Repositório Digital

A- A A+

Avaliação da qualidade embrionária (escore embrionário) em mulheres com endometriose

.

Avaliação da qualidade embrionária (escore embrionário) em mulheres com endometriose

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Avaliação da qualidade embrionária (escore embrionário) em mulheres com endometriose
Autor Caran, Juliana Zanrosso
Orientador Cunha Filho, João Sabino Lahorgue da
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Medicina: Ciências Médicas.
Assunto Endometriose
Estruturas embrionárias
Fertilização in vitro
[en] Embryo quality
[en] Embryo score
[en] Endometriosis
[en] In vitro fertilization
Resumo Introdução. A fertilização in vitro (FIV) é uma opção de tratamento para pacientes inférteis com endometriose (EDT), e a escolha dos embriões a serem transferidos é um passo fundamental para o sucesso do processo. A endometriose é capaz de interferir em todas as etapas do processo de FIV, a qual pode estar associada à foliculogênese anormal, a defeitos de implantação e à qualidade oocitária inferior, bem como a alterações na receptividade endometrial. Em estágios mais severos da doença, pode-se observar um importante substrato anatômico associado. O Escore de Graduação Embrionário (GES) é uma classificação baseada numa combinação da morfologia pronuclear, clivagem precoce e morfologia no terceiro dia após a fertilização que permite avaliar quais embriões terão maiores chances de implantação/gestação. Ainda não há, na literatura, relatos de comparação do GES com pacientes portadoras de endometriose. Objetivo. Determinar o escore de graduação embrionário médio entre as pacientes inférteis com endometriose submetidas à fertilização in vitro e comparar com pacientes inférteis sem endometriose. Métodos. Foram comparados, através de uma coorte prospectiva, 706 embriões (162 pacientes), sendo 472 embriões pertencentes às pacientes do grupo controle sem endometriose (n=109; infertilidade tubária ou por fator masculino) e 234 embriões de pacientes com endometriose (n=53). Todas as pacientes foram submetidas à fertilização in vitro, utilizando o protocolo de indução da ovulação com antagonista do GnRH. Todos os embriões foram transferidos no dia 3 após fertilização. O escore de graduação embrionário (GES) foi realizado através de avaliação de todos os embriões por 3 vezes, nos tempos: 16 – 18 horas, 25 – 27 horas e 64 – 67 horas, sempre pelo mesmo embriologista. Para pontuação do GES, avaliaram-se: citoplasma, morfologia pronuclear, fragmentação, alinhamento nucleolar, posição do corpo polar, número de blastômeros/morfologia e simetria. Consideramos escore médio a soma dos escores embrionários dividida pelo número de embriões obtidos; e o escore embrionário médio transferido como a soma dos GES dividido pelo número de embriões transferidos. Foi considerado estatisticamente significativo quando P < 0,05 utilizando-se os testes t Student e qui-quadrado. Resultados. Os grupos foram comparados quanto à idade, índice de massa corporal, perfil obstétrico (infertilidade primária, secundária, paridade, abortamentos) e perfil hormonal, não sendo encontrada diferença estatisticamente significativa. Apesar de o número de embriões transferidos ser maior em pacientes com endometriose quando comparadas ao grupo controle (2,38 ± 0,66 versus 2,15 ± 0,54, respectivamente; P=0,001), não se observou diferença no escore de graduação embrionário médio entre os grupos de estudo e controle (71 ± 19,8 versus 71,9 ± 23,5, respectivamente; P=0,881). Quanto às taxas de fertilização, houve semelhança entre os grupos, correspondendo a 61% nas pacientes com endometriose e 59% naquelas do grupo controle (P=0,511). Também não houve diferença estatisticamente significativa quando os grupos foram comparados quanto às taxas de implantação (21% versus 22%, respectivamente; P=0,989) e gestação (26,4% versus 28,4%, respectivamente; P=0,989). Para estes parâmetros de avaliação, os diferentes graus de severidade da endometriose não interferiram significativamente nos resultados. Conclusão. A presença de endometriose não impactou significativamente na qualidade embrionária. Da mesma forma, não foram observadas diferenças nos desfechos reprodutivos avaliados entre pacientes inférteis com e sem endometriose.
Abstract Objective. To determine embryo quality (Mean Graduated Embryo Score, MGES) in infertile patients with endometriosis submitted to in vitro fertilization (IVF-ET). Design. Prospective cohort. Setting. Private Human Reproduction Center. Patients. We compared 706 embryos (162 patients) divided in two groups: 472 embryos derived from patients without endometriosis (n=109, infertile patients with tubal or male infertility) and 234 embryos from patients in study group (n=53, infertile patients with endometriosis). Interventions. All patients were submitted to IVF using an estradiol-antagonist-recombinant FSH protocol for ovarian stimulation. MGES was performed evaluating all embryos three times: 16 – 18 hours, 25 – 27 hours and 64 – 67 hours, by the same embryologist. Embryo evaluation was performed according to the following parameters: fragmentation, nucleolar alignment, polar body apposition, blastomere number/morphology and symmetry. Main Outcome Measures. MGES scores, fertilization, implantation and pregnancy rates. Results. Groups were compared for age, body mass index (BMI), past ob/gyn characteristics (primary or secondary infertility, parity, abortions) and hormonal profile. Although the number of embryos transferred was greater in patients with endometriosis than in the control group (2.38 ± 0.66 versus 2.15 ± 0.54, respectively; P = 0.001), the MGES was similar in both groups (71 ± 19.8 versus 71.9 ± 23.5, respectively; P = 0.881). Likewise, fertilization rate was similar in groups, 61% in patients with endometriosis and 59% in control group (P=0,511). Moreover, no significant differences were found in implantation rates (21% versus 22%, respectively [P=0,989]) and in pregnancy rates (26,4% versus 28,4%, respectively [P=0,989]). The severity of endometriosis did not influence the results. Conclusions. Embryo quality measured by MGES was not influenced by endometriosis. Likewise, the reproductive outcomes evaluated were similar between infertile patients with and without endometriosis.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/66663
Arquivos Descrição Formato
000871458.pdf (584.5Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.