Repositório Digital

A- A A+

Adaptação transcultural e avaliação psicométrica da Arousal Predisposition Scale para mensurar níveis de resposta a estímulos em crianças e adolescentes

.

Adaptação transcultural e avaliação psicométrica da Arousal Predisposition Scale para mensurar níveis de resposta a estímulos em crianças e adolescentes

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Adaptação transcultural e avaliação psicométrica da Arousal Predisposition Scale para mensurar níveis de resposta a estímulos em crianças e adolescentes
Autor Falchetti, Ana Carolina Brunatto
Orientador Heldt, Elizeth Paz da Silva
Data 2013
Nível Mestrado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem.
Assunto Enfermagem transcultural
Estresse fisiológico
Estudos de validação
[en] Behavior
[en] Physiological stress
[en] Psychological stress
[en] Validation studies
[es] Conducta
[es] Estrés fisiológico
[es] Estrés psicológico
[es] Estudios de validación
Resumo A utilização de instrumentos, escalas ou questionários pode ser uma estratégia útil para pesquisadores e profissionais da saúde com vistas a identificar problemas de saúde mental na infância e adolescência. A Arousal Predisposition Scale (APS) é uma escala com 12 itens elaborada para mensurar o nível de arousal de um indivíduo. Entende-se como arousal a predisposição ou característica individual de resposta aos estímulos ambientais. Estudos demonstram que existe associação entre problemas de comportamento e níveis de resposta a estímulos. Todavia, não há no Brasil instrumentos ou escalas adaptados transculturalmente para esse fim. O presente estudo tem por objetivo realizar a adaptação transcultural e a avaliação das propriedades psicométricas da versão em português do Brasil da APS para crianças e adolescentes. Utilizou-se o referencial de Beaton e colaboradores para validação de instrumentos para medidas de saúde. O estudo foi realizado com escolares da rede pública de ensino da área de abrangência de uma Unidade Básica de Saúde. Foram incluídas três faixas etárias: crianças de 8 a 10 anos, pré-adolescentes de 11 a 14 anos e adolescentes de 15 a 17 anos completos. O estudo foi dividido em duas etapas, sendo que a primeira tratou das etapas de tradução, retradução, avaliação por comitê de especialistas e avaliação da clareza da versão pré-final traduzida. A segunda etapa consistiu na avaliação das propriedades psicométricas da versão final (consistência interna, concordância intra-avaliadores e validade de critério). Utilizou-se a escala Questionário de Capacidades e Dificuldades (SDQ) para verificar a validade de critério. Após as considerações do comitê de especialistas e o resultado da avaliação da clareza por 76 estudantes, a escala foi retraduzida e enviada para o autor da APS, que aprovou a versão final, concluindo-se então a fase de adaptação transcultural. Um total de 189 estudantes participou da avaliação das propriedades psicométricas. A consistência interna dos itens foi aceitável para os grupos de pré-adolescentes e adolescentes, com alfa de Cronbach 0,766 e 0,772, respectivamente. Entretanto, não apresentou consistência interna aceitável para o grupo de crianças, com alfa de Cronbach de 0,633. Em relação à consistência intra-avaliadores, não houve diferença significativa entre a média do total da escala no teste-reteste dos três grupos (p>0,05). Observou-se correlação significativa de moderada a forte da APS com a SDQ, principalmente nos domínios equilíbrio emocional, conduta e hiperatividade. Portanto, a APS está adaptada e validada no Brasil para a faixa etária acima de 11 anos, sendo agora denominada Escala de Predisposição de Resposta a Estímulos (EPRE). A escala pode ser útil aos profissionais da saúde, sobretudo enfermeiros que atuam na atenção primária em saúde escolar, para identificar precocemente casos detectados de problemas comportamentais e neles posteriormente intervir.
Abstract The use of instruments, scales or questionnaires can be a useful strategy for researchers and health professionals to identify mental health problems in childhood and adolescence. The Arousal Predisposition Scale (APS) is a scale with 12 items designed to measure the level of arousal from an individual. Arousal is understood as a predisposition or individual response characteristic to environmental stimuli. Studies show that there is an association between behavior problems and levels of response to stimuli. However, there are no instruments or scales transculturally adapted for this purpose in Brazil. This study aims to perform the transcultural adaptation and evaluation of the psychometric properties of the Brazilian Portuguese version of APS for children and adolescents. We used the guidelines of Beaton et al. for validation of instruments for health measures. The study was conducted with students from public schools within an area covered by a primary care unit. We included three age groups: children aged 8 to 10 years, pre-adolescents 11 to 14 years and adolescents aged 15 to 17 years. The study was allocated into