Repositório Digital

A- A A+

Ruptura do ligamento cruzado cranial em cães e a reabilitação física pós-operatória

.

Ruptura do ligamento cruzado cranial em cães e a reabilitação física pós-operatória

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Ruptura do ligamento cruzado cranial em cães e a reabilitação física pós-operatória
Autor Pinto, Luciana Andreatta Torelly
Orientador Alievi, Marcelo Meller
Co-orientador Gonzalez, Paula Cristina Sieczkowski
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do sul. Faculdade de Veterinária. Curso de Medicina Veterinária.
Assunto Caes : Cirurgia veterinaria
Cirurgia veterinaria : Pos-operatorio
Doença articular degenerativa
Fisioterapia veterinária
Joelho
Ligamentos : Lesões
[en] Cranial cruciate ligament
[en] Dog
[en] Physical therapy
[en] Postoperative
[en] Stifle
Resumo A ruptura do ligamento cruzado cranial (RLCCr) é uma das injúrias mais freqüentes no cão e é a principal causa de doença articular degenerativa nesta espécie. Esta afecção ainda é um desafio para os clínicos de pequenos animais, por não existirem comprovações sobre seu mecanismo de desencadeamento. Seu diagnóstico é feito, usualmente através do exame físico e realização dos testes de gaveta cranial e compressão tibial, porém cada vez mais os exames complementares são utilizados para confirmação da suspeita em casos dúbios. Há controvérsias sobre o melhor tratamento a ser realizado nos casos de RLCCr. O tratamento pode ser conservativo ou cirúrgico, dependendo do peso e estado de saúde do animal. Para o tratamento cirúrgico existem diversas técnicas descritas, as quais são classificadas em intracapsulares, extracapsulares e osteotomias corretivas. Durante o pós-operatório, é comprovado o benefício do tratamento fisioterápico a fim de restaurar a função do membro acometido, com redução da perda muscular, sinais de osteoartrite e problemas de distribuição do peso. Este estudo tem como objetivo, através de revisão bibliográfica, abordar os principais aspectos relacionados à ruptura do ligamento cruzado cranial, e as principais modalidades de reabilitação física utilizadas na prática de pequenos animais, visando aplicá-las ao pós-operatório desta afecção.
Abstract The cranial cruciate ligament rupture (CrCLR) is one of the most frequent injuries in dogs and the leading cause of degenerative joint disease in this specie. This condition is still a challenge for veterinarians of small animals due the lack of evidence on its trigger mechanism. The diagnosis is based on clinical findings associated with specific diagnostic maneuvers. But increasingly complementary diagnosis testes are used to confirm the suspect in dubious cases. There is controversy exists about the best treatment to be performed in cases of CrCLR. Treatment could be conservative or surgical, depending on the weight and health of the animal. For surgical treatment many techniques are described, which are classified as intracapsular, extracapsular and corrective osteotomies. During the postoperative period the benefit of physical therapy to restore function of the affected limb is estabilished, with reducing of muscle loss, signs of osteoarthritis and the weight distribution problems. Through literature review, this study aims to address the main aspects of the cranial cruciate ligament rupture and major physical rehabilitation modalities used in small animal practice, in order to apply them to this condition after surgery.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/52512
Arquivos Descrição Formato
000851203.pdf (838.1Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.