Repositório Digital

A- A A+

Composição e estrutura da fauna araneológica (Arachnida, Araneae) associada ao estrato arbóreo-arbustivo de matas ciliares e seus microambientes no Rio Grande do Sul, Brasil

.

Composição e estrutura da fauna araneológica (Arachnida, Araneae) associada ao estrato arbóreo-arbustivo de matas ciliares e seus microambientes no Rio Grande do Sul, Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Composição e estrutura da fauna araneológica (Arachnida, Araneae) associada ao estrato arbóreo-arbustivo de matas ciliares e seus microambientes no Rio Grande do Sul, Brasil
Outro título Composition and structure of the spider fauna of the tree-shrub strata of riparian forests and its microhabitats in Rio Grande do Sul, Brasil
Autor Rodrigues, Everton Nei Lopes
Orientador Mendonca Junior, Milton de Souza
Data 2011
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal.
Assunto Aracnídeos
Mata ciliar
Rio Grande do Sul
Variação sazonal
[en] Beating tray
[en] Diversity
[en] Microhabitats
[en] Riparian forests
[en] Seasonal variation
[en] Spatial variation
[en] Spider guilds
[en] Spiders
Resumo A intenção deste estudo foi conhecer a composição e a diversidade da araneofauna relacionada a matas ciliares no Rio Grande do Sul, em diferentes localidades: rio Piratini no município de Arroio Grande; rio Camaquã em Cristal; rio dos Sinos em Parobé e rio Maquiné em Maquiné. Foi comparada a riqueza de espécies, abundância e similaridade da fauna de aranhas e a sazonalidade, avaliando se fatores ambientais bióticos e abióticos influenciam na assembleia de aranhas das matas ciliares. Também foram avaliadas as guildas de aranhas, tanto aspectos espaciais, quanto temporais, e a influência de fatores abióticos e de complexidade ambiental sobre as mesmas. As aranhas foram separadas e classificadas em quatro guildas: construtoras de teias orbiculares, construtores de teias irregulares, caçadoras cursoriais e caçadoras emboscadoras/espreitadoras. Para a amostragem da araneofauna foram efetuadas duas coletas por estação durante dois anos em cada mata ciliar. As coletas foram realizadas em transecções, por um período de 45 minutos, utilizando como método o guarda-chuva entomológico (GCE) para amostrar a araneofauna do estrato arbóreo-arbustivo. Em cada mata ciliar foram delineadas seis transecções, duas em cada microambiente: borda com o campo, interior da mata e borda com o rio. O esforço amostral foi de 288 horas de coletas. No total foram coletadas 42057 aranhas: 8851 adultas (21%) e 33206 jovens (79%). A família predominante foi Theridiidae, com mais de 50% das aranhas amostradas em cada mata, a única exceção foi a mata ciliar do rio Maquiné que dominou Linyphiidae. A abundância de aranhas adultas foi diferente entre as matas ciliares, com maior abundância no rio Maquiné (34,58% das aranhas) e menor no rio dos Sinos (18,43%). Dos microambientes, as maiores abundâncias foram no interior da mata, seguido pelas bordas, muito próximas entre si. Foram determinadas 440 espécies/morfoespécies de aranhas, entre 168 gêneros. No total 232 espécies foram nominais (53%) com 14 novos registros para o Rio Grande do Sul e três para o Brasil. No rio Maquiné foi registrada a maior riqueza de espécies (S=218) e menor no rio dos Sinos (S=179). Entre os microambientes, as maiores riquezas de espécies de aranhas foram observadas nas bordas (campo: S=298 e rio: S=279) e após o interior da mata (S=246). A riqueza de espécies foi diferente entre os rios, já as riquezas entre os microambientes não diferiram. As espécies raras foram representadas por 130 singletons (32,5% das espécies do inventário). Para a sazonalidade, as aranhas adultas foram mais abundantes no verão e menos no outono; as aranhas jovens predominaram no outono e menos na primavera. A riqueza não diferiu entre os dois anos de amostragem. Já entre as estações a diferença foi significativa, maior na primavera e menor no outono. Não foi encontrada uma relação entre os fatores abióticos (temperatura e precipitação) com a araneofauna, tanto para abundância, quanto para a riqueza. As variáveis bióticas da vegetação não foram suficientes para explicar as variações na comunidade de aranhas, não influenciando nas mesmas. A análise multivariada de similaridade (ANOSIM), pelo índice quantitativo de Morisita e qualitativo de Simpson, mostra que as composições de espécies das araneofaunas diferem entre as matas