Repositório Digital

A- A A+

Re-significações do humano no contexto da 'ciborguização' : um olhar sobre as relações humano-máquina na terapia intensiva

.

Re-significações do humano no contexto da 'ciborguização' : um olhar sobre as relações humano-máquina na terapia intensiva

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Re-significações do humano no contexto da 'ciborguização' : um olhar sobre as relações humano-máquina na terapia intensiva
Outro título Re-signification of the human in the context of the “ciborgzation”: a look at the human being-machine relationship in intensive care
Outro título Re-significaciones de lo humano en el contexto de la ‘ciborguización’: una mirada sobre las relaciones humano-máquina en terapia intensiva
Autor Vargas, Mara Ambrosina de Oliveira
Meyer, Dagmar Elisabeth Estermann
Resumo Discutem-se relações humanomáquina do processo denominado ‘ciborguização da enfermeira’ na terapia intensiva, com base nos Estudos Culturais pós-estruturalistas, destacando-se o conceito de ciborgue de Haraway. Examinam-se, como textos culturais, manuais utilizados pela enfermagem nas UTI. Esta análise cultural procura tensionar sentidos de ‘humano e máquina’, com o objetivo de reconhecer processos que instituem enfermeiras como ciborgues. Argumenta-se que enfermeiras intensivistas são inseridas em um processo de corporificação de tecnologia que transforma o corpo-profissional em um híbrido que permite desqualificar, concomitantemente, noções como máquina e corpo ‘em si já que é a hibridização entre ‘um e outro’ que conta, ali. Como ciborgues, enfermeiras intensivistas aprendem a ‘estar com’ a máquina e essa conexão delimita a especificidade de suas ações. Sugere-se que processos de ciborguização como esse são produtivos para questionar - e lidar de outros modos com - os sentidos de ‘humano’ e ‘humanidade’ que sustentam grande parte do saber/fazer em saúde.
Resumen Se discuten relaciones humanomáquina del proceso denominado ‘ciborguización de la enfermera’ en la terapia intensiva, con base en los Estudios Culturales post-estructuralistas, destacándose el concepto de ciborgue de Haraway. Se examinan, como textos culturales, manuales utilizados por la enfermería en las UCIs. Este análisis cultural procura tensionar sentidos de ‘humano y máquina’, con el objetivo de reconocer procesos que instituyen enfermeras como ciborgues. Se argumenta que las enfermeras intensivistas son insertadas en un proceso de corporificación de tecnología que transforma el cuerpo-profesional en un híbrido que permite descalificar, conco-mitantemente, nociones como máquina y cuerpo ‘en sí’ ya que es una hibridización entre ‘uno y otro’ que cuenta, allí. Como ciborgues, las enfermeras intensivistas aprenden a ‘estar con’ la máquina y esa conexión delimita la especificidad de sus acciones. Se sugiere que procesos de ciborguización como ése son productivos para cuestionar - y lidiar de otros modos con los sentidos de ‘humano’ y ‘humanidad’ que sustentan gran parte del saber/hacer en salud.
Abstract This study discusses the human being-machine relationship in the process called “cyborgzation” of the nurse who works in intensive care, based on post-structuralist Cultural Studies and highlighting Haraway’s concept of cyborg. In it, manuals used by nurses in Intensive Care Units have been examined as cultural texts. This cultural analysis tries to decode the various senses of “human” and “machine”, with the aim of recognizing processes that turn nurses into cyborgs. The argument is that intensive care nurses fall into a process of “technology embodiment” that turns the bodyprofessional into a hybrid that makes possible to disqualify, at the same time, notions such as machine and body “proper”, since it is the hybridization between one and the other that counts there. Like cyborgs, intensive care nurses learn to “be with” the machine, and this connection limits the specificity of their actions. It is suggested that processes of “cyborgzation” such as this are useful for questioning – and to deal with in different ways – the senses of “human” and “humanity” that support a major part of knowledge/action in health.
Contido em Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, SP. Vol. 39, n. 2 (jun. 2005), p. 211-219
Assunto Enfermeiros
Estudos culturais
Gênero
Mulher
Unidades de terapia intensiva
[en] Cultural studies and education
[en] Intensive care units
[en] Man-machine system
[en] Nursing care
[es] Atención de enfermería
[es] Estudios culturales e educación
[es] Sistemas hombre-maquina
Origem Nacional
Tipo Artigo de periódico
URI http://hdl.handle.net/10183/69665
Arquivos Descrição Formato
000519370.pdf (593.6Kb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.