Repositório Digital

A- A A+

Frequência de polimorfismos nos genes codificadores das enzimas 17βHSD5 e aromatase em mulheres com diferentes fenótipos da síndrome dos ovários policísticos e resposta ao tratamento com anticoncepcional oral

.

Frequência de polimorfismos nos genes codificadores das enzimas 17βHSD5 e aromatase em mulheres com diferentes fenótipos da síndrome dos ovários policísticos e resposta ao tratamento com anticoncepcional oral

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Frequência de polimorfismos nos genes codificadores das enzimas 17βHSD5 e aromatase em mulheres com diferentes fenótipos da síndrome dos ovários policísticos e resposta ao tratamento com anticoncepcional oral
Autor Maier, Polyana Sartori
Orientador Spritzer, Poli Mara
Data 2012
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas: Fisiologia.
Assunto 17beta-hidroxiesteróide desidrogenase
Anticoncepcionais orais
Aromatase
Polimorfismo
Síndrome do ovário policístico
[en] 17b-hydroxisteroid dehydrogenase
[en] Aromatase
[en] Oral contraceptive pill
[en] Polycystic ovary syndrome
[en] Polymorphisms
Resumo A Síndrome dos Ovários Policísticos (PCOS) é a endocrinopatia mais frequente em mulheres na idade reprodutiva, além de ser a causa mais comum de hiperandrogenismo e anovulação crônica. Diferentes fenótipos da PCOS foram identificados, e um melhor entendimento dessas diferentes apresentações clínicas se faz necessário para o reconhecimento de riscos, medidas preventivas e terapêuticas específicas para cada fenótipo. Associações entre polimorfismos de substituição de um único nucleotídeo (SNPs) em genes que codificam enzimas responsáveis pelo metabolismo androgênico e PCOS foram descritos. O anticoncepcional oral (ACO) é utilizado para o tratamento de mulheres com PCOS por seu efeito supressivo na secreção de androgênios ovarianos e melhora do hirsutismo. Entretanto, os dados na literatura são conflitantes quanto aos efeitos do ACO nos parâmetros metabólicos de mulheres com PCOS. Além disso, não está bem estabelecido se a presença de alelos polimórficos está associada com diferenças nos fenótipos da PCOS e se pode influenciar na resposta ao tratamento com ACO. Os objetivos desta tese foram investigar a influência dos SNPs -71 AG no gene AKR1C3 e SNP50 no gene CYP19 gene (substituição de G por A) na resposta de mulheres com PCOS ao tratamento com ACO e verificar se o SNP50 está associado com fenótipos da PCOS. Cento e sessenta e duas mulheres com PCOS foram estratificadas em PCOS clássicas (hiperandrogenismo e disfunção ovulatória, c-PCOS) e PCOS ovulatórias (hiperandrogenismo, ciclos ovulatórios, aparência policística dos ovários, ov-PCOS) e uma subamostra de 51 mulheres (que não apresentavam resistência insulínica evidente) completaram 6 meses de tratamento com ACO (20 ug etinilestradiol e 75 ug gestodeno, 21/28 dias por ciclo). A presença ou ausência dos alelos polimórficos foram consideradas para expressar os resultados que avaliaram os SNPs -71 AG e SNP50. O escore de hirsutismo foi similar em c-PCOS e ov-PCOS, e as diferenças nos parâmetros hormonais e metabólicos observadas foram independentes da presença do alelo A do SNP50. Após os 6 meses de tratamento com ACO, como era esperado, os níveis de testosterona total e o escore clínico de hirsutismo diminuíram, enquanto os níveis da globulina carreadora de hormônios sexuais aumentaram. Houve uma pequena redução da pressão arterial sistólica e do hormônio luteinizante. As medidas de insulina e do índice HOMA permaneceram inalteradas após o tratamento. Houve um aumento dos níveis de lipídios, mas os valores permaneceram dentro dos limites da normalidade. Nenhuma das alterações observadas esteve associada com a presença dos alelos polimórficos dos SNPs -71 AG ou SNP50. As conclusões são de que o ACO é uma alternativa eficaz para o tratamento dos sintomas do hiperandrogenismo, sem comprometimento dos parâmetros metabólicos, pelo menos naquelas mulheres sem resistência insulínica prévia ao tratamento. Os SNPs -71AG no gene AKR1C3 e SNP50 no gene CYP19 não contribuem para as melhoras observadas com o uso do ACO. Além disso, o SNP50 parece não estar associado com as diferenças existentes entre os fenótipos clássico e ovulatório da PCOS.
Abstract Polycystic Ovary Syndrome (PCOS) is the most common endocrine disorder in women at reproductive age, and also the most common cause of hyperandrogenism and chronic anovulation. Different phenotypes of PCOS have been identified, and a better knowledge of these clinical symptoms is necessary to recognize risks, prevention, and treatment strategies for each phenotype. Associations between single nucleotide polymorphisms (SNPs) in genes that codify enzymes responsible for the androgenic metabolism and PCOS have been described. The oral contraceptive pill (OCP) is used to treat women with PCOS due to the suppressive effect on ovarian androgen secretion, with consequent amelioration of hirsutism. However, data are conflicting in literature regarding the effects of OCP on metabolic variables in PCOS. Besides that, it is not well established whether the presence of polymorphic alleles is associated with PCOS phenotypes and whether can influence on the response to OCP treatment. The aims of this thesis were to investigate the influence of the SNPs -71 AG at AKR1C3 gene and SNP50 of CYP19 gene (G to A substitution) on the response of PCOS to treatment with oral contraceptive pills and to assess whether the SNP50 is associated with PCOS phenotypes. A hundred sixty two hirsute women were stratified into a classic PCOS group (hyperandrogenism and ovulatory dysfunction, c-PCOS) and an ovulatory PCOS group (hyperandrogenism, ovulatory cycles, polycystic ovaries, ov-PCOS), and a subsample of 51 women (without evidences of insulin resistance) completed a 6-month OCP trial (20 ug ethinylestradiol plus 75 ug gestodene, 21/28 days per cycle). We considered the presence or absence of the polymorphic alleles to express results and to perform the comparisons regarding the SNPs -71 AG and SNP50. Hirsutism score was similar in c-PCOS and ov-PCOS, and the differences in hormone and metabolic variables between phenotypes were independent of the presence of allele A for SNP50. After 6 months of OCP treatment, as expected, total testosterone and hirsutism score declined, while sex hormone binding globulin increased. There was a slight reduction in systolic blood pressure and luteinizing hormone levels. Insulin and homeostasis model assessment remained unchanged after treatment. There was an increase in lipids, but the values remained at the normal range. None of these changes were associated with the presence of polymorphic alleles for -71 AG or SNP50 polymorphisms. We conclude that OCP is an alternative to ameliorate androgenic symptoms without compromising metabolic parameters, at least in women without insulin resistance before treatment. The -71AG SNP of AKR1C3 gene and the SNP50 of CYP19 gene did not contribute to the improvements observed. Besides that, SNP50 may not be associated to the existing differences between classic and ovulatory PCOS phenotypes.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/48977
Arquivos Descrição Formato
000829379.pdf (2.739Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.