Repositório Digital

A- A A+

Como meninas e meninos interagem nos momentos de brincadeiras livres no pátio em uma escola infantil de Porto Alegre?

.

Como meninas e meninos interagem nos momentos de brincadeiras livres no pátio em uma escola infantil de Porto Alegre?

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Como meninas e meninos interagem nos momentos de brincadeiras livres no pátio em uma escola infantil de Porto Alegre?
Autor Santos, Erica Guedes dos
Orientador Meyer, Dagmar Elisabeth Estermann
Data 2011
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Especialização em educação, Sexualidade e Relações de gênero.
Assunto Brincadeira
Educação infantil
Gênero
Infância
Recreio
[es] El sexo
[es] Infancia
[es] Jugar en el patio de recreo
[es] La educación de los niños
Resumo Este trabalho tem o objetivo de observar como a construção social da masculinidade e da feminilidade é significada e vivenciada nas relações que as crianças estabelecem durante os momentos livres de brincadeiras no pátio em uma instituição escolar de Porto Alegre. Para isso, foi utilizada como metodologia uma pesquisa qualitativa, com inspiração etnográfica, apoiada nos estudos culturais e de gênero, aliados à perspectiva pós-estruturalista. O material empírico constituiu-se de observações das brincadeiras livres no pátio da escola, feitas durante 11 dias intercalados, nos meses de abril, maio e junho de 2011. Com este estudo, foi possível visualizar que, através das brincadeiras, as crianças transitam e atravessam as fronteiras de gênero, utilizando estratégias, como a fantasia e o jogo simbólico, e criando mecanismos para burlar as estruturas que, de formas sutis, ensinam desde cedo os modos de ser menina e de ser menino, presentes nas instituições sociais e naturalizados pela cultura. Sendo assim, os que trabalham na instituição escola, que é um ambiente privilegiado na construção do gênero, devem estar atentos e vigilantes, no dia a dia de suas práticas, para poder questionar, intervir e propor uma nova possibilidade de constituição do sujeito, transformando significados culturais estabelecidos.
Resumen Este trabajo tiene la finalidad de observar cómo la construcción social de la masculinidad y de la feminidad se expresa y con experiencia en las relaciones que los niños establecen en los momentos libres jugando en el patio en una institución escolar de Porto Alegre. Para esto se utilizó una metodología de investigación cualitativa, inspirada en los estudios etnográficos con el apoyo de la diversidad cultural y de género aliados a la perspectiva post-estructuralista, y las observaciones empíricas de juego libre en el patio de la escuela, realizado durante 11 días intercalados en los meses de abril, mayo y junio de 2011. Con este estudio pude observar que a través de los juegos los niños pasan y atraviesan los límites del género, con el uso de estrategias como el juego simbólico y la fantasía y la creación de mecanismos para engañar las estructuras que, de forma sutil, enseñan desde muy temprana edad los modos de ser niña o niño, presentes en las instituciones sociales y naturalizados por la cultura. Por lo tanto, los que trabajan en la institución escolar, que es un entorno privilegiado en la construcción del género, deben estar atentos y vigilantes en su práctica cotidiana para poder cuestionar, intervenir y proponer una nueva posibilidad de constitución del sujeto, transformando significados culturales establecidos.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/61760
Arquivos Descrição Formato
000866113.pdf (955.9Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.