Repositório Digital

A- A A+

Problematizações sobre o tempo e o espaço para aprender nas classes de primeiro ano do ensino fundamental de nove anos

.

Problematizações sobre o tempo e o espaço para aprender nas classes de primeiro ano do ensino fundamental de nove anos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Problematizações sobre o tempo e o espaço para aprender nas classes de primeiro ano do ensino fundamental de nove anos
Autor Mello, Michele Beatriz
Orientador Rodrigues, Maria Bernadette Castro
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Pedagogia: Licenciatura.
Assunto Alfabetização
Currículo
Ensino fundamental
Resumo Este trabalho aborda o processo de implementação do Ensino Fundamental de Nove Anos em uma escola pública estadual de Porto Alegre/RS. Ao considerar como referência os documentos Orientações Gerais (2004); Passo a Passo do processo de implantação (2009) do MEC, são analisadas as ações da escola na implementação das reformulações curriculares, enfocando classes de Educação Infantil e de 1º ano. Trata-se de um estudo de caso sobre as concepções vigentes de Currículo que embasam o processo de mudança nesse estabelecimento e quais as repercussões dessa reformulação no tempo e no espaço para as aprendizagens dos alunos. As análises apoiam-se nas ideias de José Gimeno Sacristán, buscando “desnaturalizar” e provocar outras possibilidades de fazeres docentes afins às orientações do MEC e pertinentes aos princípios de um currículo integrado. As abordagens de Mariano Enguita, sobre a escola moderna e suas práticas disciplinares, e de Maria Carmen S. Barbosa, sobre as rotinas e práticas curriculares na Educação Infantil, são colaborativas na constituição das constatações dessa pesquisa. As análises investigativas apontam para um tensionamento entre um suposto processo “natural” de escolarização nas propostas e ações da escola ao implementar as alterações curriculares e as orientações do MEC. Ainda, pode-se depreender que a finalidade da ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos para oferecer mais tempo aos estudos e aprendizagens dos alunos pouco se efetiva. Percebe-se que as ações de reformulação da escola investigada mantêm reduzido o tempo e o espaço de experienciar, interagir, participar e indagar dos alunos, ou seja, se mantém a crença de que nas classes de 1º ano, em um ano letivo, deva se iniciar e concluir à alfabetização. O processo de ensino-aprendizagem apresenta-se centrado na figura da professora e no que ensinar. As mudanças curriculares no Ensino Fundamental se restringem à revisão de listas de conteúdos para cada ano.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/36367
Arquivos Descrição Formato
000817605.pdf (612.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.