Repositório Digital

A- A A+

Desenvolvimento de sorvete de chocolate utilizando fibra de casca de laranja como substituto de gordura

.

Desenvolvimento de sorvete de chocolate utilizando fibra de casca de laranja como substituto de gordura

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Desenvolvimento de sorvete de chocolate utilizando fibra de casca de laranja como substituto de gordura
Autor Boff, Camila Gomes E
Orientador Flôres, Simone Hickmann
Data 2011
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências e Tecnologia de Alimentos. Curso de Engenharia de Alimentos.
Assunto Análise sensorial do alimento
Casca de laranja
Sorvete
Substitutos da gordura
Resumo A procura por alimentos mais saudáveis por parte dos consumidores tem impulsionado as indústrias de alimentos a desenvolverem alimentos que contenham menor teor de gordura, utilizando ingredientes que possam substituir de forma a não alterar as características sensoriais e nutricionais dos produtos. A indústria de sorvetes é uma das que mais utiliza gordura em suas formulações, contendo em média 10% deste ingrediente. Por isso muitas indústrias utilizam substitutos de gordura, que reduzem o teor de lipídeos nas suas formulações sem alterar significativamente as propriedades sensoriais e físico-químicas dos sorvetes. Uma alternativa para a substituição de gorduras é a fibra de frutas cítricas, quem vem sendo utilizada com sucesso, reduzindo o teor de gordura na indústria de embutidos, por exemplo. Nesse sentido, o objetivo do presente trabalho foi avaliar as características sensoriais e físico-químicas de sorvetes elaborados com fibra de casca de laranja amarga comercial como substituto da gordura. Foram utilizadas duas formulações com concentrações diferentes de fibra de laranja (F1 com 0,74% e F2 com 1,10% de fibra) e uma formulação controle (com gordura). Para ambas as amostras foram realizadas análises de composição centesimal, valor energético total, overrun e análise sensorial. Para as duas formulações foram encontrados valores condizentes com a literatura para proteínas (F1 4,61% e F2 4,75%), carboidratos (F1 22,19% e F2 22,58), cinzas (F1 1,22% e F2 1,26), umidade (F1 70,0% e F2 69,9%) e lipídeos (F1 1,64 e F2 1,60). Em relação ao valor energético dos sorvetes foi observado redução de mais de 25% indicando que o produto pode ter alegação de “light”. Em relação ao teor de fibra dos sorvetes, foram observados os valores de F1 1,37% e F2 2%, podendo, segundo a ANVISA, considerar o sorvete da formulação F2 como fonte de fibras, pois contem mais de 1,5% de fibra em sua composição. Quanto à análise sensorial foram avaliados aceitação dos atributos cor, odor, sabor, sabor residual, textura e aceitação global. Os atributos de cor, odor e textura não apresentaram diferenças entre as amostras. Já sabor, sabor residual e aceitação global obtiveram diferenças entre as amostras com fibra e a controle. Os sorvetes elaborados com fibra de casca de laranja obtiveram indíces de aceitação superiores a 70%, mínimo exigido para a indicação do produto para teste de mercado.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/56089
Arquivos Descrição Formato
000857784.pdf (545.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.