Repositório Digital

A- A A+

Análise morfológica qualitativa e quantitativa do nervo laríngeo recorrente e do músculo tireoaritenóideo humano

.

Análise morfológica qualitativa e quantitativa do nervo laríngeo recorrente e do músculo tireoaritenóideo humano

Mostrar registro completo

Estatísticas

Título Análise morfológica qualitativa e quantitativa do nervo laríngeo recorrente e do músculo tireoaritenóideo humano
Autor Campos, Deivis de
Orientador Jotz, Geraldo Pereira
Co-orientador Xavier, Leder Leal
Data 2012
Nível Doutorado
Instituição Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Ciências Básicas da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Neurociências.
Assunto Análise morfométrica
Anatomia humana
Músculos laríngeos
Nervo laríngeo recorrente
Resumo Uma das questões mais intrigantes acerca da mobilidade vocal é o paradigma morfológico/funcional que existe sobre a organização do músculo tireoaritenóideo (TA) em relação à prega vocal. Funcionalmente, o músculo TA é responsável por ajustes seletivos em diferentes partes da prega vocal; contudo, esse padrão funcional somente seria possível se suas fibras não se situassem paralelamente em toda a extensão da prega vocal. Dessa forma, as fibras do músculo TA não teriam uma única orientação. Esse padrão morfológico se assemelharia a organização histológica da musculatura da língua. Portanto, a primeira hipótese desta tese é de que assim como a língua apresenta inúmeras possibilidades de movimento em função de sua organização muscular, o músculo TA também poderia apresentar uma organização muscular similar à musculatura da língua, assim como sua inervação; e dessa forma, propiciaria inúmeras possibilidades de movimento à prega vocal. Portanto, o objetivo do primeiro trabalho desta tese foi investigar em humanos as similaridades na organização histológica entre as fibras do músculo TA e da musculatura da língua, assim como diferentes parâmetros histomorfométricos em seus respectivos nervos, laríngeo recorrente (NLR) e hipoglosso (XII); com relevância clínica para uma técnica de reinervação da prega vocal, baseada na anastomose XII-NLR. Com o auxilio de técnicas estereológicas específicas, nós verificamos em doze cadáveres adultos que a organização histológica do músculo TA é similar à organização histológica da musculatura da língua. No entanto, não existem semelhanças nos parâmetros histomorfométricos quantificados entre o NLR e o XII. Dessa forma, no primeiro trabalho desta tese, conclui-se que a organização histológica das fibras do músculo TA, assemelha-se a musculatura da língua em termos de orientação. Presumivelmente, essa característica morfológica propicia uma maior diversidade/possibilidade de movimentos (ajustes seletivos em diferentes partes) à prega vocal. Baseado na diversidade do padrão vocal de um recém nascido, a segunda hipótese desta tese é de que já no período fetal todas as estruturas associadas à prega vocal (prega vocal falsa, ventrículo da laringe, epitélio, glândulas mucosas, vasos sanguíneos e ligamento vocal) já estão completamente estabelecidas, e assim como no adulto, as fibras do músculo TA não estão situadas paralelamente e lateralmente em toda a extensão da prega vocal. Desse modo, seguindo os mesmos protocolos morfométricos, nós também demonstramos que em um feto humano de 25 semanas de idade, além das estruturas associadas à prega vocal já estarem completamente estabelecidas, as fibras do músculo TA fetal, assim como no adulto, apresentam diferentes orientações: transversal, indefinida e longitudinal, ao longo de toda a extensão da prega vocal. Adicionalmente, o aspecto clínico/fisiológico nas diferenças de timbres sonoros entre homens e mulheres e suas especificidades, é um tema que ainda permanece pouco esclarecido. Embora alguns autores tenham reportado a existência do dimorfismo sexual em estruturas nervosas envolvidas com o controle vocal no sistema nervoso central; na atual literatura não existe nenhum estudo que evidencie a presença ou ausência do dimorfismo sexual no sistema nervoso periférico, especialmente no NLR e no músculo TA. Da mesma forma, existem vários estudos em animais descrevendo o dimorfismo sexual em regiões do sistema nervoso envolvidas com o controle da vocalização; no entanto, pouco se conhece sobre esse tema em humanos. Desse modo, a terceira hipótese desta tese é de que os tecidos (NLR e TA) que controlam as pregas vocais também poderiam apresentar dimorfismo sexual. Portanto, o objetivo do terceiro trabalho foi investigar, em humanos, através de análises morfométricas a presença do dimorfismo sexual no NLR e músculo TA. Análises com 14 cadáveres adultos revelaram que existe dimorfismo sexual em relação aos aspectos histomorfométricos do NLR; contudo, não foi verificado dimorfismo sexual em relação à organização histológica das fibras do músculo TA. Frente a esses resultados, conclui-se que os humanos, assim como outras espécies, também apresentam dimorfismo sexual em estruturas nervosas envolvidas com o controle vocal, tanto no sistema nervoso central, já relatada por outros autores, quanto no sistema nervoso periférico (NLR), mostrada em nosso estudo. Finalmente, nós podemos supor que as diferenças entre os timbres sonoros de homens e mulheres e suas especificidades, talvez não possam ser explicadas somente por diferenças na massa das pregas vocais ou no tamanho do trato vocal; mas também por diferenças que abrangem a organização de todo o sistema nervoso.
