Repositório Digital

A- A A+

Itinerários geológicos de Porto Alegre: práticas de geoconservação em sítios urbanos.

.

Itinerários geológicos de Porto Alegre: práticas de geoconservação em sítios urbanos.

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Itinerários geológicos de Porto Alegre: práticas de geoconservação em sítios urbanos.
Autor Fontana, Rodrigo Cybis
Orientador Menegat, Rualdo
Data 2012
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Geociências. Curso de Geologia.
Assunto Geodiversidade
Patrimônio geológico
Sítios geológicos
[en] Geodiversity
[en] Geoeducation
[en] Geologicalpatrimony
[en] Geological site
[en] Matrix valuation
Resumo O crescente movimento de geoconservação tem, por um lado, o objetivo de salientar patrimônios geológicos pontuais, em geral em locais distantes das cidades, porém mostra-se, por outro, como metodologia de enculturação para os assuntos da Terra. O tema central deste trabalho aborda a possibilidade da conservação geológica em ambientes urbanos como método de enculturação. Salienta-se o papel da Geologia Urbana para a gestão ambiental das cidades, a qual está emoldurada pelo gigantismo urbano atual e suas relações com as esferas planetária e local. Dado o gigantismo urbano contemporâneo, coloca-se a necessidade de restabelecer-se elos cognitivos entre a dinâmica do planeta, da paisagem e dos cidadãos. Como as cidades capturam a atenção humana em demasia, cortando os elos com o ambiente natural, a possibilidade de se introduzir elementos das ciências da Terra no âmbito da cultura pode contribuir com a noção de que a civilização urbana contemporânea é parte do sistema Terra. Os itinerários geológicos de Porto Alegre como propostos neste trabalho seriam um instrumento cultural nesse sentido. O presente estudo tem como premissas as noções de que: a) a geologia é base para o entendimento da paisagem e da geodiversidade; b) existem marcos institucionais e legais de geoconservação, como o programa Geoparques, sob tutela da UNESCO, e os projetos Geoparques do Brasil (CPRM) e Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP); e c) a região de Porto Alegre (RS) é encontro das paisagens da porção meridional da América do Sul e possui geodiversidade, história natural e conhecimento científico documentados e reconhecidos, como o Atlas Ambiental de Porto Alegre. Nesse contexto, têm-se a possibilidade de definir sítios representativos das unidades geológicas da região encadeados em termos de itinerários que permitem o reconhecimento da geologia como base da paisagem local e a partir desta do próprio desenvolvimento humano. Esperando exercer papel positivo de transformação da paisagem latu sensu da área, os itinerários estão fundamentados em um banco de dados com imagem de satélite e mapas temáticos de geologia, geomorfologia, áreas verdes, ordenamento urbano, etc. Esses dados foram sintetizados em termos de uma matriz de valoração, a qual apresenta indicadores geopaisagísticos usados para valorar e definir as unidades geológicas-chave do contexto da geopaisagem de Porto Alegre. Etapas de campo permitiram selecionar os sítios geológicos que representam essas unidades, os quais foram dispostos em um mapa de sítios e acessos. Sítios com alta relevância foram documentados por meio de pranchas visual-interpretativas contendo descrições geológicas e geomorfológicas, bem como fotografias panorâmicas e de detalhe. Os sítios geológicos selecionados foram espacialmente localizados em mapas e constituem uma sequência lógica de visitação. Tal sequenciamento representa a geocronologia da história geológica da região, sendo apresentada em termos de mapas de itinerários. Os itinerários geológicos de Porto Alegre podem ser utilizado para fins educacionais em vários níveis, desde o do Ensino Fundamental até o universitário e também para geoturismo e atividades correlatas. Com isso, tem-se um instrumento cultural capaz de motivar a cidadania com vistas a entender a estruturação da geopaisagem e o lugar da cidade nas esferas planetárias.
Abstract The growing movement of geoconservation has, at one hand, the objective of highlighting specific geological patrimony in general in places distant from cities, but it shows, in the other hand a method of enculturation to the affairs of the earth. The central theme of this paper discusses the possibility of geological conservation in urban environments as a method of enculturation. It emphasizes the role of Urban Geology for the environmental management of cities, which is framed by the current urban gigantism and its relationships with the global and local spheres. Given the contemporary urban gigantism, there is the need to reestablish cognitive links between the dynamics of the planet, the scenery and the citizens. As cities capture excessively human attention, cutting their links with the natural environment, the possibility of introducing elements of earth sciences in the field of culture can contribute to the notion that contemporary urban civilization is part of the Earth system. The geological itineraries of Porto Alegre as proposed in this paper would be a cultural instrument accordingly. This study is premised on the notions that: a) geology is a basis for understanding the landscape and geodiversity b) there are legal and institutional frameworks of geoconservation like the Geoparks program, under the supervision of UNESCO, and the projects Geoparksof Brazil (CPRM) and Geological and palaeobiological sites (SIGEP), and c) the region of Porto Alegre (RS) is the meeting point of the landscapes of the southern portion of South America and has also geodiversity features, natural history and scientific knowledge, documented and recognized in the Environmental Atlas of Porto Alegre. In this context, there is the possibility of defining representative sites of geological units in the region in terms of chained routes that allow the recognition of geology as a basis of the local landscape and, from this aspect on, the recognition of its human development. In the expectation of exerting a positive role of landscape transformation in the broadest sense of the area, the itineraries are grounded in a database of satellite images and thematic maps of geology, geomorphology, green areas, urban planning, etc.. These data were summarized in terms of a matrix of valuation, which presents geolandscape indicators used to assess and define the geological key units of the geolandscape context of Porto Alegre. Field steps allowed selecting the geological sites representing these units, which were arranged in a map of sites and accesses. Sites with high relevance were documented by visual-interpretative boards containing geological and geomorphological descriptions, as well as panoramic and detailed photos. The geological sites selected were spatially localized in maps and form a logical sequence of visitation. Such sequencing represents the geochronology of the geological history of the region, and is presented in terms of geological itinerary maps. The geological itineraries of Porto Alegre can be used for educational purposes at various levels, from elementary school up to the university as well as for geotourism and related activities. Thus, it has become an instrument capable of motivating cultural citizenship in order to understand the structure of the geolandscape and the place of the city in the planetary spheres.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/66304
Arquivos Descrição Formato
000871093.pdf (6.521Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.