Repositório Digital

A- A A+

Disfunção autonômica e doença vascular periférica em pacientes com diabete melito tipo 2

.

Disfunção autonômica e doença vascular periférica em pacientes com diabete melito tipo 2

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Disfunção autonômica e doença vascular periférica em pacientes com diabete melito tipo 2
Autor Copstein, Eduardo
Orientador Canani, Luis Henrique Santos
Co-orientador Gross, Jorge Luiz
Data 2003
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas: Endocrinologia.
Assunto Complicações
Diabetes mellitus
Doencas do sistema nervoso autonomo
Doenças vasculares periféricas
Fatores de risco
Resumo A disfunção autonômica está associada com aumento da mortalidade em pacientes diabéticos, especialmente naqueles com doença cardiovascular. Neuropatia periférica, mau controle glicêmico, dislipidemia e hipertensão são alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento de doença vascular periférica (DVP) nestes pacientes. O objetivo deste estudo foi avaliar os fatores de risco associados com a presença de DVP em pacientes com DM tipo 2. Um estudo transversal foi realizado em 84 pacientes com DM tipo 2 ( 39 homens, idade média de 64,9 ± 7,5 anos). Os pacientes foram submetidos a uma avaliação clínica e laboratorial. A presença de DVP foi definida, utilizando-se um um aparelho manual de ultrasom com doppler (índice perna-braço < 0,9). A atividade autonômica foi avaliada através da análise da variabilidade da freqüência cardíaca (HRV) por métodos no domínio do tempo e da freqüência (análise espectral), e pelo mapa de retorno tridimensional durante o período do dia e da noite. Para a análise da HRV, um eletrocardiograma de 24 horas foi gravado e as fitas analisadas em um analisador de Holter Mars 8000 (Marquete). A potência espectral foi quantificada pela área em duas bandas de freqüência: 0,04-0,15 Hz – baixa freqüência (BF), 0,015-0,5 Hz – alta freqüência (AF). A razão BF/AF foi calculada em cada paciente. O mapa de retorno tridimensional foi construído através de um modelo matemático onde foram analisados os intervalos RR versus a diferença entre os intervalos RR adjacentes versus o número de contagens verificadas, e quantificado por três índices refletindo a modulação simpática (P1) e vagal (P2 e P3). DVP estava presente em 30 (36%) pacientes. Na análise univariada, pacientes com DVP apresentaram índices que refletem a modulação autonômica (análise espectral) diminuídos quando comparados aos pacientes sem DVP, respectivamente: BF = 0,19 ± 0,07 m/s2 vs. 0,29 ± 0,11 m/s2 P = 0,0001; BF/AF = 1,98 ± 0,9 m/s2 vs. 3,35 ± 1,83 m/s2 p = 0,001. Além disso, o índice que reflete a atividade simpática no mapa de retorno tridimensional (P1), foi mais baixo em pacientes com DVP (61,7 ± 9,4 vs. 66,8 ± 9,7 unidades arbitrárias, P = 0,04) durante a noite, refletindo maior ativação simpática neste período. Estes pacientes também apresentavam uma maior duração do diabetes (20 ± 8,1 vs. 15,3 ± 6,7 anos, P = 0,006), níveis de pressão arterial sistólica (154 ± 20 vs. 145 ± 20 mmHg, P = 0,04), razão cintura-quadril ( 0,98 ± 0,09 vs.0,92 ± 0,08, P = 0,01), e níveis de HbA1c mais elevados (7,7 ± 1,6 vs. 6,9 ± 1,7 %, P = 0,04), bem como valores de triglicerídeos ( 259 ± 94 vs. 230 ± 196 mg/dl, P= 0,03) e de excreção urinária de albumina ( 685,5 ± 1359,9 vs. 188,2 ± 591,1 μ/min, P = 0,02) superiores aos dos pacientes sem DVP.. Nos pacientes com DVP observou-se uma presença aumentada de nefropatia diabética (73,3% vs. 29,6% P = 0,0001), de retinopatia (73,3% vs. 44,4% P = 0,02) e neuropatia periférica (705 vs. 35,1% P = 0,006). Os grupos não diferiram quanto à idade, índice de massa corporal, tabagismo e presença de doença arterial coronariana. Na análise logística multivariada, a DVP permaneceu associada com a disfunção autonômica, mesmo após ter sido controlada pela pressão arterial sistólica, duração do DM, HbA1c, triglicerídeos e excreção urinária de albumina. Concluindo, pacientes com DVP e DM tipo 2 apresentam índices que refletem a modulação autonômica diminuídos, o que pode representar um fator de risco adicional para o aumento da mortalidade nestes pacientes.
