Repositório Digital

A- A A+

Automediacação analgésica em urgências odontológicas atendidas em serviço universitário, na cidade de Porto Alegre, RS

.

Automediacação analgésica em urgências odontológicas atendidas em serviço universitário, na cidade de Porto Alegre, RS

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Automediacação analgésica em urgências odontológicas atendidas em serviço universitário, na cidade de Porto Alegre, RS
Autor Kraemer, Luana
Orientador Ferreira, Maria Beatriz Cardoso
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Curso de Odontologia.
Assunto Analgésicos
Farmacologia e terapeutica : Odontologia
[en] Dental pain
[en] Dental urgency
[en] Non-pharmacological measures
[en] Self medication
Resumo O atendimento odontológico de urgência geralmente está relacionado com queixa de dor. Os pacientes que recorrem a esses serviços muitas vezes são aqueles que não mantêm uma rotina de consultas periódicas com o Cirurgião-Dentista. Isso pode ser resultante da falta de acesso ao sistema de saúde ou, ainda, da impressão que muitas pessoas têm de que a consulta odontológica é algo doloroso, gerando medo. Esses fatos atrasam a procura pelo atendimento, e, quando ela ocorre, é em decorrência da dor. Ainda assim, alguns pacientes tentam buscar alternativas para o alívio desse sintoma, podendo ser por meio de tratamentos empíricos ou automedicação. A automedicação é comportamento preocupante, pois frequentemente caracteriza-se pelo uso de medicamentos inadequados ou mesmo em esquemas errados. Isso pode piorar o problema ou gerar efeitos colaterais. Como exemplo, pode-se citar o uso generalizado de antimicrobianos, mesmo quando a queixa principal do paciente é de dor. Isso acaba gerando resistência bacteriana ao medicamento e dificultando cada vez mais o tratamento de certas infecções. Esse fato reforça a importância de respeitar a legislação, que proíbe a venda de muitos medicamentos sem prescrição médica ou odontológica. Muitas vezes os pacientes relatam a utilização de medidas para o alívio da dor que não possuem qualquer fundamentação científica, embora sejam difundidas na população. É dever dos profissionais da saúde informar os pacientes sobre os riscos e implicações dessas atitudes. O presente estudo propõe-se a pesquisar quais as medidas para alívio da dor comumente tomadas pelos pacientes antes de buscarem o atendimento odontológico. Assim, pode-se conhecer o comportamento da população e planejar futuras estratégias que visem corrigir erros de medicação. Para tal, foi realizado estudo transversal prospectivo, abrangendo 144 pacientes adultos atendidos em caráter de urgência nos Ambulatórios das Clínicas Odontológicas II e III da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, na cidade de Porto Alegre, RS, no período de março a outubro de 2010. Foi aplicado questionário específico para levantamento de informações sobre características demográficas, tempo de início da dor e o que o paciente fez para obter o seu alívio (medidas medicamentosas e nãomedicamentosas). Para avaliação de intensidade da dor no momento de chegada ao serviço de urgência, foram aplicadas escalas específicas, previamente validadas na literatura. Observouse que a população estudada foi constituída principalmente por mulheres. A idade média dos entrevistados foi de 43 anos, sendo o grau de escolaridade mais prevalente o Ensino Médio Completo. Entre as medidas não-medicamentosas utilizadas para alívio da dor, as mais prevalentes foram anestésicos locais, na forma tópica, e bochechos com chá de malva. Uso de medicamentos foi relatado por 85% dos pacientes, sendo paracetamol (71%) e ibuprofeno (21%) os mais utilizados. Automedicação foi constatada em 68% dos entrevistados. A maioria dos pacientes relatou dor leve. Os diagnósticos mais frequentes foram os relacionados a eventos endodônticos. Automedicação teve associação significativa com gênero e idade. Não houve associação entre automedicação e parâmetros clínicos. Concluiu-se que os medicamentos mais utilizados foram analgésicos, ou seja, a indicação foi correta. Porém, muitos pacientes relataram uso de medidas não-medicamentosas e medicamentos não indicados para alívio de dor dentária.
Abstract The urgency dental care is generally related to complaints of pain. Patients that search these services often are those who do not maintain a routine of periodic dentist visits. This can be result of lack of access to the health system or because some people see the dental treatment as something painful, scary. These facts delay the search for treatment and, when it happens, are due to pain. Even so, some patients try to find alternatives to alleviate this symptom, by empiric treatment or self medication. Self medication is a worrying behavior, because often determined the use of inappropriate medications or even in wrong scheme. This can worsen the problem or has side effects. As an example, it can be mention the generalized use of antibiotics, even when the main complaint is pain. This ends up generating bacterial resistant to the medicament and causes additional difficulties to the treatment of some infections. This fact increases the importance of following the legislation that prohibits the sale of many medicaments without medical or dental prescription. Many times the patients reported the use of pain relief measures that have not any scientific basis, although they are widespread in the population. It is a health professional’s obligation informs the patients about the risks and implications of these attitudes. The present study proposed to evaluate the pain relief measures commonly took by patients before the dental treatment. So, it can be known the population behavior and plan future strategies that aim rectify medication errors. For that, a prospective transversal study was conducted, covering 144 adult patients that were attended in urgency on the Dental Clinics II and III of the Dentistry Faculty of the Federal University of Rio Grande do Sul, in Porto Alegre, RS, Brazil, at the period of March to October of 2010. A specific questionnaire was applied to get demographic characteristics, time of pain duration and what the patient do to get pain relief (medicaments and other measures). To evaluate the pain intensity on the moment of arrival at the urgency service, it was used specific scales, previously validated on the literature. It was observed that the sample is constituted mainly by women. The average age was 43 years old, and the literacy more prevalent was Complete High School. The non-pharmacological measures to pain relief more prevalent were topic local anesthetics and rinsing with malva tea. Use of medicaments was related by 85% of the patients, being paracetamol (71%) and ibuprofen (21%) the most used. Self medication was reported by 68% of the interviewed. Most patients reported mild pain. The diagnoses more frequent were those related to endodontic origins. Self medication had significant association whit gender and age. It was not observed association between self medication and clinical parameters. In conclusion, the medicaments more used were analgesics, and consequently the indication was correct. However, many patients reported use of non-pharmacological measures and medicaments not indicated to relief pain.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/32076
Arquivos Descrição Formato
000786494.pdf (493.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.