Repositório Digital

A- A A+

Limitação de suporte de vida em três unidades de terapia intensiva pediátrica do sul do Brasil

.

Limitação de suporte de vida em três unidades de terapia intensiva pediátrica do sul do Brasil

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Limitação de suporte de vida em três unidades de terapia intensiva pediátrica do sul do Brasil
Outro título Life support limitation at three pediatric intensive care units in southern Brazil
Autor Lago, Patricia Miranda do
Piva, Jefferson Pedro
Kipper, Délio José
Garcia, Pedro Celiny Ramos
Bueno, Fernanda
Traiber, Cristiane
Pretto, Cristiane
Giongo, Mateus
Branco, Ricardo
Araújo, Taisa Elena de
Wortmann, Daniela
Librelato, Graziela
Soardi, Deise
Resumo Objetivo: Avaliar os modos de morte e fatores associados à limitação de suporte de vida em três unidades de terapia intensiva pediátrica do sul do Brasil. Método: Estudo transversal e retrospectivo em que foram revisados todos os óbitos ocorridos em 2002 em três unidades de terapia intensiva pediátrica de referência de Porto Alegre por uma equipe de pesquisadores treinados para esse fim. Foram avaliadas as características gerais, o modo de morte (ressuscitação cardiopulmonar, morte encefálica, ordem de não reanimar, não oferta e retirada de suporte vital . esses três últimos agrupados em limitação de suporte de vida), o tempo de internação . hospitalar e na unidade de terapia intensiva pediátrica ., o plano de final de vida e a participação da família nessa decisão. Para as comparações, foram utilizados o teste t de Student, Mann Whitney, qui-quadrado, odds ratio e análise multivariada. Resultados: Aproximadamente 53,3% dos óbitos receberam ressuscita ção cardiopulmonar. A incidência de limitação de suporte de vida foi de 36,1%, havendo diferença significativa (p = 0,014) entre os hospitais (25 versus 54,3 e 45,5%). A forma de limitação de suporte de vida mais freqüente foi .ordem de não reanimar. (70%). Observou-se associação entre limitação de suporte de vida com presença de doença crônica (odds ratio = 8,2; IC95% = 3,2-21,3) e tempo de internação na unidade de terapia intensiva pediátrica > 24h (odds ratio = 4,4; IC95% = 1,6-11,8). A participação da família e dos comitês de ética no plano de final de vida foi inferior a 10%. Conclusões: A ressuscitação cardiopulmonar ainda é oferecida em uma freqüência maior do que a descrita nos países do hemisfério norte, enquanto que a limitação de suporte vital é realizada preferentemente através da ordem de não reanimar. Esses achados e a pequena participação da família refletem dificuldades em relação às decisões de final de vida enfrentadas por intensivistas do sul do Brasil.
Abstract Objectives: To describe causes of death and factors involved in the decision-making process related to life support limitation at three university-affiliated pediatric intensive care units in the south of Brazil. Methods: A retrospective study was conducted, based on a review of the medical records of all deaths occurring during 2002 at three pediatric intensive care units in Porto Alegre. Three previously trained pediatric fellows from each service performed the study. Data were assessed relating to general case characteristics, causes of death (failed cardiopulmonary resuscitation, brain death, do-not-resuscitate orders, withholding or withdrawing life-sustaining treatment - the last three modes were classified as the life support limitation group), length of stay in hospital, end-of-life plans and the participation of patients. families and Ethics Committees. The Student t test, Mann Whitney, chisquare, odds ratio and multivariate analyses were used for comparisons. Results: Close to 53.3% of fatal cases had received full cardiopulmonary resuscitation. The incidence of life support limitation was 36%, with statistical differences (p = 0.014) between the three hospitals (25 versus 54.3 and 45.5%, respectively). The most frequent form of life support limitation was a do-not-resuscitate order (70%). Life support limitation was associated with the presence of chronic disease (odds ratio = 8.2; 95%CI 3.2-21.3) and length stay in the pediatric intensive care unit (odds ratio = 4.4; 95%CI 1.6-11.8). The rate of involvement of families and Ethics Committees in the decisionmaking process was lesser than 10%. Conclusions: Cardiopulmonary resuscitation is offered more frequently than is observed in northern countries. In contrast, life support limitation is offered through do-not-resuscitate orders. These findings and the low participation of the families in the decision-making process reflect the difficulties to be overcome by those professionals who are responsible for handling critically ill children in southern Brazil.
Contido em Jornal de pediatria. Rio de Janeiro. Vol. 81, n. 2 (mar./abr. 2005), p. 111-117
Assunto Assistência terminal
Atitude do pessoal de saúde
Bioética
Brasil, Região Sul
Criança
Cuidados para prolongar a vida
Determinações prévias (ética médica)
Estudos retrospectivos
Estudos transversais
Ética médica
Morte
Ressuscitação cardiopulmonar
Suporte vital cardíaco avançado
Tomada de decisões
Unidades de terapia intensiva pediátrica
[en] Death
[en] Do-not-resuscitate orders
[en] Ethics
[en] Forgoing life support
[en] Pediatric intensive care
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/56259
Arquivos Descrição Formato
000528253.pdf (155.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir
000528253-02.pdf (150.7Kb) Texto completo (inglês) Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.