Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da influência do aquecimento da resina composta na espessura de película para cimentação de restaurações indiretas

.

Avaliação da influência do aquecimento da resina composta na espessura de película para cimentação de restaurações indiretas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da influência do aquecimento da resina composta na espessura de película para cimentação de restaurações indiretas
Autor Silva, Marcelo Goulart Rodrigues da
Rossi, Daniel
Orientador Conceição, Andréa de Azevedo Brito
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Odontologia. Curso de Odontologia.
Assunto Resinas compostas
Restauracoes indiretas : Resinas compostas
Resumo O objetivo do presente estudo foi avaliar a influência do aquecimento de resinas compostas fotopolimerizáveis na espessura de película relacionada à cimentação de restaurações indiretas (inlays e onlays). Para tal foram comparadas duas resinas, uma microhíbrida (Opallis / FGM) e outra nanoparticulada (Z350 XT/ 3M) em duas temperaturas: ambiente (20º C) e após seu aquecimento (64º C), tendo como grupo controle o cimento resinoso dual (AllCem / FGM). Seguindo a ISO 4049, o teste foi realizado inserindo os materiais em estudo entre 2 placas de vidro planas de aproximadamente 2 cm² sendo posicionado sobre uma delas um peso de 15Kg por um período de 3 minutos. Após, a resina foi fotopolimerizada com led (Optilight Max / Gnatus) por um período de 40 segundos e sua espessura mensurada através de um micrômetro digital (Mitutoyo) com precisão de 0,001mm, onde foram feitas 3 medidas para cada corpo de prova. Para o pré-aquecimento das resinas foi utilizado o dispositivo CalSet / AdDent. Foram usados os testes estatísticos de t-student e ANOVA juntamente com Tukey com um nível de significância de 5% (p0,05). Os resultados mostraram uma média de espessura do grupo controle de 28,2μm; 59,7μm para o grupo da resina microhíbrida em temperatura ambiente; 45,3μm para resina microhíbrida a 64°C; 96,1μm para resina nanoparticulada em temperatura ambiente e 84,1μm para resina nanoparticulada 64°C. Baseado nos resultados obtidos pode-se observar que houve diferença estatística entre os grupos, sendo que o grupo controle diferiu de todos os outros com espessura de película menor. O pré-aquecimento da resina mostrou influência direta sobre a espessura de película, sendo considerada estatisticamente inferior ao das resinas à temperatura ambiente. A resina microhíbrida estudada apresentou uma menor espessura quando comparada à nanoparticulada. Pode-se concluir que o pré-aquecimento da resina composta é importante para a diminuição da espessura de película na cimentação de inlays/onlays, porém o cimento resinoso dual obteve os melhores resultados quando comparados aos demais.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/35600
Arquivos Descrição Formato
000788643.pdf (424.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.