Repositório Digital

A- A A+

Influência dos genes CCR2 e CCR5 em hiperplasia e câncer de próstata

.

Influência dos genes CCR2 e CCR5 em hiperplasia e câncer de próstata

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Influência dos genes CCR2 e CCR5 em hiperplasia e câncer de próstata
Autor Zambra, Francis Maria Báo
Orientador Chies, Jose Artur Bogo
Data 2012
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Biociências. Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular.
Assunto Hiperplasia
Hiperplasia prostática benigna
Neoplasias da próstata
Polimorfismo
Quimiocinas
[en] Benign prostatic hyperplasia
[en] CCR2-64I
[en] CCR5-delta32
[en] Chemokine receptor
[en] Polymorphism
[en] Prostate cancer
Resumo A hiperplasia prostática benigna (HPB) e o câncer de próstata (CaP) são duas condições crônicas muito comuns em homens com idade avançada e têm sido relacionadas a processos inflamatórios. As quimiocinas são reconhecidas como mediadores críticos da resposta inflamatória por regular a migração das células imunológicas através da ativação de receptores de quimiocinas na superfície destas células. As quimiocinas estão relacionadas à patogênese tumoral, embora não seja claro de que modo afetam a progressão tumoral humana. O objetivo desse estudo foi investigar a associação de dois polimorfismos de receptores de quimiocinas, CCR2-64I e CCR5-delta32, com HPB e CaP. Neste trabalho foram genotipadas 385 amostras de DNA genômico de homens do sul do Brasil, predominantemente euro-descendentes, incluindo 130 casos de HPB, 136 casos de CaP e 119 indivíduos controle saudáveis. Para o polimorfismo CCR2-64I a genotipagem foi realizada por PCR-RFLP e para o CCR5-delta32 foi por PCR convencional. As frequências alélicas do CCR2-64I foram 14,0%; 15,8% e 11,1% nos grupos controle, HPB e CaP, respectivamente; enquanto as do CCR5-delta32 foram 5,1%; 7,1% e 6,2%, respectivamente. A mediana referente aos níveis de PSA foi de 0,79; 1,45 e 6,91 ng/mL nos grupos controle, HPB e CaP, respectivamente; diferindo significativamente entre estes (todos p<0,001). A mediana do volume da próstata foi 20,00 cm3 no grupo controle, portanto, menor que dos grupos HPB (35,35 cm3) e CaP (35,80 cm3) (ambos p<0,001); no entanto, não foi observada diferença entre pacientes com HPB e CaP (p=0,172). Algo interessante observado foi CCR2-64I como um fator protetor para CaP quando comparado com HPB (OR=0,550; IC95%=0,311–0,975), mas não quando comparado com o grupo controle (p=0,448). Não foi observada associação do CCR2-64I com os estados clinicopatológicos do CaP (estadiamento tumoral e escore de Gleason) (todos p≥0,308). Não foi observada associação significativa da variante CCR5-delta32 com HPB ou CaP (todos p≥0,072), ou com os estados clinicopatológicos do CaP (todos p≥0,253). Assim, nossos dados sugerem a influência da variante CCR2-64I, observada como fator protetor para CaP quando comparada com HPB, no desenvolvimento do câncer de próstata.
Abstract Benign prostatic hyperplasia (BPH) and prostate cancer (PCa) are two chronic conditions very common in aged men and have been related to inflammatory process. Chemokines are recognized as critical mediators of inflammatory responses by regulating the migration of immune cells through the activation of chemokine receptors on the surface of these cells. Chemokines are implicated in tumor pathogenesis, although it is not clear how it affects human tumor progression. The aim of this study was to investigate the association of two chemokine receptor gene polymorphisms, CCR2-64I and CCR5-delta32, with BPH and PCa. In this study were genotyped 385 genomic DNA samples from southernmost Brazilian men, predominantly euro-descendants, including 130 BPH, 136 PCa and 119 healthy control subjects. To CCR2-64I polymorphism the genotyping was performed by PCR-RFLP and to CCR5-delta32 by conventional PCR. The allele frequencies of CCR2-64I were 14.0%, 15.8% and 11.1% in control, BPH and PCa, respectively; while of CCR5-delta32 were 5.1%, 7.1% and 6.2%, respectively. Median of serum PSA levels were 0.79, 1.45 and 6.91 ng/mL in control, BPH and PCa group, respectively (all p<0.001). The prostate volume median was 20.00 cm3 in the control group, thus, lower than BPH (35.35 cm3) and PCa (35.80 cm3) group (both p<0.001), nevertheless no difference was observed between BPH and PCa patients (p=0.172). Interestingly, CCR2-64I was detected as a protective factor to PCa when compared with BPH (OR=0.550; 95%CI=0.311–0.975), but not when compared with control group (p=0.448). No significant associations of the CCR2-64I were observed with PCa clinicopathologic states (tumor stage and Gleason score) (all p≥0.308). No significant associations of the CCR5-delta32 variant were observed with BPH or PCa (all p≥0.072), or with PCa clinicopathologic status (all p≥0.253). Thus, our data suggest a influence of the CCR2-64I variant, that was observed as a protective factor in PCa when compared with BPH, in prostate cancer development.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/69706
Arquivos Descrição Formato
000866252.pdf (1.290Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.