Abstract Impaired autonomic function is associated to increased mortality in diabetic patients, especially in those with cardiovascular disease. Autonomic neuropathy, poor glycemic control, dyslipidaemia and hypertension are some of the risk factors for the development of peripheral artery disease (PAD) in these patients. The aim of this study was to identify factors associated with the presence of PAD in patients with type 2 diabetes. A cross sectional study was performed in 84 patients with type 2 diabetes (39 males, mean age 64.9 ± 7.5 years). Patients underwent a clinical and laboratorial evaluation. Cases were defined by the presence of PAD using Doppler ultrasonography (leg to arm ratio < 0.9). Autonomic activity was assessed by analyzing heart rate variability (HRV) by time domain and frequency domain methods (spectral analysis) and three dimensional return map during the day and the night period. For HRV analysis a 24 h ECG was recorded and the tapes analyzed on a Mars 8000 (Marquete) scanner. Power spectra was quantified by the area in the two bandwiths: 0.04-0.15 hz - low frequency (LF), 0.15-0.5 hz - high frequency (HF). LF/HF was calculated in each patient. Three-dimensional returns maps were constructed by plotting RR intervals versus the difference between adjacent RR intervals versus the number of counts and quantified by three derived indices reflecting sympathetic (P1) and vagal (P2, P3) modulation. PAD was present in 30 (36%) patients. In univariated analysis patients with PAD presented decreased indices of autonomic modulation in the spectral analysis when compared to patients without PAD, respectively: LF = 0.19 ± 0.07 m/s2 vs. 0.29 ± 0.11 m/s2 p= 0.0001; LF/HF ratio = 1.98 ± 0.9 m/s2 vs. 3.35 ± 1.83 m/s2 p= 0.001. Furthermore, the index reflecting sympathetic activity in the three-dimensional return map (P1) was lower in the patients with PAD at night (61.7 ± 9.4 vs. 66.8 ± 9.7 arbitrary units, P= 0.04), reflecting a higher simpathethic ativation. These patients also had longer diabetes duration (20 ± 8.1 vs. 15.3 ± 6.7 years, P= 0.006), higher systolic blood pressure levels (154 ± 20 vs. 145 ± 20 mmHg, P= 0.04), higher waist-to-hip ratio (0.98 ± 0.09 vs. 0.92 ± 0.08, P= 0.01), increased Hba1c levels (7.7 ± 1.6 vs. 6.9 ± 1.7 p= 0.04), increased triglycerides levels (259 ± 94 vs. 230 ± 196 mg/dl, p= 0.03) and increased EUA levels (685.5 ± 1359.9 vs. 188.2 ± 591.1 μg/min, p= 0.02). An increased proportion of diabetic nephropathy (73.3% vs. 29.6% p= 0.0001), retinopathy (73.3% vs. 44.4% p= 0.02) and distal sensory neuropathy (70% vs. 35.1% p= 0.006) was observed in patients with PAD. The groups did not differ regarding mean age, body mass index, smoking and presence of coronary heart disease. In multiple logistic analysis, with PAD as dependent variable and controlled by systolic blood pressure, diabetes duration, HbA1c, triglycerides and EUA levels, impaired autonomic modulation remained significantly associated. In conclusion, patients with PAD and type 2 diabetes presented impaired autonomic function which may represent an additional risk factor for increased mortality in these patients.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/3749
Arquivos Descrição Formato
000392228.pdf (1.118Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.