Repositório Digital

A- A A+

Corpo em obra : palimpsestos, arquitetônicas

.

Corpo em obra : palimpsestos, arquitetônicas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Corpo em obra : palimpsestos, arquitetônicas
Autor Costa, Cristiano Bedin da
Orientador Corazza, Sandra Mara
Data 2012
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação.
Assunto Barthes, Roland
Corpo
Deleuze, Gilles, 1925-1995
[en] Barthes
[en] Body
[en] Deleuze
[en] Education
[en] Palimpsest
[en] Writing
Resumo Trata-se de uma anatomia palimpséstica. Da pesquisa em Educação como experimentação de um corpo em obra, incessantemente reescrito: rasura em meio à Arte, à Literatura, à Filosofia. Trata-se do tecido fragmentário de signos e escrituras múltiplas, da composição de um corpo transitório, testemunho dos vários topoi inventivos que concorrem para a sua expressão. De uma ordem arquitetônica ritmicamente impura, de tramas e conspirações entrexpressivas. Trata-se do corpo enquanto arranjo polifônico, do corpo rapsódico em suas superfícies. Do interferencialismo como tática, da arquitetura enquanto téchne corpórea, de uma geografia de variadas ectopias. De um inventário de corporemas, de grãos sonoros e picturais desdobrando-se em posturas e fragmentos. Trata-se do traçado anatômico enquanto gesto coletivo, do corpo lido, experimentado e escrito a várias mãos. De um corpo cuja vida, em sua neutra impessoalidade, mantém-se irredutível à figura de um sujeito ou de um objeto. Trata-se de perguntar, ainda hoje, o que pode ou não um corpo. O que pode ou não inscrever-se em um corpo. Em meio ao percurso do texto, trata-se do esboço de um corpo transitório, pensável através da linguagem, com as visões e audições que tornam possíveis seus interstícios e desvios. Do estudo dos modos de produção do corpo como uma pesquisa sobre a aventura do pensamento, da invenção e instauração contínuas de tensores e vedutas para a vida. Do corpo intensivo, de seus movimentos e condições de existência. Da delimitação de um plano no qual o problema do escrever não pode ser pensado a não ser em uma relação com forças sonoras e visuais que não apenas o assombram, mas também o constituem, numa travessia sinestésica. Trata-se de uma coexistência diagramática, de uma tópica-contraponto entre as práticas criativas. E nesse sentido, de ter o corpo como programa: para então criá-lo, operando-o em seus limites.
Abstract It refers to a palimpsestic anatomy. To research in education as a body of experimentation in its means, relentlessly rewrote: strikethrough amongst arts, literature, philosophy. It regards the fragmentary tissues of signs and multiple scriptures of the composition of a transitory body, testimony of various inventive topoi which compete for its own expression. An impure, rhythmic, architectonic order of traumas and intra-expressive conspiracies of the body whilst its polyphonic arrangement and rhapsodic surfaces. The interferencialism as tactic, the architecture while body techne of a various ectopia geography. An inventory of body parts and sonorous, pictorial grains unfolding into fragments and postures. The anatomic tracing while collective gesture of the body read, experienced and wrote from various hands. It regards a body in which its impersonality and neutral life remains irreducible to the figure of a subject or object. Yet today questionable what the body is able or not to and what may or may not be joint within a body. In face of the text discourse, it regards the sketch of a transitory body thought through a conceivable language, with hearing and views that allow its interstices and diversions. The study of the production modes of the body as a research on the adventures of the thought, the invention and continuous instauration of tensors and percepts to life. The intensive body and its movements and existential conditions. The delimitation of a plan in which the problem of writing cannot be thought of without its relations with sonorous and visual forces that not only threatens it, but also constitute a synesthetic crossing. It relates to a diagrammatic coexistence of a counterpoint topic amongst the creative practices. On this basis, to have the body as programme in order to create it by operating it to its limits.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/40475
Arquivos Descrição Formato
000828726.pdf (3.037Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.