Repositório Digital

A- A A+

Negócio suspeito : o sindicato dos telefônicos frente à privatização da CRT através do jornal o Parceiro (1996-1998)

.

Negócio suspeito : o sindicato dos telefônicos frente à privatização da CRT através do jornal o Parceiro (1996-1998)

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Negócio suspeito : o sindicato dos telefônicos frente à privatização da CRT através do jornal o Parceiro (1996-1998)
Autor Marcolin, Samuel Pereira
Orientador Pinto, Celi Regina Jardim
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Curso de História: Licenciatura.
Assunto Ação sindical
Brasil
Neoliberalismo
Novo sindicalismo
Privatizações
[en] Brazil
[en] Neoliberalism
[en] New unionism
[en] Privatizations
[en] Union action
Resumo Este trabalho trata do processo de privatização da Companhia Riograndense de Telecomunicação (CRT) entre 1996 a 1998, tendo como objetivo compreender em que contexto político econômico ela está inserida, e qual a ação do Sindicato dos Telefônicos (SINTELL/RS) frente ao processo de privatização do seu espaço de trabalho. A pesquisa procedeu utilizando como fonte história o jornal produzido e distribuído pelo sindicato dos telefônicos chamado O Parceiro. A análise de seu conteúdo permitiu estabelecer algumas características da ação deste sindicato como representante dos funcionários durante a venda da CRT. Para tanto, o presente estudo contextualiza o Brasil e no caso específico o estado do Rio Grande do Sul dentro das práticas políticas econômicas neoliberais buscando descrever brevemente a expansão do pensamento neoliberal dentro dos países do centro do capitalismo até a chegada aos países periféricos, que no caso brasileiro tem início com a eleição do presidente Fernando Collor de Melo em 1989. São analisadas a fim de melhor compreender as lutas do SINTELL/RS contra as privatizações do Governo Britto, a estruturação do chamado Novo Sindicalismo Brasileiro na década de 1980, e as mudanças que a postura dos sindicatos irão sofrer no contexto neoliberal brasileiro dos anos 90, onde se encontram as lutas do SINTELL/RS contra as privatizações do Governo Antônio Britto.
Abstract This work studies the privatization process of the Companhia Riograndense de Telecomunicação (CRT), between 1996 and 1998, aiming to comprehend in what political-economical context it is inserted, and what were the actions of the Sindicato dos Telefônicos (SINTELL/RS) in face of the privatization of its workspace. The research proceeded with the use of the newspaper O Parceiro, produced and distributed by the telephone union, as historical source. The analysis of its content enabled the author to establish some characteristics of the union’s actions as representative of the employees during the sale of CRT. To do so, the present work contextualizes Brazil and, in this specific case, the State of Rio Grande do Sul, within the neoliberal political-economical practices, seeking to briefly describe the expansion of neoliberal thought from countries in the center of capitalism to its arrival in peripheral countries. In the Brazilian case, the arrival of neoliberal through occurred with the election of President Fernando Collor de Melo, in 1989. To better comprehend the struggles of SINTELL/RS against the privatizations of the Britto Government, analysis are made of the structuring of the so-called New Brazilian Unionism in the 1980s, and the changes of position the unions suffered in the Brazilian neoliberal context of the 1990s, period when SINTELL/RS was fighting against the privatizations of the Antônio Britto government.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/37066
Arquivos Descrição Formato
000819786.pdf (669.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.