Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da dor em crianças com paralisia cerebral grave e relação entre características clínicas e demográficas

.

Avaliação da dor em crianças com paralisia cerebral grave e relação entre características clínicas e demográficas

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da dor em crianças com paralisia cerebral grave e relação entre características clínicas e demográficas
Autor Silva, Francine Avila da
Orientador Heldt, Elizeth Paz da Silva
Data 2012
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Curso de Enfermagem.
Assunto Dor
Escalas
Paralisia cerebral
Resumo A paralisia cerebral (PC) é atribuída a distúrbios do desenvolvimento cerebral fetal ou infantil. Refere-se a um grupo de condições crônicas comuns relacionadas à anormalidade do tônus postural e movimento, acompanhadas de alterações de percepção, sensação, cognição, convulsões, entre outras. O dano cerebral na patologia é permanente e não progressivo, todavia, as manifestações clínicas podem evoluir. A avaliação da dor em crianças incapazes de se comunicar é complexa, já que elas dependem exclusivamente da avaliação dos cuidadores. Os objetivos do estudo foram verificar a associação entre a presença de dor e as características demográficas e clínicas em crianças com PC grave e identificar a correlação entre uma escala específica para avaliação de dor o Inventário de Comportamentos da Dor na Deficiência Neurológica (ICDDN) com outra escala genérica, a Escala Análogo Visual (EAV). Trata-se de uma pesquisa de delineamento transversal de análise de um banco de dados já existente coletado de pacientes com PC, institucionalizados na Casa do Menino Jesus de Praga (CMJP). A presença de dor e sua intensidade foram mensuradas por cuidadores, por meio das escalas ICDDN e EAV. O total da amostra foi de 40 crianças, 22 (55%) do sexo masculino, com média de idade de 16,8 (DP=8,80) anos. A incontinência urinária e fecal foi apresentada pela totalidade da amostra, 29 (72%) crianças apresentaram dificuldade de deglutição, sendo que 12 se alimentavam por sonda nasoenteral e 10 via gastrostomia. Em relação aos procedimentos atuais, 23 crianças (57%) realizavam fisioterapia respiratória e 25 (62%) fisioterapia motora. A medicação mais utilizada foi anticonvulsivantes, em 30 (35%) das crianças. O resultado da avaliação de dor pelos cuidadores foi ICDDN mediana de 5 (3,25 a 9) e EAV de 0. Foi encontrada correlação significativa moderada entre as duas escalas (r=0,610; p<0,001). Apenas 4 (10%) crianças foram identificadas com dor por seus cuidadores (ICDDN ≥ 14). Não foi possível verificar associação entre as características demográficas e clínicas e presença de dor devido pequeno número de crianças com pontuação acima de 14. Embora um dos objetivos do estudo não tenha sido atingido devido ao tamanho amostral, os resultados evidenciaram que as características clínicas e demográficas das crianças com PC são semelhantes às descritas em estudos prévios. No entanto, a escala ICDDN, que é específica para em crianças que não se comunicam, apresentou correlação com a escala EAV, considerada genérica e pode ser útil para avaliação de comportamento de dor em PC. Novos estudos que incluam o uso da ICDDN por profissionais da saúde em pacientes com PC internados em hospitais ainda precisam ser desenvolvidos.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/55160
Arquivos Descrição Formato
000857300.pdf (696Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.