superior à uvaia e à muitas espécies frutíferas tradicionalmente consumidas. O butiá também se destacou com teor mais elevado em carotenóides (39,6 μg/g) e nos minerais Cd (0,06 μg/g) e Ni (4,99 μg/g). A tuna apresentou maior conteúdo de compostos fenólicos totais (1337,28 mg/100g) e predomínio de Ba (7,97 μg/g), Bi (6,36 μg/g), Ga (6,02 μg/g), Mg (1215,54 μg/g ) e Mn (207,90 μg/g). O araticum se sobressaiu quanto a concentração de vitamina C (0,32 mg/g) e no resultado para SST/ATT (41,92), mostrando-se adequado tanto para o consumo in natura como para o processamento. Para este mesmo fruto ainda foi observada quantidade de Cu (80,38 μg/g) acima do recomendado, assim como também teve destaque com maiores concentrações de Pb (0,10 μg/g), Sr (28,95 μg/g), Ca (2579,50 μg/g) e K (11522,03 μg/g).
Abstract The Rio Grande do Sul State (Brazil) stands out for its richness flora, however, many fruit species remain unknown, although they have the potential to become competitive with the traditional species. Thus, this work aimed to deepen the characterization of some native fruits of the region, encouraging the exploitation of our biodiversity, preventing biopiracy, clarifying the potential of our products and their use in support of health benefits and advancement of the local and national economy. For this, we performed a phisicochemical and phytochemical characterization, and also was determined the potential of antioxidant custard apple (araticum) (Rollinia sylvatica A. St .- Hil.), Guava (araçá) (Psidium cattleyanum Sabine) coco palm (butiá) (Butia capitata Mart. (becc.)), gabiroba (Campomanesia xanthocarpa O. Berg.), uvaia (Eugenia pyriformis Cambes.) and tuna cactus (tuna) (Cereus hildmannianus K. Schum.). From the results, one can see that among the fruits of the Myrtaceae, the guabiroba stood out due to its greater quantity of phenolic compounds (1495.27 mg/100g), carotenoids (54.35 μg/g), and vitamin C (5.44 mg/g), as well as, an excellent antioxidant potential (90.26 M trolox/g and 906.63 g/g DPPH) could be a promising fruit for both fresh consumption and for use technology, since they also obtained better TSS/TTA ratio (45.12). However, the guabiroba showed the highest levels of Al (31.27 μg/g) and Cr (1.80 μg/g), together with uvaia (1.56 mg/g), which showed higher amounts Fe (21.27 μg/g) and Zn (60.48 μg/g). The uvaia also stood out for presenting a relevant carotenoid content (50.09 μg/g). Yellow guava, although showing a lower phenolic compound content and antioxidant activity then the guabiroba, nevertheless showed much higher values than many traditionally consumed fruit. Regarding minerals, the yellow guava stood out high concentrations of Na (828.78 μg/g) and the red guava Co (3.27 μg/g). The coco palm (25.96 trolox μM/g and 3847.54 g/g DPPH) and tuna cactus (19.61 trolox μM/g 3249.77 g/g DPPH) showed higher antioxidant capacity than many fruit species traditionally consumed. In the other group of fruits studied, in various plant families, the coco palm fruit stood out due to its elevate carotenoid content (39.6 μg/g) and minerals Cd (0.06 μg/g) and Ni (4.99 μg/g). The tuna cactus fruit showed the highest total phenolic compound content (1337.28 mg/100 g) and predominance of Ba (7.97 μg/g), Bi (6.36 μg/g), Ga (6.02 μg/g) Mg (1215.54 μg/g) and Mn (207.90 μg/g). Although the custard apple showed the highest vitamin C content (0.32 mg/g) showed the best result for the TSS/TTA ratio (41.92), and was thus adequate for both in natura consumption and for processing. This fruit was also observed amounts of Cu (80.38 μg/g) above the recommended, as was also stood out for its high concentrations of Pb (0.10 μg/g), Sr (28.95 μg/g), Ca (2579.50 μg/g) and K (11,522.03 μg/g).
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/29543
Arquivos Descrição Formato
000777005.pdf (2.012Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.