Repositório Digital

A- A A+

Avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica

.

Avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica
Outro título Evaluation of intensivists' knowledge on brain death
Autor Schein, Alaor Ernst
Carvalho, Paulo Roberto Antonacci
Rocha, Tais Sica da
Guedes, Renato Rostirola
Moschetti, Laura
La Salvia, João Caron
La Salvia, Pedro Caron
Resumo JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A falha ou atraso no diagnóstico de morte encefálica resulta na ocupação desnecessária de um leito hospitalar, em perdas emocionais e financeiras e na indisponibilidade de órgãos para transplante. O médico intensivista tem fundamental papel nesse diagnóstico. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento sobre morte encefálica entre os intensivistas. MÉTODO: Estudo transversal em 15 unidades de terapia intensiva (UTI) em oito hospitais da cidade de Porto Alegre, Brasil. RESULTADOS: Duzentos e quarenta e seis intensivistas foram entrevistados em uma amostra consecutiva entre abril e dezembro de 2005. Encontrou-se prevalência de desconhecimento do conceito de morte encefálica de 17%. Vinte por cento dos entrevistados desconheciam a necessidade legal de exame complementar para o seu diagnóstico. Quarenta e sete por cento se consideraram no nível máximo de segurança para explicar o conceito para a família de um paciente. Vinte e nove por cento desconheciam a hora do óbito legal para os pacientes em morte encefálica. Os intensivistas pediátricos tiveram menor conhecimento do conceito em relação aos intensivistas de adultos (p < 0,001). CONCLUSÕES: O atual conhecimento sobre morte encefálica é insufi ciente entre os profi ssionais que mais freqüentemente se deparam com pacientes nessa situação. Há necessidade de educação sobre o tema a fi m de evitar gastos desnecessários, diminuir o sofrimento familiar e aumentar a oferta de órgãos para transplantes.
Abstract BACKGROUND AND OBJECTIVES: Failure or delay to diagnose brain death leads to needless occupation of a hospital bed, emotional and fi nancial losses, and unavailability of organs for transplants. The intensive care physician plays an essential role in this diagnosis. This study intended to evaluate intensivists’ knowledge concerning brain death. METHODS: Cross-sectional study in 15 intensive care units (ICU) in eight hospitals in the city of Porto Alegre, Brazil. RESULTS: Two hundred forty-six intensivists were interviewed in a consecutive sample between April and December 2005. The prevalence of lack of knowledge regarding the concept was of 17%. Twenty per cent of the interviewees ignored the legal need for complementary confi rmatory tests for their diagnosis. Forty-seven per cent considered themselves as having the highest level of assurance to explain the concept to a patient’s family members. Twentynine per cent erroneously determined the legal time of death for brain dead patients. Pediatric intensivists had less knowledge about the concept, when compared to intensivists for adults (p < 0.001). CONCLUSIONS: Current knowledge of brain death is insuffi cient in Brazil, among the health care professionals who most often fi nd patients in this situation. Education on the subject is needed to avoid unnecessary expenses, reduce family suffering and increase the offer of organs for transplant.
Contido em Revista brasileira de terapia intensiva. Vol. 20, n. 2 (abr./jun. 2008), p. 144-148
Assunto Morte encefálica
Pessoal de saúde : Educação
Transplantes
[en] Attitude
[en] Death
[en] ICU
[en] Transplantation
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/62570
Arquivos Descrição Formato
000818416.pdf (54.17Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir
000818416-02.pdf (53.08Kb) Texto completo (inglês) Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.