Repositório Digital

A- A A+

Avaliação do funcionamento de macrocápsulas de mPVDF : parâmetros in vitro e in vivo

.

Avaliação do funcionamento de macrocápsulas de mPVDF : parâmetros in vitro e in vivo

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação do funcionamento de macrocápsulas de mPVDF : parâmetros in vitro e in vivo
Autor Dilda, Anna Cláudia
Orientador Matte, Ursula da Silveira
Co-orientador Lagranha, Valeska Lizzi
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Curso de Biomedicina.
Assunto Encapsulação
Mucopolissacaridose I
Terapia celular
Terapia gênica
Resumo A encapsulação celular é uma estratégia proposta para o tratamento de diversas doenças por fazer a localização, a manutenção e o controle da entrega de produtos terapêuticos in vivo. Esta tecnologia é capaz de proteger as células imobilizadas em seu interior da resposta imunológica do hospedeiro, ao mesmo tempo que permite a entrada de nutrientes e oxigênio e a saída de produtos terapêuticos e excreções celulares. A permeabilidade, a biocompatibilidade e a capacidade imunoprotetora da cápsula são essenciais para seu bom funcionamento. Este trabalho buscou avaliar a capacidade de liberação de produtos terapêuticos pelas macrocápsulas de fuoreto de polivinilideno modificado (mPVDF) e a sobrevivência e proliferação das células encapsuladas in vitro, além da biocompatibilidade do material in vivo. Para isso, células da linhagem BHK modificadas geneticamente para superexpressar o gene IDUA (rBHK) foram microencapsuladas, macroencapsuladas ou cultivadas livremente durante 24h, após as quais foi medida a atividade enzimática no meio para comparar a eficiência de liberação nos três grupos. Foram encapsuladas 2x105, 2x106 ou 2x107 células rBHK em macrocápsulas e estas foram cultivadas por 7 ou 14 dias para observar a proliferação e sobrevivência das células na macrocápsula e determinar a concentração a ser usada in vivo. Como estudo piloto, foram implantadas três macrocápsulas em um camundongo C57/BL6 (um implante intraperitoneal, um subcutâneo e um intramuscular) para observar a reação inflamatória por análise histológica e sua influência na liberação da enzima. Não foi encontrada diferença significativa na liberação enzimática entre as macrocápsulas e as microcápsulas. A concentração celular mais adequada encontrada foi 2x10 5 células por macrocápsula, já que concentrações maiores parecem afetar a sobrevivência celular e a liberação da enzima. Na análise histológica foi observada reação inflamatória contra corpo estranho e formação de fibrose. Um defeito de fabricação da macrocápsula utilizada permitiu a passagem de células do sistema imunológico, que reagira contra as células implantadas, afetando a liberação da enzima. Os testes in vitro indicam que as macrocápsulas podem ser uma estratégia viável para o tratamento de diversas doenças, entretanto os ensaios devem ser repetidos com macrocápsulas íntegras, as quais devem ser testadas em um número maior de animais.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/54949
Arquivos Descrição Formato
000855558.pdf (734.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.