Repositório Digital

A- A A+

Concepções do brincar : teoria e prática pedagógica

.

Concepções do brincar : teoria e prática pedagógica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Concepções do brincar : teoria e prática pedagógica
Autor Souza, Valéria Pereira de
Orientador Marques, Tânia Beatriz Iwaszko
Data 2010
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Pedagogia: Ensino a Distância: Licenciatura.
Assunto Brincadeira
Prática pedagógica
Sala de aula
Teoria
Resumo A chegada da criança de seis anos ao ensino fundamental vem carregada de expectativas. Brincar, para a criança, é uma atividade espontânea, por isso não pode ser concebido como um prêmio, muito menos relegado a segundo plano, para, em vez dele, se priorizar as letras, os números e todo o processo de alfabetização. O que este estudo pretende mostrar é a possibilidade de converter também as letras e os números em brinquedo para as crianças, entendendo que, assim, a aprendizagem se dará de forma dinâmica e divertida. O amor pelo conhecimento é a continuação da curiosidade que as crianças sentem pelo mundo que está em torno deles até cinco ou seis anos de idade, e, neste mundo, não há espaço para o não brincar, porém o brinquedo não deve ser para a criança um motivo de angústia, pois enquanto brinca ela precisa ter experiências plenas, onde seu espaço tem que ser respeitado, seja em casa, na rua ou em sala de aula. O brinquedo também não deve ser relegado a segundo plano, muito menos visto pelo professor como menos importante que o trabalho dirigido a ser desenvolvido com seus alunos. O universo infantil é rico e está constantemente mudando, passando de realidade à fantasia, e de fantasia à realidade, assim a criança que brinca, investiga, descobre, desacomoda, reorganiza, por isso nem sempre o brinquedo proposto deve ter uma finalidade pedagógica. O simples fato de brincar livremente deve ser considerado como uma atividade fundamental, especialmente no 1º ano do ensino fundamental. Se o professor, por sua vez, estiver sempre interferindo e irrompendo a brincadeira das crianças em prol de seus objetivos, pode acabar perturbando o desenvolvimento da brincadeira e interrompendo as experiências que as crianças vivem enquanto realizam seu brincar, e brincar com certeza também é aprendizagem.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/36518
Arquivos Descrição Formato
000818178.pdf (445.4Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.