Repositório Digital

A- A A+

Microencapsulação do ferro através da técnica de coacervação complexa

.

Microencapsulação do ferro através da técnica de coacervação complexa

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Microencapsulação do ferro através da técnica de coacervação complexa
Autor Araújo, Aline Luvielmo de
Orientador Tessaro, Isabel Cristina
Co-orientador Spada, Jordana Corralo
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Engenharia. Curso de Engenharia Química.
Assunto Engenharia química
Resumo O ferro é considerado um mineral essencial à vida dos seres vivos, visto que o mesmo está envolvido em importantes processos metabólicos no organismo. A carência ou deficiência desse nutriente é denominada anemia ferropriva, muito comum na infância e de grande relevância não só nos países em desenvolvimento, como naqueles altamente industrializados. Entre as estratégias utilizadas para prevenir e combater essa deficiência, o enriquecimento de alimentos tem se mostrado eficaz, inclusive a um custo compensatório. O enriquecimento com ferro é tecnicamente difícil, pois as formas biodisponíveis são quimicamente reativas e frequentemente produzem efeitos organolépticos indesejáveis quando adicionadas aos alimentos. Para contornar esses problemas, estuda‐se a técnica de microencapsulação que, ao englobar o ferro, mascara seu sabor e reduz a reatividade com outros componentes da dieta, além de possibilitar sua incorporação em alimentos sem a perda de suas propriedades funcionais. O presente trabalho teve por objetivo estabelecer uma metodologia para o processo de microencapsulação do FeSO4.7H2O via coacervação complexa, empregando como agentes encapsulantes a mistura de proteína isolada de soja (PIS), carboximetilcelulose (CMC) e goma guar, visando ao enriquecimento de produtos alimentícios. O composto a ser encapsulado foi obtido pela emulsão do ferro na forma de sulfato de ferro heptahidratado (FeSO4.H2O) em óleo de soja e os agentes encapsulantes foram misturados na proporção de 3:1:1 (PIS:CMC:Guar) em pH 4,0. Após a coacervação, as cápsulas foram secas por liofilização. A morfologia das micropartículas foi avaliada por microscopia eletrônica de varredura (MEV) e a temperatura de transição vítrea foi avaliada pela análise de calorimetria exploratória diferencial (DSC). A quantidade de ferro presente nas cápsulas foi determinada por espectrofotometria UV‐VIS. Por fim, realizouse a incorporação do ferro encapsulado e do ferro livre em uma formulação de suco de maçã que foi avaliada sensorialmente. Através da análise de calorimetria exploratória diferencial (DSC), o material coacervado apresentou temperatura de transição vítrea (Tg) de 127,24°C. Através da MEV, foi observado que as cápsulas apresentaram morfologia irregular e porosa. A análise sensorial para o suco adicionado de coacervado foi satisfatória, pois foram obtidas características semelhantes ao suco sem ferro. Os resultados encontrados demonstram que a microencapsulação do ferro através da coacervação complexa pode ser considerada uma alternativa na utilização de alimentos fortificados.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/38559
Arquivos Descrição Formato
000823818.pdf (6.270Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.