Repositório Digital

A- A A+

Avaliação do processo de recuperação muscular, através da ultrassonografia e de marcadores de estresse oxidativo, após dano induzido por uma sessão aguda de exercício concorrente em ratos machos Wistar

.

Avaliação do processo de recuperação muscular, através da ultrassonografia e de marcadores de estresse oxidativo, após dano induzido por uma sessão aguda de exercício concorrente em ratos machos Wistar

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação do processo de recuperação muscular, através da ultrassonografia e de marcadores de estresse oxidativo, após dano induzido por uma sessão aguda de exercício concorrente em ratos machos Wistar
Autor Rech, Anderson
Orientador Pinto, Ronei Silveira
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física: Licenciatura.
Assunto Musculos : Fisiologia do exercicio
Ultrassom
Resumo O treinamento concorrente combina, simultaneamente, estímulos que promovem adaptações aeróbicas e neuromusculares, sendo uma opção para a área esportiva de alto desempenho, bem como para a obtenção de uma melhor qualidade de vida. Considerando que não há trabalhos na literatura que tenham estudado o período de recuperação muscular após uma sessão de treino concorrente, o objetivo deste estudo foi avaliar parâmetros de estresse oxidativo e dano muscular no período de recuperação, após uma sessão de exercício agudo de treinamento de força (12 rep. 2’ intervalo), em esteira (30’ 70% VO2max) e concorrente (6 rep. 2’ int. e 15’ 70% VO2max). Ratos Wistar machos adultos foram divididos nos grupos controle (n=6), força (n=6), esteira (n=6) e concorrente (n=6). O músculo gastrocnêmio e o sangue foram coletados 6, 24 e 48h após a sessão de exercício. Foram avaliadas as atividades das enzimas superóxido-dismutase, catalase e glutationaperoxidase, a produção de espécies reativas e o conteúdo de grupos tióis livres em tecido muscular, além das substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico. A atividade da lactato-desidrogenase sérica e a echo intensity muscular por imagem de ultrassom foram determinadas como um índice de dano muscular. Nossos resultados mostraram uma manutenção nos níveis da superóxidodismutase na maioria dos tempos analisados, com exceção do grupo força 24 h, o qual teve uma diminuição. Também houve um aumento da atividade da catalase no grupo força 6h, e uma diminuição na atividade da glutationaperoxidase em 24 h para os grupos esteira e força. A produção de espécies reativas aumentou no grupo força 6 e 24 h. O conteúdo de grupos tióis apresentou-se aumentado em 24h no grupo concorrente e em 48h no grupo esteira em relação ao grupo força. Os níveis das substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico se mostraram diminuídos no grupo força em todos os momentos comparados com o grupo esteira e controle. A lactato desidrogenase mostrou aumento da atividade em 24 h para o grupo concorrente e em 48 h para o grupo esteira em soro de ratos. Foi verificado um aumento na echo intensity nos grupos esteira e concorrente em 6, 24 e 48 h, enquanto que no grupo força só houve aumento no tempo de 24 h. Os ratos que realizaram exercício de força apresentaram índices de estresse oxidativo muscular, evidenciado pelo aumento de espécies reativas e das atividades das enzimas antioxidantes, entretanto foi identificado aumento da lactato desidrogenase sérica apenas após 48 h. O treinamento concorrente e a esteira mostraram efeitos similares no período recuperativo, evidenciados pelo aumento da lactato desidrogenase sérica e da echo intensity. O aumento dos grupos tióis livres musculares no grupo esteira 48 h ainda está sob investigação pelo nosso grupo. Podemos observar com nossos resultados, que a pouca especificidade da técnica de quantificação das substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico pode ter influenciado nos resultados apresentados de dano a lipídeos. Os resultados sugerem que, para todos os grupos analisados, dentro de um programa de exercício feito cronicamente, o intervalo de uma sessão para a seguinte deve ser superior a 48 h para que haja uma recuperação adequada da musculatura esquelética.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/53138
Arquivos Descrição Formato
000852990.pdf (1.881Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.