Repositório Digital

A- A A+

A negociação coletiva possível: limites juríco-constitucionais à efetidade dos acordos coletivos no setor público

.

A negociação coletiva possível: limites juríco-constitucionais à efetidade dos acordos coletivos no setor público

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título A negociação coletiva possível: limites juríco-constitucionais à efetidade dos acordos coletivos no setor público
Autor Fernandes, Soraya Lima Mousinho
Orientador Santos, André Marenco dos
Data 2010
Nível Especialização
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração. Curso de Especialização em Negociação Coletiva a Distância.
Assunto Administração pública
Negociação coletiva
Servidor público
Resumo O presente trabalho tem por intuito investigar se com a instituição da negociação coletiva no setor público, desencadeada com a ratificação pelo Brasil da Convenção nº 151, da Organização Internacional do Trabalho – OIT, e a edição posterior dos textos legais que a regulamentem, tornarão os acordos produzidos em negociação coletiva entre a Administração Pública e os servidores públicos estatutários normas autônomas e de eficácia plena ou permanecerão com caráter consultivo e prélegislativo. A discussão passa pela adaptação da negociação coletiva ao setor público, já que o instituto tem origem no direito do trabalho, regulador das relações privadas, que são mais cambiáveis, sujeitas a permanentes ajustes, ao contrário da Administração Pública, que visa o atendimento do interesse público, motivo porque se submete a regras mais rígidas para evitar o desvio de sua finalidade. A Constituição de 1988, a despeito de ter instaurado o Estado Democrático de Direito, instituindo mecanismos de participação dos grupos sociais nas decisões que afetam seus interesses, preservou dispositivos de cunho unilateralista que asseguram ao Estado o poder de ditar normas em sua relação com os servidores públicos. Por isso mesmo, os limites jurídico-constitucionais incrustados no ordenamento legal brasileiro dispõem que as matérias de relevância para a relação jurídica entre Estado e servidores ou são referidas ou limitadas por lei, sendo reservadas para a adoção unilateral por parte da administração, tanto aquelas que precisam passar pelo crivo social representado pelo Poder Legislativo, quanto as que são regulamentadas por outros textos normativos. Assim dizer, as negociações coletivas que tiverem por conteúdo o aumento de remuneração dos servidores, alteração do regime jurídico, funcionamento da administração pública, por exemplo, não criarão normas autônomas de exigência imediata para as partes negociantes. Desta forma, para que a vontade soberana dos interlocutores sociais que participarem do processo negocial seja respeitada, é necessário que a autoridade administrativa exerça o seu poder político e jurídico de forma democrática, observando o espírito geral da Constituição, mantendo a boa fé e os acordos empenhados.
Tipo Trabalho de conclusão de especialização
URI http://hdl.handle.net/10183/61800
Arquivos Descrição Formato
000867023.pdf (520.0Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.