Repositório Digital

A- A A+

Níveis séricos de pró-hepcidina e ferritina em indivíduos com apnéia do sono e doença aterosclerótica

.

Níveis séricos de pró-hepcidina e ferritina em indivíduos com apnéia do sono e doença aterosclerótica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Níveis séricos de pró-hepcidina e ferritina em indivíduos com apnéia do sono e doença aterosclerótica
Autor Medeiros, Tássia Machado
Orientador Benfato, Mara da Silveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Doença da artéria coronariana
Ferritinas
Homeostase
Síndromes da apnéia do sono
Resumo A Síndrome da Apnéia do Sono (SAOS) é caracterizada por eventos de hipóxia e reoxigenação, os quais ativam a resposta inflamatória e levam à formação de espécies reativas de oxigênio (ERO). Estudos têm evidenciado que distúrbios respiratórios do sono, entre eles, o mais grave, a SAOS, são fatores independentes para o desenvolvimento e progressão de Doença Arterial Coronariana (DAC). O processo aterosclerótico envolvido na DAC é caracterizado por inflamação e estresse oxidativo. Ambos estão relacionados com a regulação de proteínas envolvidas com o metabolismo do ferro, dentre as quais se destacam neste trabalho a hepcidina e a ferritina. A hepcidina é um hormônio regulador do nível de ferro extracelular sintetizado pelo fígado, cuja produção é regulada por fatores como anemia, inflamação, infecções e hipóxia, possuindo como pró-hormônio a pró-hepcidina. A ferritina está envolvida no estoque de ferro e mostra ter a expressão regulada por hipóxia e inflamação. Além disso, seus níveis estão relacionados à DAC e ao infarto do miocárdio. Este trabalho teve por objetivo estudar e esclarecer a possível relação entre SAOS, DAC, pró-hepcidina e ferritina. Foi realizado um estudo transversal no qual foram incluídos 56 pacientes (519 triados), os quais haviam sido encaminhados para a realização de angiografia por suspeita de DAC. Além dos níveis de próhepcidina e dos níveis hematimétricos, os pacientes foram submetidos à polissonografia para a determinação do Índice de Apnéia e Hipopnéia (IAH), e como marcador inflamatório dosou-se a proteína-C-reativa ultra sensível. Em um modelo de regressão (Poisson), foi verificado que o aumento de uma unidade da IAH aumenta o risco de DAC em 29,3%. Em um modelo de regressão multivariada, controlando para idade, sexo e IMC, verificou-se que a ferritina e o IAH predizem 30,4% da variância da pró-hepcidina. Portanto, demonstrou-se que esses eventos encontram-se relacionados, e se sugere que estes fatores possuem forças diferentes na regulação da síntese da ferritina e pró-hepcidina, agindo hierarquicamente para a regulação dos níveis dessas proteínas para a manutenção da homeostase do ferro.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/31106
Arquivos Descrição Formato
000780710.pdf (765.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.