Repositório Digital

A- A A+

Transplante renal em crianças com peso inferior a 15 kg : acesso cirúrgico extraperitoneal: experiência em 62 transplantes

.

Transplante renal em crianças com peso inferior a 15 kg : acesso cirúrgico extraperitoneal: experiência em 62 transplantes

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Transplante renal em crianças com peso inferior a 15 kg : acesso cirúrgico extraperitoneal: experiência em 62 transplantes
Autor Vitola, Santo Pascual
Orientador Kruel, Cleber Dario Pinto
Data 2011
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Cirúrgicas.
Assunto Criança
Patologia
Transplante de rim
[en] Child less than 15 kg
[en] Extraperitoneal access in kidney transplantation
[en] Pediatric kidney transplantation
Resumo Crianças pequenas representam um grupo desafiador no transplante renal. O estudo analisa os resultados, do ponto de vista cirúrgico, do transplante renal em crianças com peso inferior a 15 kg utilizando o acesso cirúrgico extraperitoneal. Métodos: Foram revisados retrospectivamente os prontuários de 62 crianças com peso inferior a 15 kg submetidas a transplante renal entre 1998 e 2010, utilizando o acesso extraperitoneal e anastomose dos vasos renais dos doadores com a aorta ou artéria ilíaca comum e com a veia cava inferior ou ilíaca comum dos receptores. O ureter foi anastomosado à bexiga pela técnica extravesical de Lich- Grégoir. Resultados: Dos 62 transplantes, 32 enxertos (51,6%) eram provenientes de doadores vivos e 30 (48,4%) de doadores falecidos, sendo 28 deles pediátricos. A média de idade no transplante foi de 3,7 ± 2,2 anos (1 a 12), e o peso médio, de 12,3 ± 2,1 kg (5,6 a 14,9), sendo que 10 tinham peso inferior a 10 kg. Em 10 crianças (16,1%) o transplante foi preemptivo e em 5 (8,1%) havia trombose do sistema venoso prévio ao transplante. Em 1 e 5 anos, a sobrevida do paciente foi de 93,2% e 84,2% e a sobrevida do enxerto de 85,2% e 72,7%, respectivamente, sem diferença entre doadores vivos e falecidos. A função do enxerto com doador vivo foi melhor em 1 e 3 meses, mas a partir do 6o mês foi similar. Houve 6 complicações vasculares, sendo 4 tromboses vasculares, 1 laceração e 1 estenose de artéria renal e 2 coleções líquidas. Houve 17 perdas de enxerto, 6 por morte, sendo 5 com enxerto funcionante, 5 por complicações cirúrgicas, 3 por rejeição crônica e 3 por recorrência da doença de base. Conclusão: O acesso extraperitoneal é uma técnica válida no transplante renal de crianças com peso inferior a 15 kg, assegurando boa sobrevida do paciente e do enxerto e aceitável taxa de complicações, independentemente do tipo de doador, se vivo ou falecido, ou do tamanho do enxerto, se de adulto ou de criança.
Abstract Small children are a challenging group for kidney transplantation. This study analyzes the results of kidney transplantation in children weighing less than 15 kg using the extraperitoneal surgical access. Methods: A retrospective review of the records of 62 children weighting less than 15 kg was done. The kidney transplantation were performed between 1998 and 2010 using the extraperitoneal access and anastomosis of the renal vessels of donors to the aorta or common iliac artery and to the inferior vena cava or common iliac vein of the recipients. The ureter was anastomosed to the bladder using the Lich-Grégoir extravesical technique. Results: Thirty-two (51.6%) grafts of the 62 transplants were from living donors and 30 (48.4%) from deceased donors, 28 of them pediatric. The mean age at transplantion was 3.7 ± 2.2 years (1 to 12), and the mean weight, 12.3 ± 2.1 kg (5.6 to 14.9), and 10 of them weighed less than 10 kg. In 10 children (16.1%) the transplant was preemptive. Five 5 (8.1%) children presented previous thrombosis of the venous system. At 1 and 5 years, patient survival was 93.2% and 84.2% and graft survival was 85.2% and 72.7%, respectively, and there was no difference between living and deceased donors. The graft function of the living donor was better at 1 and 3 months, but was similar from the 6th month onward. There were 6 vascular complications (4 of them vascular thromboses, 1 laceration and 1 renal artery stenosis) and 2 perirenal collections. Seventeen grafts were lost, 6 due to death, 5 with a functioning graft, 5 due to surgical complications, 3 due to chronic rejection and 3 due to recurrence of the original disease. Conclusion: The extraperitoneal access is a valid kidney transplantantion technique in children weighing less than 15 kg, ensuring good patient and graft survival, and an acceptable rate of complications, independent of source of donor, living or deceased, or size of graft, whether from an adult or from a child.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/32881
Arquivos Descrição Formato
000787284.pdf (5.884Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.