Repositório Digital

A- A A+

O impacto do transplante hepático infantil na dinâmica familiar

.

O impacto do transplante hepático infantil na dinâmica familiar

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O impacto do transplante hepático infantil na dinâmica familiar
Outro título The Impact of pediatric liver transplantation on family relations
Autor Anton, Márcia Camaratta
Piccinini, Cesar Augusto
Resumo O presente estudo buscou compreender o impacto do transplante hepático infantil (THI) na dinâmica familiar. Participaram da pesquisa seis mães de crianças transplantadas de fígado. O tempo pós-transplante variou entre um e seis anos. As mães foram entrevistadas a respeito do relacionamento familiar no contexto do THI. Análise de conteúdo qualitativa revelou que a relação genitores-criança doente foi permeada pelo medo da morte, levando a atitudes permissivas e superprotetoras, na tentativa de poupar o filho de mais sofrimentos, sendo que este padrão de relacionamento manteve-se presente mesmo após o transplante e a melhora do quadro de saúde dos filhos. A relação do casal tendeu a fortalecer-se e centrar-se nas preocupações a respeito da doença e do transplante, havendo mais diálogo e união. A relação com os filhos sadios passou para segundo plano, surgindo sentimentos de desamparo, ciúmes e rivalidade nas crianças. A família extensiva, por sua vez, tendeu a tornar-se mais próxima e apresentou um importante papel de apoio. Os resultados apontaram que toda a família foi afetada, havendo necessidade de reestruturação familiar, o que reforça a importância do acompanhamento psicológico precoce e sistemático às famílias, visando facilitar a adaptação à situação de doença, prevenindo o desenvolvimento de problemas emocionais.
Abstract This study attempts to understand the impact of pediatric liver transplantation on family relations. Six mothers of two-parent families whose children had been submitted to liver transplant within the last six years participated in the study. Mothers were interviewed about family relationships in the context of pediatric liver transplantation. Qualitative content analysis of the interviews revealed that parents-child relationship was marked by fear of death, leading to permissive and overprotective attitudes in order to reduce the child’s suffering. It was noted that this pattern of behavior was maintained even after transplantation and patient’s recovery. Parents’ relationship tended to fortify and focus on the child’s transplant and illness. Parents’ relationship with their healthy children was affected. These children developed feelings of abandonment, competition and rivalry. Relatives tended to become closer and played an important supportive role. The results showed that all family members were affected and needed restructuring which reinforces the importance of early and systematic psychological assistance to the families aiming at a better adaptation to the child’s condition, preventing the development of emotional problems.
Contido em Psicologia : reflexão e crítica. Porto Alegre. Vol. 23, n.2 (maio/ago. 2010), p.187-197.
Assunto Doença crônica
Práticas de criação infantil
Relações familiares
Transplantes
[en] Family relations
[en] Pediatric liver transplant
[en] Psychology
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/30459
Arquivos Descrição Formato
000759996.pdf (78.74Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.