Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da aderência ao aço inoxidável e ao polietileno por três sorovares de Salmonella e da capacidade de desinfecção dessas superfícies

.

Avaliação da aderência ao aço inoxidável e ao polietileno por três sorovares de Salmonella e da capacidade de desinfecção dessas superfícies

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da aderência ao aço inoxidável e ao polietileno por três sorovares de Salmonella e da capacidade de desinfecção dessas superfícies
Outro título Evaluation of adherence of three Salmonella serovars to stainless steel and polyethylene and the ability of disinfection of these surfaces
Autor Machado, Taís Raquel Marcon
Orientador Tondo, Eduardo Cesar
Co-orientador Brandelli, Adriano
Data 2007
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Agronomia. Programa de Pós-Graduação em Microbiologia Agrícola e do Ambiente.
Assunto Aço inoxidável
Bacteria
Polietileno
Salmonela
[en] Adherence
[en] Biocides
[en] Salmonella enteritidis
Resumo No Rio Grande do Sul, a Salmonella Enteritidis vem se destacando como o principal microrganismo causador de surtos de doenças transmitidas por alimentos. A capacidade desse sorovar em aderir ao aço inoxidável e ao polietileno, assim como a resistência a desinfetantes comumente utilizados nas indústrias de alimentos foi avaliada e comparada com outros dois sorovares de Salmonella. Para mensurar a aderência bacteriana, corpos de prova de aço inoxidável (2 x 2 x 0,1cm) e de polietileno (2 x 2 x 0,7cm) permaneceram em contato com as culturas bacterianas por 15, 30 e 60 minutos e então ultrasonicados, para a realização das contagens de células aderidas. A resistência bacteriana aos desinfetantes foi avaliada através do teste de suspensão como preconizado pela legislação brasileira. Para desinfecção das superfícies, os corpos de prova permaneceram por 15 minutos em contato com as culturas bacterianas e, após dez minutos de exposição aos desinfetantes, o número de células sobreviventes foi determinado. A aderência bacteriana após os tempos de exposição indicou que a S. Typhimurium aderiu significativamente mais ao aço inoxidável que ao polietileno, enquanto que a S. Bredeney aderiu mais ao polietileno. Entretanto, não houve diferenças significativas nos níveis de aderência do sorovar S. Enteritidis, mesmo que as análises de microscopia eletrônica de varredura e de hidrofobicidade tenham indicado diferenças significativas entre os materiais. Foi observada a produção de bioemulsificante pelos três sorovares de Salmonella, sendo que a S. Enteritidis e a S. Bredeney produziram quantidades bem maiores que a S. Typhimurium. A resistência aos desinfetantes ácido peracético, hipoclorito de sódio e quaternário de amônio, quando avaliados pelo teste de suspensão, demonstraram que, nas concentrações indicadas pelo fabricante, os três compostos foram capazes de inativar os três sorovares de Salmonella. Entretanto, na concentração de 200ppm de hipoclorito de sódio comumente utilizada no Brasil, o sorovar S. Enteritidis foi o mais resistente, uma vez que sobreviveu até 15 minutos de exposição. Nenhum desinfetante conseguiu inativar todas as células aderidas (aproximadamente 5log UFC/cm2) em aço inoxidável e polietileno, exceto o quaternário de amônio que eliminou totalmente a S. Enteritidis do aço inoxidável. Tendo em vista a importância desses microrganismos como patógenos alimentares, cuidados especiais devem ser tomados nos processos de desinfecção e contaminação cruzada por Salmonella.
Abstract In Rio Grande do Sul, southern Brazil, Salmonella Enteritidis have been considered the principal microorganism responsible for foodborne disease. The ability of this sorovar in adhering to stainless steel and polyethylene, as well as the resistance to biocides commonly used in food industries was evaluated and compared with other two serovars of Salmonella. To measure the bacterial adherence, coupons of stainless steel (2 x 2 x 0,1cm) and polyethylene (2 x 2 x 0,7cm) remained in contact with the bacterial cultures for periods of 15, 30 e 60 minutes and so that ultrassonicated for count the adherent cells. The bacterial resistance to biocides was evaluated through the suspension test as praised for the Brazilian legislation. For surfaces disinfection, the coupons remained for 15 minutes in contact with bacterial cultures and after ten minutes of exposition to biocides, the surviving cells were determined. Bacterial adherence after 15, 30, and 60 minutes of exposure indicated that S. Typhimurium adhered significantly more to stainless steel than to polyethylene, whereas S. Bredeney adhered more to polyethylene than to stainless steel. However, there was no significative difference in adherence levels of S. Enteritidis, even when analysis of sacanning electronic microscopy has indicated expressive differences between adherence to the materials. The production of bioemulsifier by Salmonella serovars was observed, being that S. Enteritidis and S. Bredeney produced larger amounts than S. Typhimurium. The resistance to peracetic acid, and quaternary ammonium biocides when evaluated using suspension test in the presence of organic matter, demonstrated that in the concentrations indicated by manufacturers, all of the three biocides were able to inactivate the three serovars. However, using 200ppm of sodium hypochlorite, commonly used in Brazil, S. Enteritidis showed to be the most resistant serovar, since it has survived for up to 15 minutes of exposure. None of the biocides inactivate all the cells adhered (approximately 5log CFU/cm2) in stainless steel and polyethylene, except the quaternary ammonium which totally eliminated S. Enteritidis on the stainless steel surface. In view of the importance of these micorrganismos as alimentary pathogens, special cares of disinfection processes and cross-contamination for Salmonella must be taken.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/32453
Arquivos Descrição Formato
000787086.pdf (7.952Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.