Repositório Digital

A- A A+

Bioestratigrafia e paleoecologia de foraminíferos da Bacia de Barreirinhas, cretácio, margem equatorial brasileira

.

Bioestratigrafia e paleoecologia de foraminíferos da Bacia de Barreirinhas, cretácio, margem equatorial brasileira

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Bioestratigrafia e paleoecologia de foraminíferos da Bacia de Barreirinhas, cretácio, margem equatorial brasileira
Autor Silva, Cristiane Pakulski da
Orientador Lemos, Valesca Brasil
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Programa de Pós-Graduação em Geociências.
Assunto Barreirinhas, Bacia sedimentar de (MA e PI)
Bioestratigrafia
Foraminiferos
Paleoecologia
[en] Biostratigraphy
[en] Cretaceous
[en] Foraminifera
[en] Paleoecology
Resumo O presente estudo integra informações bioestratigráficas e paleoecológicas obtidas através da análise de foraminíferos planctônicos e bentônicos recuperados dos sedimentos provenientes de cinco poços (1-MAS-1, 1-MAS-3A, 1-MAS-4A, 1-MAS-14 e 1-MAS-15) da Bacia de Barreirinhas, perfazendo um total de 127 amostras de calha preparadas e analisadas. Os sedimentos aqui analisados abrangem os andares Albiano superior ao Campaniano superior com registro geológico inserido nos grupos Caju (Albiano - Cenomaniano) e Humberto de Campos (Turoniano - Maastrichtiano). Através dos dados bioestratigráficos obtidos foi possível estabelecer sete biozonas de foraminíferos, de caráter local, com base na última ocorrência do táxon guia (LAD - Last Appereance Datum). O Albiano superior foi definido com base nas biozonas do foraminífero planctônico Ticinella primula Lauterbacher (1963) e foraminíferos bentônicos Lingulogavelinella albiensis Malapris (1965)-Gyroidina bandyi Trujillo (1960); o Cenomaniano inferior foi determinado através das biozonas do foraminífero planctônico Globigerinelloides bentonensis Morrow (1934) e foraminífero bentônico Coronorotalites aptiensis Bettenstaedt (1952); o Cenomaniano superior foi reconhecido através das biozonas do foraminífero planctônico Rotalipora appeninica Renz (1936) e foraminífero bentônico Gavelinella intermedia Berthelin (1880); o Campaniano superior foi determinado com base na biozona do foraminífero planctônico Heterohelix pulchra Brotzen (1936). Após a identificação da microfauna, foi possível reconhecer 108 espécies de foraminíferos pertencentes a cinco subordens: a Subordem Globigerinina, de foraminíferos planctônicos, é representada por 40 espécies e 15 gêneros; os foraminíferos bentônicos são compostos por 68 espécies e 48 gêneros, pertencentes as Subordens Rotaliina, Textulariina, Lagenina e Miliolina. Através da análise da assembléia de foraminíferos, foi possível traçar a CCD (Carbonate Compensation Depth - Profundidade de Compensação do Carbonato) nos poços e separá-los com base na profundidade em: distais (1-MAS-1 e 1-MAS-14) e proximais (1-MAS-3A, 1-MAS-4A e 1-MAS-15). Observou-se que a Bacia de Barreirinhas possui uma tendência geral transgressiva ao longo do Período Cretáceo, caracterizada por meio do influxo sedimentar através de variações climáticas, como o aquecimento global ocorrido neste período. Esta teoria é reforçada pela completa ausência de tecas calcárias, tanto de foraminíferos bentônicos, quanto planctônicos, associada à ocorrência exclusiva de bentônicos aglutinantes e silicosos (Reophax globosus) nos poços distais ao final do Período Cretáceo. Nos poços 1-MAS-3A, 1-MAS-4A e 1-MAS-15, a fauna de foraminíferos identificada apresenta adaptações morfológicas a condições de baixa oxigenação na coluna d'água, características normalmente observadas durante os Eventos Oceânicos Anóxicos (Oceanic Anoxic Event - OEA). Como exemplo destas adaptações morfológicas, foram identificadas três espécies pertencentes ao gênero Schakoina, que possui câmaras alongadas e a espécie Biticinella breggiensis, que possui câmaras bilobadas, sugerindo um aumento na produtividade primária, disponibilidade de nutrientes e paleoambientes depletados em oxigênio. Com base nestas informações foi possível identificar que um Evento Anóxico de caráter local tenha ocorrido durante o Albiano superior, registrado somente nos poços 1-MAS-3A e 1-MAS-4A, enquanto que o Evento Anóxico Global 2 foi registrado no poço 1-MAS-15.
