Repositório Digital

A- A A+

Trabalho como subsistência nos hospitais públicos brasileiros

.

Trabalho como subsistência nos hospitais públicos brasileiros

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Trabalho como subsistência nos hospitais públicos brasileiros
Outro título Work as subsistence in Brazilian public hospitlas
Outro título Trabajo como subsistencia en hospitales publicos brasileños
Autor Vaghetti, Helena Heidtmann
Padilha, Maria Itayra Coelho de Souza
Silva, Rosimeri de Fatima Carvalho da
Simões, Jorge Manuel Trigo de Almeida
Resumo Trata-se de uma pesquisa de revisão que objetivou re-interpretar a interpretação de autores de teses e dissertações sobre os significados expressos por trabalhadores da saúde, acerca das relações de subsistência com o seu trabalho, na cultura organizacional de hospitais públicos brasileiros. A investigação ocorreu a partir de teses e dissertações produzidas em programas de pós-graduação (2002/2006). O referencial teórico-metodológico apoiou-se na antropologia interpretativa defendida por Clifford Geertz. Os resultados apontam que as relações de subsistência conduzem à alienação do trabalho e a remuneração gera insatisfação econômica que alavanca a necessidade de outros empregos. A estabilidade no trabalho alimenta o descomprometimento e ações que estimulam a transgressão de normas e facilitam os autogovernos em hospitais públicos brasileiros.
Abstract That was a review study that aimed to analyze the interpretations that authors of dissertations and thesis about the meanings expressed by health workers, about the relations of subsistence with the job, in the organizational culture of public hospitals in Brazil. Data were extracted from from dissertations and theses in the period from 2002 to 2006. The theoretical methodological reference laid in the interpretive anthropology by Clifford Geertz. The results point that the subsistence relations conduct to alienation from work. The payment generates economic non satisfaction that pry the need to have other jobs. The work stability feeds the disengagement and actions that stimulates the transgression of standards and help the own governs in public hospitals in Brazil.
Resumen Se trató de una revisión que objetivó re-interpretar la interpretación de los autores de tesis y disertaciones sobre los significados de las relaciones de subsistencia entre los trabajadores de la salud y su trabajo en la cultura organizacional de los hospitales públicos brasileños. La investigación fue realizada a partir de tesis y disertaciones producidas en programas de posgraduación (2002/2006). Como referencial teórico metodológico se empleó la antropología interpretativa defendida por Clifford Geertz. Los resultados señalan que las relaciones de subsistencia se concilian con la alienación del trabajo y que la remuneración es símbolo de insatisfacción económica traducida en una cultura de múltiples empleos. La estabilidad laboral alimenta la falta de compromiso con el trabajo, favoreciendo la transgresión de normas por los autogobiernos
Contido em Revista brasileira de enfermagem. Brasília. Vol. 62, n. 6 (2009), p. 906-911
Assunto Cultura organizacional
Gestão de pessoas
Hospitais públicos
Trabalho
[en] Hospital
[en] Hospital administration
[en] Organizational culture
[en] Personnel administration
[en] Public hospitals
[es] Administración de personal en hospitales
[es] Administración hospitalaria
[es] Cultura organizacional
[es] Hospitales públicos
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/30536
Arquivos Descrição Formato
000767129.pdf (63.26Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.