Repositório Digital

A- A A+

A inserção das economias emergentes e a distribuição de poder no cenário político internacional

.

A inserção das economias emergentes e a distribuição de poder no cenário político internacional

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A inserção das economias emergentes e a distribuição de poder no cenário político internacional
Autor Salvo, Mauro
Orientador Cunha, Andre Moreira
Data 2011
Nível Mestrado profissional
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Ciências Econômicas. Programa de Pós-Graduação em Economia.
Assunto Países emergentes
Política internacional
Relações econômicas internacionais
Sistema Monetário Internacional
[en] Emerging economies
[en] International political economics
[en] Power resources
Resumo O objetivo central da tese é analisar se e como as economias emergentes ganharam poder no cenário político internacional, através do aumento de seus recursos de poder econômico. Como o foco do trabalho foi direcionado para a evolução do poder econômico das economias emergentes e suas implicações para o sistema de nações, a atenção maior foi dada às movimentações da economia política internacional, que não estão restritas aos organismos financeiros internacionais. Buscou-se mostrar que o jogo de poder se dá, preponderantemente, entre os Estados-nacionais. Neste trabalho foi analisado o funcionamento do sistema internacional contemporâneo, abordando-o através das principais correntes teóricas das relações internacionais. O tema em foco foi a distribuição de poder econômico no cenário político internacional. A hipótese considerada foi que alguns países emergentes têm aumentado seu poder global e desta forma impactado a organização do sistema e as relações econômicas internacionais. No capítulo 2 defende-se que o poder econômico, atualmente, pode ser considerado a principal fonte de poder tendo em vista os temas da agenda das relações internacionais. Defende-se que mesmo os EUA não sendo mais a nação hegemônica que garante a estabilidade do sistema, este ainda é o sistema criado pelos americanos e não há evidência de que haja alguma nação capaz de assumir a liderança e implantar outro sistema. Por último defendo que vivemos em um sistema internacional híbrido, que ora é anárquico, ora é cooperativo ou coordenado, dependendo da agenda internacional. O capítulo 3 trata das instituições de Bretton Woods e analisa sua evolução e o papel da moeda padrão. Reforça a análise do capítulo anterior quanto à inexistência de um movimento de ruptura ou mesmo de substituição da moeda americana como referência das transações internacionais inclusive na hipótese da adoção de uma unidade de conta baseada numa cesta de moedas. O atual sistema monetário internacional, no qual países exportadores de petróleo e a China sustentam o dólar americano como moeda de referência e o nível de consumo dos americanos, é a prova das dificuldades de institucionalização de uma nova ordem. No capítulo 4 distinguem-se os conceitos econômicos para estipular a melhora do bem-estar da população e como as mesmas estatísticas são utilizadas para medir o poder nas relações econômicas internacionais. Baseado no exposto considera-se que as economias emergentes estão aumentando sua fonte de poder econômico e começa a influir nas decisões que durante décadas foram limitadas ao G-7 e as evidências disso são a constituição do G-20, a participação no Grupo de Estabilidade Financeira do BIS e o aumento do peso nos votos do FMI.
Abstract The main objective of this thesis is to examine whether and how emerging economies have gained power in the international political scene, by increasing their economic power resources. As the focus of the study was directed towards the development of the economic power of emerging economies and its implications for the system of nations, greater attention was given to the movements of international political economy, which are not restricted to international financial organizations. We tried to show that the power game occurs, mainly, among National States. This work analyzed the functioning of the contemporary international system by addressing it through the principal theories of international relations. The theme in focus was the distribution of economic power in the international political scenario. The assumption made was that some emerging countries are increasing their global power and thus impacted the organization of the system and international economic relations. Chapter 2 argues that the economic power may currently be considered the main source of power in view of the topics on international relations agenda. It is argued that the U.S. is not even the most homogenous nation which ensures the stability of the system, this is still the system created by the Americans and there is no evidence that there is any nation able to take the leadership and implement a different system. Finally It’s argued that we live in an international hybrid system, which is sometimes anarchic, sometimes it is cooperative or coordinated depending on the international agenda. Chapter 3 deals with the Bretton Woods institutions and examines their evolution and role of the currency standard. Reinforces the analysis of the previous chapter as to the absence of a movement to break or even replacement of the U.S. currency as a benchmark for international transactions including the assumption of adopting a unit of account based on a basket of currencies. The current international monetary system in which oil exporters and China support the U.S. dollar as reference currency and the level of consumption of Americans is proof of the difficulties of institutionalizing a new order. Chapter 4 distinguished economic concepts to provide the improvement well-being of the population and how those statistics are used to measure power in international economic relations. Based on the foregoing it is considered that emerging economies are increasing their sources of economic power and begin to influence decisions which for decades limited to the G-7 and the evidence for this is the formation of G-20, participation in the Group Stability Financial BIS and increasing their weight in votes in the IMF.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/35444
Arquivos Descrição Formato
000789385.pdf (952.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.