Repositório Digital

A- A A+

O cinema e a flutuação das representações surdas : "Que drama se desenrola neste filme? Depende da perspectiva ..."

.

O cinema e a flutuação das representações surdas : "Que drama se desenrola neste filme? Depende da perspectiva ..."

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título O cinema e a flutuação das representações surdas : "Que drama se desenrola neste filme? Depende da perspectiva ..."
Autor Thoma, Adriana da Silva
Orientador Skliar, Carlos Bernardo
Data 2002
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação.
Assunto Deficiente da audição
Educação
Estudos culturais
Representação
[en] Cinema
[en] Cultural pedagogy
[en] Culture
[en] Deaf education
[en] Discourse
[en] Power
[en] Representation
Resumo Este estudo aborda o jogo da flutuação das representações e dos discursos em textos cinematográficos e em textos surdos: num primeiro momento, investigo como a alteridade surda é narrada/produzida/inventada/incluída e excluída em filmes que focalizam a surdez e os/as surdos/as e, num segundo, analiso como ocorrem as interpelações dos filmes em um grupo de sujeitos surdos universitários. O alicerce teórico e as ferramentas metodológicas estão nos Estudos Culturais e no pensamento de Michel Foucault, a partir dos quais utilizo os entendimentos de discurso, representação, cultura, pedagogia cultural, interpelação, produção de significados, entre outros. A perspectiva analítica dos Estudos Culturais toma a cultura e os artefatos culturais como práticas de significação, não fazendo distinção entre alta-cultura e baixa-cultura. Michel Foucault oferece ferramentas teóricas e metodológicas com as quais podemos analisar o discurso como prática. O resultado das análises dos textos cinematográficos é apresentado através de um conjunto de lições, as quais foram organizadas pela recorrência das representações e dos discursos que compõem os filmes. Não se trata de verificar o que está “por trás” do que é dito, nem tampouco proceder a uma análise “comparativa”, supondo-se que poderiam existir melhores ou piores formas de se narrar a surdez e os/as surdos/as. Interessa, isto sim, entender como a surdez e os/as surdos/as são narrados/descritos/controlados/normalizados/excluídos ou incluídos pelas narrativas ouvintes sobre a alteridade surda, bem como colocar sob suspeita os saberes que aprisionam os sujeitos surdos em posições, territórios e significados que justificam o controle, regulação e governo de seus corpos. Os textos surdos, por sua vez, foram analisados a partir daquilo que os/as surdos/as universitários/as dizem quando são interpelados pelos filmes que assistimos durante nossos encontros. Inverter epistemologicamente a ordem de quem fala, entendendo como ocorrem as negociações e os jogos de poder, como se legitimam certas perspectivas e se excluem outras, pode ser um caminho para entendermos a complexidade que se apresenta quando falamos pelo outro, quando o narramos e o inventamos a partir das marcas da normalidade.
Abstract This study comprehends the fluctuation of discourses and representations in cinematographic texts and in deaf texts. Firstly I examine how the deaf otherness is narrated/produced/invented/left out and included in movies which focus on deafness and deaf people. Secondly I analyse how the film questionings happen in a group of university deaf students. The theoretical basis and the methodological tools are in Cultural Studies, mainly in British Cultural Studies and in Michel Foucault’s thought. From those sources I use discourse understandings, representation, culture, cultural pedagogy, questioning, meaning production and power, between other issues. The analytical perspective in Cultural Studies considers culture and cultural tools as practices of meaning, not making any difference between high culture and low culture. Michel Foucault offers theoretical and methodological tools in which we can analyse the discourse as practice. The result of cinematographic text analysis is presented through a set of “lessons” that were organised by the reiterate representations and discourses that make up the films. It is not about examining what is behind what is said, not even having a “comparative” analysis, saying that it might have better or worse euphemisms to narrate deafness and deaf people as well. It is important to be suspicious of the range of learning that takes deaf people prisoners in positions, territories and meanings that justify the control and regulation of their bodies. Deaf texts, in turn, were analysed from what university deaf students said when questioned about the movies we saw in our meetings. Epistemologically reversing the order of speakers, understanding how negotiations and power games occur, also how some perspectives take place and others are excluded might be a way to understand the complexity that exists when we speak in other people’s place, when we narrate them and when we make them up from the normality signs.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/37838
Arquivos Descrição Formato
000350594.pdf (8.923Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.