Repositório Digital

A- A A+

Jornalismo e imaginário : reflexões acerca da cobertura do Novo Código Florestal pelo jornal Zero Hora

.

Jornalismo e imaginário : reflexões acerca da cobertura do Novo Código Florestal pelo jornal Zero Hora

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Jornalismo e imaginário : reflexões acerca da cobertura do Novo Código Florestal pelo jornal Zero Hora
Autor Farias, Ana Carolina Silva de
Orientador Barros, Ana Taís Martins Portanova
Co-orientador Santos, Francisco dos
Data 2012
Nível Graduação
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação. Curso de Comunicação Social: Habilitação em Jornalismo.
Assunto Código florestal
Imaginário
Jornalismo
Zero Hora (Jornal)
[en] Forest code
[en] Imaginary
[en] Journalism
Resumo Este trabalho busca compreender a cobertura do jornal Zero Hora sobre o Novo Código Florestal, no período entre os dias 25 de abril de 2012 e 29 de maio de 2012. A perspectiva assumida como referencial teórico e metodológico segue os Estudos do Imaginário, de Gilbert Durand, a partir da noção de que a humanidade partilha um mesmo arcabouço simbólico, perceptível em toda e qualquer produção humana. Dessa maneira, entendendo a narrativa jornalística como um produto de uma manifestação cultural, procuramos perceber qual o imaginário presente nas dez reportagens de Zero Hora que compõem o nosso corpus. Para atingir este, objetivo utilizamos a mitocrítica como um meio de apreender quais as imagens simbólicas latentes ao longo das matérias e, uma vez encontradas, relacioná-las às três grandes estruturas, ou, universos míticos que organizam o capital simbólico humano, a saber: heroico, dramático e místico. Concluímos que a perspectiva adotada pelo jornal analisado é essencialmente focada nos bastidores da disputa política do tema e com pouca diversidade de atores/personagens/fontes contempladas na narrativa, produzindo uma cobertura fraca, desumanizada e insensível ao cotidiano e à relevância desse tema a todos os brasileiros, e não apenas aos parlamentares ou ambientalistas.
Abstract This work aims to understand the Journal Zero Hora’s coverage about the New Forest Code, in the period between April 25, 2012 and May 29, 2012. The perspective taken as theoretical and methodological referential follows the Imaginary Studies, from Gilbert Durand, that believes humanity shares a common symbolic reservoir, noticeable in any human production. Thus, understanding the journalistic narrative as a product of a cultural expression, we search for the imaginary present in ten stories of Zero Hora that compose our corpus. For this purpose we use the Myth criticism to understand which are the latent symbolic images along the stories and once found them, relate to the three major structures, or mythical universes, that organize symbolic human capital, namely: heroic, dramatic and mystic. We conclude that the approach adopted by the journal is mainly focused on the backstage of the political disputes around this theme and with little diversity of actors/characters/sources included in the narrative, producing a weak and dehumanizing coverage, insensitive to daily and the relevance of this issue to all Brazilians, not just lawmakers or environmentalists.
Tipo Trabalho de conclusão de graduação
URI http://hdl.handle.net/10183/67191
Arquivos Descrição Formato
000871816.pdf (2.850Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.