Abstract One of the most intriguing questions concerning vocal mobility is the morphological/functional paradigm regarding the organization of the thyroarytenoid muscle (TA) in relation to the vocal fold. Functionally, the TA is responsible for selective adjustments in different parts of the vocal fold. Yet, such a functional pattern would be only possible if its fibers were situated throughout the entire length of the vocal fold. Thus, TA muscle fibers would need to have more than one orientation. This morphological pattern would resemble the histological organization of the tongue musculature. Thus, the first hypothesis of this thesis is that as the tongue presents numerous opportunities for movement due to its muscular organization, muscle organization as well as innervation in the TA could be similar to that of the tongue, which would thus provide numerous opportunities for vocal fold motion. Therefore, the aim of the first study of this thesis was to investigate in humans the similarities between the histological organization of the TA muscle fibers and the tongue muscle, as well as different histomorphometric parameters in their respective nerves, the recurrent laryngeal nerve (RLN) and the hypoglossal nerve (XII); clinically relevant for a vocal fold reinnervation technique based on XII-RLN anastomosis. With the help of specific stereological techniques, we found the histological organization of the TA muscle to be similar to the histological organization of the tongue musculature in twelve cadavers. However, there are no similarities between the histomorphometric parameters quantified in the RLN and XII. Thus, in the first study of this thesis, it was concluded that the histological organization of the TA muscle fibers is similar to that of the tongue muscles in terms of orientation. Presumably, this morphological characteristic provides the vocal fold with a greater diversity/possibility of movement (selective adjustments in different parts). Based on the diversity of vocal patterns of a newborn, the second hypothesis of this thesis is that during the fetal period all the structures associated with the vocal folds (false vocal fold, ventricle of the larynx epithelium, mucous glands, blood vessels and vocal ligament) are already fully established and, as in adults, the TA muscle fibers are not situated in parallel and laterally throughout the length of the vocal fold. Hence, using the same stereological protocols, we also show that in a human fetus aged 25 weeks, besides the structures already associated with vocal fold being fully established, the TA fetal muscle fibers, as in adults, have different orientations: transverse, undefined and longitudinal, throughout the length of the vocal fold. Additionally, the role of clinical/physiological aspects in relation to differences in the tonal qualities of men and women voices and their specificities remains to be clarified. Although some authors have reported the existence of sexual dimorphism in the neural structures involved in vocal control at the level of the central nervous system, in the current literature there is no study that shows the presence or absence of sexual dimorphism at the level of the peripheral nervous system, especially the RLN and the TA muscle. Likewise, while there are numerous animal studies describing sexual dimorphism in the nervous system of regions involved with vocalization control, little is known about this aspect in humans. Thus, the third hypothesis of this thesis is that the tissues (RLN and TA) that control the vocal folds could also present sexual dimorphism. Therefore, the aim of the third study was to use morphometric analysis to investigate the presence of sexual dimorphism in the NLR and TA muscle in humans. Analyses of fourteen cadavers show that there is sexual dimorphism in relation to histomorphometric aspects of the RLN, although no such sexual dimorphism was observed in relation to the histological organization of the TA muscle fibers. Given these results, we conclude that humans, like other species, also exhibit sexual dimorphism in the neural structures involved in vocal control, both at the central level, as reported by other authors, and at the peripheral level (RLN), as shown in our study. Finally, we can assume that the differences between tonal qualities men and women voices and their specificities, may be not only explained by differences in the vocal fold mass or vocal tract size, but also by differences that include the organization of full the nervous system.
Tipo Tese
URI http://hdl.handle.net/10183/70035
Arquivos Descrição Formato
000876067.pdf (2.635Mb) Texto completo Adobe PDF Visualizar/abrir

Este item está licenciado na Creative Commons License

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(ões)


Mostrar registro completo

Percorrer



  • O autor é titular dos direitos autorais dos documentos disponíveis neste repositório e é vedada, nos termos da lei, a comercialização de qualquer espécie sem sua autorização prévia.
    Projeto gráfico elaborado pelo Caixola - Clube de Criação Fabico/UFRGS Powered by DSpace software, Version 1.8.1.