Repositório Digital

A- A A+

A capacidade inovativa na indústria cosmética brasileira

.

A capacidade inovativa na indústria cosmética brasileira

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A capacidade inovativa na indústria cosmética brasileira
Autor Barbieux, Denise
Orientador Zawislak, Paulo Antonio
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Programa de Pós-Graduação em Administração.
Assunto Indústria de cosméticos
Inovação tecnológica
[en] Absorptive capacity
[en] Innovative capability
[en] Innovative performance
[en] Technological capability
[en] Technological learning
Resumo A capacidade inovativa não é um assunto recente, mas ainda não possui consenso entre os pesquisadores na sua definição. Alguns estudos, como os de Rush, Bessant e Hobday (2007) e Cetindamar et al. (2009), propuseram modelos de avaliação da capacidade inovativa como resultado do processo de aprendizagem tecnológica. Nesta abordagem, ter capacidade inovativa significa adquirir informações, transformá-las em novos conhecimentos, promover a mudança tecnológica e obter novos produtos. Seguindo esta abordagem, o objetivo deste trabalho foi o de estabelecer um modelo que pudesse analisar a capacidade inovativa através da capacidade absortiva e da capacidade tecnológica mediante a inclusão de uma variável de validação econômica, o desempenho inovativo das empresas. Isto foi realizado através de um levantamento [survey] em 491 empresas da indústria cosmética brasileira. Em 202, como resultado se obteve uma grande quantidade de empresas que lançam produtos cosméticos em função do conhecimento contido na sua própria cadeia produtiva. Desta forma, clientes e fornecedores possuem um papel importante no desenvolvimento de produtos deste setor e as mudanças tecnológicas acabam centradas em melhorias, o que confere menor grau de novidade aos produtos. A partir da análise de cluster proposta neste trabalho foi possível identificar um cluster com maior desempenho inovativo e que apresenta diferenças nas suas práticas com relação ao grande grupo de empresas.
Abstract Innovative capability is not a recent issue but still there is no consensus among researchers as to its definition. Some studies, such as Rush, Bessant and Hobday (2007) and Cetindamar et al. (2009), have proposed models for evaluation of innovative capability as a result of the technological learning process. According to this approach, being innovative capable means to acquire information, turn into new knowledge, promote technological changes and get new products. Following this view, the aim of this study was to establish a model that would be able to analyze the innovative capability through the absorptive capacity and technological capability by including a economic variable, the innovative performance of the firms. This was accomplished through a survey conducted among 491 Brazilian companies in the cosmetics industry. In 202, as a result, it was obtained a large number of companies that launch cosmetics from the contained knowledge in their own supply chain. Thus, customers and suppliers have an important role in product development. The technological changes in this industry are focused on improvements, which gives a less degree of novelty in products. Through the cluster analysis, it was possible to identify a cluster with the highest innovative performance. This cluster differs in its practices with respect to the large group of companies.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/31772
Arquivos Descrição Formato
000784897.pdf (7.453Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.