Repositório Digital

A- A A+

Adolescência e infecção pelo HIV : situações de risco e proteção, autoconceito e sintomatologia psiquiátrica

.

Adolescência e infecção pelo HIV : situações de risco e proteção, autoconceito e sintomatologia psiquiátrica

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Adolescência e infecção pelo HIV : situações de risco e proteção, autoconceito e sintomatologia psiquiátrica
Autor Bassols, Ana Margareth Siqueira
Orientador Pechansky, Flavio
Data 2003
Nível Mestrado profissional
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas : Psiquiatria.
Assunto Comportamento sexual : Psicologia
HIV
Psicologia do adolescente
Transtornos relacionados ao uso de substâncias
[en] Adolescence
[en] Drug abuse
[en] HIV
[en] Psychiatric symptomatology
[en] Self-concept
[en] Sexual behavior
Resumo Esta dissertação tem como objetivo identificar, através de um estudo transversal, associações entre as características demográficas, comportamentos de risco sexual e por drogas, sintomatologia psiquiátrica e autoconceito em uma amostra de adolescentes, comparando-os pela soropositividade HIV. Foram entrevistados 388 adolescentes entre 13 e 20 anos que procuraram espontaneamente o Centro de Triagem e Avaliação (CTA) Paulo César Bonfim para realizar o teste anti-HIV. Foram utilizados os questionários CRA (Comportamentos de Risco para AIDS), SCL-90-R (The Symptom Check-List-90-R) e EFA (Escala Fatorial de Autoconceito). A média da idade foi de 17,7 anos (±2,0). A maioria da amostra era do sexo feminino, solteiro ou sem companheiro/a fixo/a, sem trabalho, com baixas escolaridade e renda familiar. Em relação ao teste sorológico, 73% estavam realizandoo pela primeira vez, e a soropositividade geral da amostra foi de 6,2%. A escolaridade foi significativamente mais baixa em soropositivos (OR= 7,8) e não houve diferença estatística entre os grupos nas demais variáveis demográficas. Houve associação direta entre soropositividade e precocidade de início da vida sexual (OR= 3,6), história de gravidez (OR=4,7), prática de aborto prévio (OR= 5,9) e relação sexual com parceiro sem preservativo (OR=3,2). Do total da amostra, 8% dos adolescentes recebeu dinheiro em troca de relação sexual, e isto foi associado à soropositividade (OR=4,5). O mesmo ocorreu nos 13,2% que tiveram relação sexual com paceiro/a possivelmente soropositivo (OR=8,3). Apenas 18,9% da amostra afirmaram usar preservativos nos 6 meses prévios à coleta e 81,4% da amostra não haviam usado preservativo nas relações sexuais ao longo da vida. A prevalência geral de uso de drogas no mês anterior à coleta foi alta, com relato freqüente de uso de múltiplas drogas, sendo as mais freqüentes o álcool (71,6 %), maconha (24,7%), cocaína intranasal (12,4%) e solventes (9,3 %). A soropositividade foi mais alta nos usuários recentes de maconha (OR= 2,8), estimulantes (OR=2,9) e solventes (OR= 7,5). A freqüência a local específico para uso de drogas ocorreu em 22,5% do total da amostra e foi estatisticamente maior nos soropositivos (OR=2,6). Os adolescentes soropositivos apresentaram siginficativamente mais sintomatologia psiquiátrica em todas as dimensões avaliadas. Não houve diferença nas dimensões de autoconceito. O Tamanho de Efeito Padronizado foi maior nas variáveis da sintomatologia psiquiátrica do que nas do autoconceito. Os resultados indicam que os adolescentes estudados ainda não possuem cuidados preventivos suficientes para diminuir o contágio pelo vírus da AIDS. São indivíduos sob risco constante por apresentarem maior freqüência de exposição ao HIV associada à baixa escolaridade, comportamento sexual, uso de drogas e sintomatologia psiquiátrica. A falta de diferenças no autoconceito dos adolescentes soropositivos e soronegativos pode estar associada ao senso de invulnerabilidade próprio da faixa etária. Os achados apontam para a necessidade de programas específicos de prevenção para adolescentes. Medidas de intervenção futuras deverão levar em conta a interação de fatores individuais, ambientais, comportamentais e psicológicos, com o objetivo de implementar mudanças efetivas no comportamento de risco para que se detenha o avanço da epidemia nessa faixa etária.
Abstract This dissertation aims at identifying, by means of a cross-sectional study, the association between demographic characteristics, sexual and drug risk behaviors, psychiatric symptomatology and self concept versus HIV seropositivity in a sample of adolescents. 388 adolescents between 13 and 20 years old were interviewed at the Centro de Triagem e Avaliação (CTA) Paulo César Bonfim, which they had sought to have free HIV testing. The Risk Behavior Assessment (RAB), the Symptom Check-List-90-R (SCL-90-R) and the Factorial Scale for Self-concept (EFA) were used to collect data. Their mean age was of 17.7 (±2.0), and the majority of the sample was comprised of single, female subjects, with no work and with low schooling and income. With regard to the HIV test, 73% were taking it for the first time, and the overall seropositivity of the sample was 6.2%. Schooling was significantly lower in the seropositives (OR= 7.8) and there was no statistical difference between groups in the other demographic variables. A direct association was found between seropositivity and early beginning of sex life (OR= 3.6), history of pregnancy (OR=4,7), previous abortions (OR= 5.9) and sex without a condom (OR=3.2). Out of the total sample, 8% of the adolescents received money in exchange of sex, which as associated to seropositivity (OR=4.5). The same happened with the 13.2% who had had sex with a potentially seropositive partner (OR=8.3). Only 18.9% of the sample reported using condoms in the six months prior to interview and 81.4% had not used condoms in their lifetime. The overall prevalence of drug use in the month prior to interview was high, with frequent reports o multiple drug use, among them alcohol (71.6 %), marijuana (24.7%), snorted cocaine (12.4%) and solvents (9.3 %). Seropositivity was higher among recent users of marijuana (OR= 2.8), stimulants (OR=2.9) and solvents (OR= 7.5). Being at a drug-using place occurred in 22.5% of the sample and was statistically higher among the seropositives (OR=2.6). Seropositive adolescents presented significantly more psychiatric symptomatology in all dimensions ascertained. There were no differences in the dimensions of self-concept. The standard effect size was higher in psychiatric symptom variables, when compared to self-concept. The data suggest that these adolescents still do not have enough preventive care to lower their potential contact with the AIDS virus. They are individuals under constant risk, and are exposed to risk due to their low schooling, sexual behavior, drug use and psychiatric symptomatology. The lack of differences in the self-concept variables may be associated to a sense of being invulnerable that is typical of this age group. The findings point toward the need for specific preventive programs for adolescents. Future intervention approaches will have to take into account the interaction between individual, environmental, behavioral and psychological factors, aiming at implementing effective change in these risk behaviors so that the development of the epidemic in this age group could be stopped.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/6432
Arquivos Descrição Formato
000441697.pdf (2.298Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.