Repositório Digital

A- A A+

Medida socioeducativa de internação: análise de jurisprudência

.

Medida socioeducativa de internação: análise de jurisprudência

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Medida socioeducativa de internação: análise de jurisprudência
Autor Santos, Natália Piffero dos
Orientador Carvalho, Salo de
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Direito. Curso de Ciências Jurídicas e Sociais.
Assunto Adolescente infrator
Atos infracionais : Menor : Responsabilidade dos pais
Infracoes penais : Direito do menor
Jurisprudencia : Direito
Medidas socioeducativas
Processo penal : Legislação : Brasil
Responsabilidade penal
Resumo O presente trabalho trata da medida socioeducativa de internação, que é a resposta estatal privativa de liberdade ao adolescente que pratica ato infracional - conduta tipificada em lei como crime ou contravenção. A pesquisa pretende analisar os fundamentos teóricos contemporâneos justificativos de sua imposição, bem como os critérios utilizados para a escolha da medida extrema. Apesar de a legislação determinar que a sua fixação observe os princípios da brevidade e excepcionalidade, tem-se observado um elevado número de institucionalização de adolescentes, denotando a forma indiscriminada com que os operadores do direito vêm aplicando a medida. A legislação estatutária, apesar de ter uma redação clara, possui termos vagos, abrindo margem para que situações similares sejam tratadas de forma oposta, em virtude do entendimento do órgão julgador responsável pela decisão. Para verificar tal situação, o presente trabalho optou pela realização de pesquisa jurisprudencial no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul - TJRS e no Superior Tribunal de Justiça - STJ. O levantamento abrangeu os acórdãos proferidos em habeas corpus, no período de janeiro a abril de 2011, que versavam sobre (i)legalidade da imposição, em sentença condenatória, da medida de internação. A análise dos julgados permitiu perceber que no TJRS, em que a matéria é julgada por duas câmaras cíveis, há uma maior resistência em se estender aos adolescentes as garantias do direito penal e do processo penal, se comparado com o entendimento do STJ.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/36499
Arquivos Descrição Formato
000817059.pdf (887.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.