Repositório Digital

A- A A+

Análise por imagem de ultrassonografia do dano muscular nos flexores de cotovelo de mulheres jovens

.

Análise por imagem de ultrassonografia do dano muscular nos flexores de cotovelo de mulheres jovens

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise por imagem de ultrassonografia do dano muscular nos flexores de cotovelo de mulheres jovens
Autor Radaelli, Régis
Orientador Pinto, Ronei Silveira
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Cotovelo
Lesões
Ultrassom
Resumo Entre as variáveis agudas que determinam as adaptações do treinamento de força está o intervalo entre as sessões de treinamento. Apesar da importância desta variável na elaboração de programas de treinamento de força muscular, ainda não está bem estabelecido o tempo de recuperação ideal entre uma sessão e outra. Sendo assim, objetivo do presente estudo foi analisar o dano muscular (DM) provocado por uma sessão de treinamento de força convencional, bem como o período de recuperação a esse protocolo de exercício em mulheres jovens destreinadas em força. A amostra do estudo foi composta por oito mulheres jovens, sem experiência com treinamento de força. O protocolo da sessão de treinamento foi composto de quatro séries de 10 repetições de flexão de cotovelo a 80% de uma repetição máxima (1RM) realizadas em um banco Scott, apenas com o braço dominante. As variáveis utilizadas para avaliar o DM foi a produção de força isométrica, circunferência do braço (CIRC), espessura muscular (EM), dor muscular e a echo intensity avaliada por ultrassonografia. Valores relativos às variáveis utilizadas para avaliar o DM muscular foram obtidos nos períodos: pré, imediatamente após, 24h, 48h e 72 após o exercício. Para avaliar a alteração nos marcadores indiretos de DM foi utilizado um teste ANOVA para medidas repetidas e post hoc LSD. Os resultados demonstraram quem com exceção da dor muscular, todos os outros marcadores indiretos de DM não haviam retornado aos níveis pré-exercício após 72 de recuperação. Esses resultados sugerem uma maior atenção aos períodos de recuperação entre uma sessão e outra de treinamento de força, sobretudo no período inicial do programa de treinamento.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/31376
Arquivos Descrição Formato
000782209.pdf (530.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.