Repositório Digital

A- A A+

Prevalência de disfunção erétil em homens e de risco para disfunção sexual em mulheres atendidos em clínica de insuficiência cardíaca

.

Prevalência de disfunção erétil em homens e de risco para disfunção sexual em mulheres atendidos em clínica de insuficiência cardíaca

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Prevalência de disfunção erétil em homens e de risco para disfunção sexual em mulheres atendidos em clínica de insuficiência cardíaca
Autor Specht, Andréia Martins
Orientador Silva, Eneida Rejane Rabelo da
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Disfunção sexual fisiológica
Enfermagem
Insuficiência cardíaca
Resumo Introdução: Estudos têm evidenciado que os distúrbios sexuais acometem mais os pacientes com insuficiência cardíaca (IC) do que a população em geral, porém esses dados são pouco explorados no Brasil. Objetivos: Identificar a prevalência de disfunção erétil (DE) em homens e estimar o risco de disfunção sexual feminina (RDSF) em mulheres acompanhados em ambulatório especializado de IC. Avaliar a associação entre disfunção sexual e variáveis clínicas e sócio-demográficas. Método: Estudo transversal, que incluiu 255 pacientes de ambos os sexos, de uma amostra total de 381, com idade ≥ 18 anos, diagnóstico de IC com fração de ejeção ≤ 50%, em atendimento ambulatorial. Foram excluídos pacientes com registro de déficit cognitivo ou de sequelas neurológicas, com alta hospitalar nos últimos 30 dias. Para avaliar a disfunção sexual foram utilizados dois questionários validados e adaptados, o Índice Internacional de Função Erétil e o Índice de Função Sexual Feminina. Resultados preliminares: Foram incluídos 165 homens e 90 mulheres, com idade média de 61 ± 13 anos, 202 (79%) de cor branca. A média da fração de ejeção foi de 32,4% ± 9,6 e a hipertensão arterial sistêmica (HAS) foi prevalente nesta amostra 145 (57%). Em relação à disfunção sexual, 41,2% dos homens apresentaram grau moderado/grave de DE e 84,4% das mulheres apresentaram um maior grau de RDSF. Encontramos relação entre DE e idade e presença de HAS. O maior grau de RDSF nas mulheres apresentou relação estatisticamente significativa com idade e presença de diabete mellitus. Conclusões: Os dados preliminares nos permitem inferir que a prevalência de disfunção sexual em pacientes com IC é maior quando comparado a dados da população em geral. Maiores especulações poderão ser realizadas ao completarmos a amostra.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/35949
Arquivos Descrição Formato
000816050.pdf (529.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.