two phases, the first of which dealt with the stages of translation, backtranslation, expert committee review and assessment of the clarity of the pre-final version (translated). The second step was to assess the psychometric properties of the final version (internal consistency, intra-rater reliability and criterion validity). We used the scale Strengths and Difficulties Questionnaire (SDQ) to check the validity of the criteria. After the considerations of the committee of experts and the evaluation result of the clarity by 76 students, the scale was retranslated and sent to the author of the APS, who approved the final version, thus completing the stage of transcultural adaptation. The internal consistency of the items was acceptable for groups of pre-adolescents and adolescents, with Cronbach's alpha 0.766 and 0.772, respectively. However, it did not demonstrate acceptable internal consistency for the group of children, with Cronbach's alpha of 0.633. In relation to intra-rater reliability, there was no significant difference between the averages of the total scale on test-retest of the three groups (p > 0.05). We observed a significant correlation of moderate to strong of APS with SDQ, mainly in the areas of emotional balance, behavior, and hyperactivity. Therefore, APS is adapted and validated in Brazil for the age group above 11 years, and is now called Escala de Predisposição de Resposta a Estímulos, EPRE, (Predisposition Scale of Response to Stimuli). The scale can be useful to health professionals, particularly nurses who work in primary care in school health, to detect and identify early cases of behavioral problems and subsequently intervene.
Resumen La utilización de instrumentos, escalas o cuestionarios puede ser una estrategia útil para investigadores y profesionales de la salud con vistas a identificar problemas de salud mental en la infancia y en la adolescencia. Arousal Predisposition Scale (APS) es una escala que presenta 12 puntos y que ha sido elaborada para medir el nivel de arousal de un individuo. Se entiende como arousal la predisposición o la característica individual de respuesta a los estímulos ambientales. Estudios demuestran que existe una asociación entre los problemas de comportamiento y los niveles de respuesta a los estímulos. Sin embargo, en Brasil no existen instrumentos o escalas adaptados transculturalmente para esa finalidad. Este estudio pretende realizar la adaptación transcultural y evaluar las propiedades psicométricas de la versión en portugués de Brasil de APS para niños y adolescentes. Para la validación de instrumentos para medidas de salud se utilizó el referencial de Beaton y colaboradores. El estudio fue aplicado a escolares de la red pública de enseñanza del área de cobertura de una Unidad Básica de Salud. Se incluyeron tres franjas etarias: niños de 08 a 10 años, preadolescentes de 11 a 14 años y adolescentes de 15 a 17 años completos. Se ha dividido el estudio en dos etapas, siendo que la primera trató de las etapas de traducción, retraducción, evaluación por parte de un comité de especialistas y evaluación de la claridad de la versión pre final traducida. La segunda etapa consistió en la evaluación de las propiedades psicométricas de la versión final (consistencia interna, concordancia de los evaluadores internos y validez del criterio). Se ha utilizado la escala Cuestionario de Capacidades y Dificultades (SDQ) para comprobar la validez del criterio. Tras las consideraciones del comité de expertos y el resultado de la evaluación de la caridad por parte de 76 alumnos, la escala fue retraducida y enviada al autor de la APS, quien aprobó la versión final, por lo que se concluyó la etapa de adaptación transcultural. Un grupo de 189 alumnos participaron en la evaluación de las propiedades psicométricas. La consistencia interna de los ítems fue aceptable para los grupos de preadolescentes y adolescentes, con alfa de Cronbach, 0,766 y 0,772, respectivamente. Sin embargo, no hubo consistencia interna aceptable para el grupo de niños, con alfa de Cronbach de 0,633. Con relación a la consistencia entre los evaluadores internos, no hubo diferencia significativa entre el promedio del total de la escala en el test-retest de los tres grupos (p>0,05). Se observó una correlación significativa de moderada a fuerte de la APS con la SDQ, principalmente en los dominios de equilibrio emocional, conducta e hiperactividad. Por lo tanto, la APS está adaptada y habilitada en Brasil para la franja etaria superior a los 11 años, siendo que ahora se la denomina Escala de Predisposición de Respuesta a Estímulos (EPRE). La escala puede ser útil para los profesionales de la salud, principalmente para los enfermeros que actúan en la atención primaria en salud escolar, para identificar de forma precoz los casos detectados como trastornos del comportamiento y poder intervenir en ellos más tarde.
Tipo Dissertação
URI http://hdl.handle.net/10183/69817
Arquivos Descrição Formato
000875003.pdf (1.960Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.