Repositório Digital

A- A A+

Anemia em crianças e adolescentes : prevalência dos últimos onze anos no Brasil

.

Anemia em crianças e adolescentes : prevalência dos últimos onze anos no Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Anemia em crianças e adolescentes : prevalência dos últimos onze anos no Brasil
Autor Martins, Daniela Soares
Orientador Drehmer, Michele
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Curso de Nutrição.
Assunto Adolescente
Anemia
Criança
Prevalência
Resumo Introdução: A carência nutricional mais prevalente no mundo é a anemia ferropriva. A anemia acomete diferentes grupos etários e sociais, sendo mais prevalente em países não-industrializados devido à baixa condição socioeconômica. O grupo de maior risco para anemia ferropriva é o das crianças menores de 2 anos, porém outros grupos etários possuem elevado risco para anemia, a saber: gestantes, puérperas, recém-nascidos de baixo peso, adolescentes e idosos. Na etiologia da anemia estão envolvidos diversos fatores, mas o mais frequente é o baixo consumo de ferro. Diante desse cenário epidemiológico, da alta prevalência de anemia ferropriva tornou-se consenso na Organização Mundial de Saúde (OMS) a adoção de medidas de prevenção e a de redução desta carência nutricional, como a suplementação do ferro nas fases de maior risco para anemia. Objetivo: Elaborar uma revisão sistemática acerca de prevalência da anemia em crianças e adolescentes no Brasil na última década. Métodos: Revisão sistemática de estudos indexados na base de dados Scielo com as palavras-chave prevalência de anemia, crianças, adolescentes. Foram selecionados os artigos publicados no ano de 2000 a 2011 em língua portuguesa. Os critérios de exclusão foram coleta de dados inferior a 2000, adultos, atletas, gestantes, anemia falciforme, vitamina A, revisões, artigos de intervenção com suplementação e profilaxia da anemia. Para classificar um estudo como sendo de grave situação de saúde pública foi utilizado o ponto de corte da prevalência de anemia maior ou igual a 40%. Resultados e análise: O total de artigos analisados foram 33. A maior prevalência de anemia encontrada foi de 80% em Rondônia, e a menor foi de 11% em São Paulo. Dezoito artigos apresentam prevalências de anemia acima de 40%, ou seja, representando uma grave situação de saúde pública. O método de determinação mais usado foi o hemoglobinômetro portátil HemoCue®. Conclusão: O Brasil ainda apresenta uma prevalência de anemia elevada. O sugerido avanço das estratégias que combatem a anemia é ainda insuficiente para colocar o país em categoria aceitável de situação de saúde pública.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/32893
Arquivos Descrição Formato
000787101.pdf (704.8Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.