Abstract This study integrates biostratigraphic and paleoecological information obtained through of planktonic and benthic foraminifera analysis from sediment recovered from five wells (1-MAS-1, 1-MAS-3A, 1-MAS-4A, 1-MAS-14 and 1-MAS-15) of Barreirinhas Basin, making a total of 127 samples prepared and analyzed. The sediments analyzed here cover the upper Albian to upper Campanian stages with geological record inserted in the Caju (Albian - Cenomanian) and Humberto de Campos (Turonian - Maastrichtian) groups. Through the biostratigraphic data obtained it was possible to establish seven foraminiferal biozones, of local character, based on the last occurrence of taxon guide (LAD - Last Appereance Datum). The upper Albian was defined based on planktonic foraminifera biozones of Ticinella primula Lauterbacher (1963) and benthic foraminifera Lingulogavelinella albiensis Malapris (1965)-Gyroidina Bandy Trujillo (1960); the lower Cenomanian was determined through the planktonic foraminifera biozones of Globigerinelloides bentonensis Morrow (1934) and benthic foraminifera Coronorotalites aptiensis Bettenstaedt (1952); the upper Cenomanian was recognized through the planktonic foraminifera biozones of Rotalipora appeninica Renz (1936) and benthic foraminifera Gavelinella intermedia Berthelin (1880); the upper Campanian was determined based on the planktonic foraminifera biozone Heterohelix pulchra Brotzen (1936). After the identification of microfauna, was possible to recognize 108 species of foraminifera belonging to five suborders: the Suborder Globigerinina, of planktonic foraminifera, is represented by 40 species and 15 genera; the benthic foraminifera are composed of 68 species and 48 genera, belonging to the suborders Rotaliina, Textulariina, Lagenina and Miliolina. Through analysis of foraminifera assemblage it was possible to trace the CCD (Carbonate Compensation Depth) in the wells and separate them based on depth in: distal (1-MAS-1 and 1-MAS-14) and proximal (1-MAS-3A, 1-MAS-4A and 1-MAS-15). It was noted that the Barreirinhas Basin has an overall transgression during the Cretaceous Period, characterized by sedimentary influx through weather changes, like global warming that occurred during this period. This theory is enhanced by the complete absence of calcareous tests, both of benthic as planktonic foraminifera associated with the exclusive occurrence of agglutinating and arenaceous benthic (Reophax globosus) in the distal wells of the end of Cretaceous Period. In the wells 1-MAS-3A, 1-MAS-4A and 1-MAS-15, the foraminifera fauna identified presents morphological adaptations to conditions of low oxygen in the water column, features typically seen during the Oceanic Anoxic Event (OEA's). As examples of these morphological adaptations, was identified three species of the Schakoina genera, which has elongated chambers and Biticinella breggiensis species, which has bilobeted chambers, suggesting an increase in the primary productivity, nutrient availability and paleoenvironments depleted in oxygen. Based on this information it was possible to identify a local character anoxic events occurred during the upper Albian, recorded only in a well 1-MAS-3A and 1-MAS-4A, while the global anoxic event 2 was recorded in a well 1-MAS-15.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/38528
Arquivos Descrição Formato
000824273.pdf (7.940Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.