ciliares. Para os diferentes microambientes não foram encontradas diferenças na composição. Prevaleceu a guilda das construtoras de teias irregulares e uma menor quantidade das caçadoras cursoriais. A MANOVA indicou diferença significativa na proporção das guildas entre todas as matas ciliares e entre os microambientes. A partir da análise de correspondência canônica (CCA), as guildas não estão correlacionadas com as variáveis de complexidade ambiental avaliadas. As curvas de rarefação e os estimadores analíticos de riqueza de espécies indicam que a fauna de aranhas ainda não foi suficientemente amostrada para as matas ciliares, revelando a urgência de estudos futuros, principalmente, abrangendo outros métodos, para diferentes estratos das florestas.
Abstract The aim of this study was to characterise the spider fauna associated to riparian forests in Rio Grande do Sul. Four different sites were sampled: Piratini River in Arroio Grande; Camaquã River in Cristal; Sinos River in Parobé and Maquiné River in Maquiné. Diversity components such as species richness, abundance and faunal similarity were compared among rivers, among microhabitats (forest edges and forest interior) and yearly seasons, and also against biotic and abiotic environmental factors. Spider foraging guilds were also evaluated, again for spatial and temporal scales, and again against biotic and abiotic environmental factors. Spiders were separated in four guilds: orbicular web builders, sheet web builders, running hunters and ambush hunters. Two samples per season were taken during two years for all forest sites. Sampling consisted of using beating tray on the tree-shrub strata across linear transections (50 X 2 m) for 45 min. On each site six transects were used, two per microhabitat: grassland edge, forest interior and river edge. Sampling effort totalled 288 h of sampling. Overall we obtained 42,057 spiders: 8,851 adults (21%) and 33,206 juveniles (79%). The predominant family was Theridiidae, with more than 50% of all spiders for all sites except Maquiné River, in which Linyphiidae dominated. Adult spider abundance differed among sites, with more spiders in Maquiné River (34.58% of the spiders) and less in Sinos River (18.43%). Among microhabitats, largest abundances occurred in the forest interior, with the edges having less spiders. A total of 440 spider species/morphospecies were recognised within 168 genera. Only 232 of those species were nominal (53%) with 14 new records for Rio Grande do Sul state and three for Brazil. In Maquiné River we found the largest richness (S=218) and in dos Sinos River the lowest (S=179). Comparing microhabitats, the largest species richness were observed for the edges (grassland edge: S=298; river edge: S=279) with the forest interior below (S=246), but not significantly. Rare species were represented by 130 singletons (32.5% of inventoried species). Adult spiders were more abundant during Summer and less during Autumn; while young spiders occurred more during Autumn and less during Spring. Species richness also differed among seasons with more species during Spring and less during Autumn. A multivariate analysis of similarity (ANOSIM), either using Morisita quantitative index or Simpson qualitative index, shows spider species composition to differ among sites, but not among microhabitats within a site. There were no significant relationships between spider diversity components and abiotic (temperature and precipitation) factors, either for abundance or species richness. Biotic factors related to vegetation complexity (vegetation density, vegetation height, vegetation structure, canopy cover) were insufficient to explain variation in spider assemblages. Sheet web builders was the prevailing guild and running hunters were relatively rare. A MANOVA indicated significant differences in guild proportions among sites and among microhabitats. A canonical correspondence analysis (CCA) showed the guilds not to be correlated with the vegetation complexity variables evaluated. Analytical species richness estimators indicate that the spider fauna is still not sufficiently sampled, revealing the urgency of continuing studies, especially involving other sampling methods so as to evaluate other forest strata.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/29979
Arquivos Descrição Formato
000776795.pdf (8.995Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.