Repositório Digital

A- A A+

De lagarta a borboleta : construindo corpos genereficados e gastroplastizados no ciberespaço

.

De lagarta a borboleta : construindo corpos genereficados e gastroplastizados no ciberespaço

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título De lagarta a borboleta : construindo corpos genereficados e gastroplastizados no ciberespaço
Autor Macedo, Gabriela Schneider
Orientador Santos, Luís Henrique Sacchi dos
Data 2011
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Curso de Especialização em educação, Sexualidade e Relações de gênero.
Assunto Ciberespaço
Corpo
Gênero
Resumo “Não podendo mudar o mundo, tentamos mudar o corpo [...].”. Essa frase de Ortega (2003, p. 73) me provoca a refletir e questionar: que realidade é esta que coloca o corpo como centro de tudo? Que aloca o corpo como alvo de todos os esforços, olhares, julgamentos etc.? Instigada sobre o lugar do corpo, da comida, da saúde/doença na sociedade contemporânea, direcionei os meus olhares para aqueles/as que vão a dois extremos corpóreos, ou seja, os ditos obesos mórbidos que recorrem à cirurgia de redução de estômago. Esta pesquisa se insere no campo dos estudos culturais e dos estudos feministas, numa perspectiva pós-estruturalista. Tem como objetivo analisar de que forma, através da internet, mais especificamente em uma comunidade hospedada no site de relacionamentos chamado Orkut, mulheres que se submeteram ou irão se submeter a uma cirurgia de redução de estômago se relacionam, criando e desenvolvendo pedagogias que subsidiam uma nova construção de seus corpos e de suas identidades. Investiga, ainda, como essas pedagogias e aprendizagens se desenrolam através de uma biossociabilidade e de uma sociabilidade „virtual‟. Através de tais sociabilidades, as referidas mulheres aprendem/ensinam como se tornar uma mulher gastroplastizada, demonstrando que a construção dessas bioidentidades está atrelada a uma questão de gênero. A construção do corpo gastroplastizado e do corpo feminino não são paralelos; eles se somam, se atravessam, um está ligado e imbricado no outro.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/61763
Arquivos Descrição Formato
000866138.pdf (675.7Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.