Repositório Digital

A- A A+

Avaliação funcional de fratura transtrocanteriana instável do fêmur em idosos

.

Avaliação funcional de fratura transtrocanteriana instável do fêmur em idosos

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação funcional de fratura transtrocanteriana instável do fêmur em idosos
Outro título Functional evaluation of unstable transtrochanteric fracture of the femur in elderly patients
Autor Rigol, Julio Paim
Orientador Galia, Carlos Roberto
Data 2011
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Cirúrgicas.
Assunto Fraturas do fêmur
Idoso
[en] Elderly patients
[en] Gait quality
[en] Surgical treatment
[en] Unstable transtrochanteric fracture
Resumo INTRODUÇÃO: as fraturas transtrocanterianas do fêmur são muito frequentes nos idosos, e seu tratamento é eminentemente cirúrgico. Na grande maioria dos casos há a consolidação da fratura, mas os pacientes parecem não evoluir satisfatoriamente do ponto de vista clínico. O objetivo deste estudo é avaliar a qualidade da marcha de pacientes que foram submetidos ao tratamento cirúrgico por uma técnica de fratura transtrocanteriana instável. MATERIAL E MÉTODOS: participaram deste estudo 24 pacientes operados por fratura transtrocanteriana instável do fêmur com utilização do DHS. Os pacientes foram acompanhados prospectivamente, e foi avaliada a qualidade da marcha de pós-operatório e comparada com a de antes da cirurgia, segundo o escore de Robinson. RESULTADOS: no período pré-operatório, 14 pacientes (58,3%) eram do grupo I segundo o escore de marcha de Robinson; 4 (16,7%), do grupo II; 3 (12,5%), do grupo III; 1 (4,2%), do grupo IV; e 2 (8,3%), do grupo V. Todas as fraturas evoluíram para a consolidação, e a taxa de mortalidade foi de 25%. Todos os pacientes foram encaminhados para o mesmo protocolo de reabilitação, e após um período médio de 9,69 meses, 28,6% dos pacientes apresentavam-se no grupo I do escore de Robinson; 23,8%, no grupo II; 4,8%, no grupo III; 23,8%, no grupo IV; e 19% estavam no grupo V. Esses dados mostram que, apesar da alta taxa de consolidação das fraturas, não houve melhora sequer na manutenção da qualidade da marcha dos pacientes, sendo estatisticamente significante (p= 0,003). CONCLUSÕES: as fraturas transtrocanterianas instáveis do fêmur podem ser tratadas com o DHS, apresentando uma alta taxa de consolidação. Entretanto, parecem não evoluir bem do ponto de vista funcional. Esses achados deveriam ser confirmados por outros estudos com maior número de pacientes e avaliando outro tipo de implante.
Abstract INTRODUCTION: transtrochanteric fractures of the femur are very frequent in elderly patients, and its treatment is mainly surgical. In most cases the fracture can be consolidated, but patients seem not to have a satisfactory clinical evolution. The objective of this study is to evaluate gait quality of patients who have been submitted to surgical treatment with a technique of unstable transtrochanteric fracture. MATHERIAL AND METHODS: This study evaluated 24 patients who had been operated for unstable transtrochanteric fracture of the femur with the use of DHS. The patients were prospectively followed up, and the postoperative gait quality was evaluated and compared to preoperative gait using Robinson score. RESULTS: In preoperative period, 14 (58.3%) patients belonged to Group I according to Robinson score, 4 (16.7%) belonged to Group II, 3 (12.5%) belonged to Group III, 1 (4.2%) belonged to Group IV, and 2 (8.3%) belonged to Group V. All the fracture evolved to consolidation, and the mortality rate was 25%. All the patients were referred to the same rehabilitation protocol, and after an average period of 9.69 months, 28.6% were in Group I of Robinson score, 23.8% were in Group II, 4.8% in Group III, 23.8% in Group IV, and 19% in Group V. These data show that, despite the high rate of fracture consolidation, there was no improvement even in the maintenance of the patients’ gait quality, being it statistically significant (p= 0.003). CONCLUSIONS: Unstable transtrochanteric fractures of the femur can be treated with DHS, presenting a high consolidation rate. However, they seem not to evolve functionally. These findings should be confirmed by other studies with a higher number of patients who also use another type of implant.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/55162
Arquivos Descrição Formato
000855996.pdf (1.963Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.